Nossa experiência nos ensinou grande parte do que funciona e do que não funciona em um modelo de aconselhamento de processo. Sabemos que, para ser eficaz, qualquer modelo de aconselhamento de processo deve: 
Estabelecer uma meta clara de desenvolvimento.

Estabelecer competências-chave e questões norteadoras.

Treinar, aconselhar e desenvolver aconselhadores de processo qualificados.

Estabelecer parâmetros específicos de tempo, freqüência de contato e modos de interação entre aconselhador e aconselhado.

Estabelecer conta regular entre o aconselhador de processo e o patrocinador organizacional.

Estabelecer uma comunidade de aprendizado para ampliar o conhecimento do aconselhador.

Elaborar verificações de avaliação e de qualidade para assegurar um processo bem-sucedido.

Na nossa organização, continuamos a explorar e avaliar novas maneiras de utilizar o modelo de aconselhamento de processo em nossos programas, bem como através de novas tecnologias. Por exemplo, estamos continuamente acrescentando o aconselhamento de processo a nossos programas personalizados e trabalhando com as empresas para incorporar o aconselhamento de processo a seus sistemas internos de desenvolvimento. 

Nossa esperança é tornar essa técnica ainda mais amplamente disponível aos líderes atuais, de quem se exige cada vez mais um bom desempenho no trabalho, no momento, e a aprender e crescer enquanto fazem isso.

Marshall Goldsmith em Coaching: o exercício da liderança, editora Campus, 2003.