Análise comportamental e coaching: qual a ligação?

Embora seja uma profissão relativamente nova, alguns princípios do coaching já foram utilizados, na antiguidade, por grandes ícones da filosofia comportamental humana.

O pesquisador Idalberto Chiavenato, por exemplo, cita que o filósofo Sócrates, em 450 a.C., já ensinava as pessoas a pensarem e refletirem sobre vários assuntos, com o objetivo de proporcionar autoconhecimento.

A importância do autoconhecimento

A psicoterapeuta Fabiana Barbosa de Souza salienta que, de forma similar, o coach utiliza perguntas específicas para o cliente atingir uma melhor compreensão dos próprios comportamentos. O autoconhecimento tem origem social e é extremamente útil, pois o indivíduo passa a haver-se consigo e desenvolve o autocontrole.

Possibilitá-lo é uma das tarefas do coach, visto que, quando o cliente passa a entender as variáveis das quais seus comportamentos são função, torna-se capaz de prevê-los e controlá-los. Esta capacidade de previsão e controle, de acordo com Fabiana, possibilita ao coachee a apresentação de comportamentos que aumentem a probabilidade dele atingir seus objetivos, ou seja, o famoso “entrar em ação”. Isto implica na apresentação, por parte do cliente, de um comportamento ou uma sequência de procedimentos, diante de situações que vivencia.

Se estas situações, que a pessoa vivencia, envolvem um contexto social, diz-se que o mesmo apresenta um desempenho social.

As habilidades e a metodologia de coaching

Os autores Almir Del Prette e Zilda Del Prette também descrevem a diferença entre desempenho social, habilidades sociais e competências sociais, sendo a compreensão de tais conceitos de fundamental importância para o profissional que atua como coach.

Embora não use esta linguagem específica da análise do comportamento, o coach trabalha com o desenvolvimento de habilidades sociais e estes termos são, muitas vezes, entendidos como sinônimos.

Para esses autores, habilidades sociais referem-se: "A existência de diferentes classes de comportamentos sociais no repertório do indivíduo para lidar com as demandas das situações interpessoais”. Já as competências sociais, de acordo com eles, relacionam-se: "A avaliação que o cliente faz dos efeitos de seu desempenho e de suas habilidades em cada situação vivida".