Enquanto o empreendedorismo define as pessoas que, por iniciativa própria, realizam ações ou idealizam novos projetos, produtos ou atividades de organização e administração, o intraempreendedorismo tem como principal objetivo estimular a atividade empreendedora entre os colaboradores de uma empresa. Ele incentiva o desenvolvimento das suas próprias ideias e, com isso, aumenta a capacidade de inovação e competitividade da empresa.

Ao invés de ter os colaboradores como meros executantes, o intra-empreendedorismo estimula a criatividade, envolvendo os funcionários em diversos projetos, como se eles fossem sócios da empresa. Isso traz vantagens para ambos os lados, porque as pessoas se sentem mais envolvidas e com mais oportunidades para aumentar as competências, participando nas decisões da empresa.

Estimule a renovação criando uma cultura empreendedora

As organizações também conseguem muitos benefícios, porque no mundo atual, pautado por uma forte competitividade, criar uma cultura empreendedora dentro da própria empresa é a melhor forma de estimular a renovação, a modernização e a inovação da organização. Além disso, é também uma forma de descobrir talentos dentro da organização e fidelizar os colaboradores. A criação de um espírito intraempreendedor numa empresa pode passar pela criação de programas de ‘coaching’ ou ‘mentoring’ focado nos colaboradores que mais se destacam, além da sistematização de métodos de trabalho mais flexíveis, aposta na formação e no aumento de competências dos colaboradores.

Transforme sonhos em realidade

Atualmente, não basta ter somente diploma de graduação e especialização para se destacar no mercado de trabalho. As empresas buscam cada vez mais profissionais que agreguem soluções inusitadas para seus problemas, sejam proativos e inovadores, com perfil de intraempreendedor. Elas querem que esses funcionários apliquem o comportamento empreendedor em prol da própria empresa.

Se, em sua forma tradicional, o empreendedorismo é realizado por pessoas que agem de forma independente e são os únicos responsáveis pelos riscos e beneficiário dos resultados, no intraempreendedorismo a ação empreendedora é realizada por colaboradores de uma organização, ou seja, diretores, gerentes e demais funcionários, que agem como empreendedores. A ação é feita em consonância com os objetivos da corporação, que também fica suscetível aos riscos e benefícios dessas ações empreendedoras.

É importante destacar que o ambiente intraempreendedor nasce e se expande em função da natureza da cultura das organizações. Na maioria, a estrutura de poder e as teias hierárquicas sufocam a liberdade dos colaboradores, calando também a sua capacidade de inovar. Nas poucas empresas que têm a ousadia de manterem estruturas flexíveis, a capacidade criativa dos seus colaboradores têm sido decisiva para o seu desenvolvimento.

Intraempreendedor: Um dos mais importantes profissionais nas empresas de alta competitividade

Atualmente o intraempreendedor é um dos mais importantes profissionais nas empresas de alta competitividade. Ao alcançar determinado nível de estabilidade, uma organização pode perder ou ver reduzido o seu potencial empreendedor, entendido como a capacidade de inovar através da recriação e reinvenção dos processos e técnicas que a permitem encontrar novos mercados e novos produtos. O intraempreendorismo é indispensável para empresas estabelecidas, porque recria a cultura empreendedora interna. Nesse ambiente, a empresa opera nas fronteiras da tecnologia, onde novas ideias são encorajadas, não há parâmetro para a oportunidade, a abordagem de equipes é multidisciplinar, há patrocinadores e defensores do modelo e apoio da alta administração.

Para se desenvolver o intraempreendedorismo é preciso comprometimento da diretoria, dos gerentes e de todos os colaboradores da empresa, nessa ordem hierárquica e seguir na direção de entender o ambiente, ser visionário e flexível, criando opções administrativas e estimulando o trabalho em equipe. A empresa deve incentivar a discussão aberta e construir uma coalizão de defensores. O exercício do empreendedorismo dentro e fora da empresa deve ser incentivado, para que a corporação tenha a ousadia de dar o exemplo, que faça jus ao que prega, criando programas de inovação de dentro pra fora, usando suas habilidades de mandar fazer em benefício próprio. Aí sim, pode-se chamar uma empresa de vanguarda, que a sociedade paga para ver.