Como estruturar uma sessão de coaching?

O primeiro passo para uma sessão de coaching é proporcionar um ambiente seguro, que deixe o cliente confortável e confiante com seu coach. O coach deve explicar para o cliente o que é coaching e se apresentar, informando sua formação e competências. A sessão é desenvolvida conforme as necessidades identificadas pelo coach, aplicando ferramentas estratégicas para o desenvolvimento e evolução do cliente.

Também deve focar sua atenção em alguns pontos específicos, como assegurar-se que foram criadas condições físicas e psicológicas para o cliente se sentir motivado, à vontade e livre de interrupções. Caso isso não aconteça, é preferível desmarcar a sessão e reagendar. O cliente deve dispor de 80% do tempo disponível para falar e o coach deve escutá-lo ativamente, ficando com os 20% restantes para identificar a necessidade de uma pergunta poderosa, que cause movimento ou conscientização no cliente.

Conte com a ajuda de ferramentas

Existem algumas ferramentas, como a estrutura de diálogo em coaching, que contempla sete fases para apoiar o coach no desenvolvimento das sessões. São elas: Estado Atual, Meta, Realidade, Opção, O que fazer, Revisão, e Plano de Ação.

Essa estrutura é adaptada do modelo G.R.O.W., de Sir John Whitmore, que mostra o coach não como um especialista na vida do cliente, mas sim como facilitador, apoiando-o na escolha das melhores opções, sem oferecer conselhos ou opiniões que proporcionem direção.

O modelo G.R.O.W. é uma abordagem comprovada, uma forma do cliente traçar um plano de voo: primeiro o coach começa com um mapa e apoia o cliente a decidir para onde ir (Meta) e determinar onde se encontra atualmente (Realidade). E seguida, podem ser exploradas várias maneiras de fazer a viagem (Opções) e na etapa final o coach e o cliente estabelecem a vontade dele (Querer), garantindo que o coachee fique empenhado em fazer a viagem, preparado para as condições e obstáculos encontrados no caminho.