Diferenças entre programação neurolinguística e coaching

A programação neurolinguística (PNL) é uma metodologia para criar mudanças.

O prefixo “neuro” corresponde ao pensamento e “linguística” diz respeito à maneira como a palavra pode ser utilizada para influenciar outras pessoas e a si próprio. Há modelos específicos dentro do campo da PNL para ensinar as pessoas a mudar os hábitos e outros comportamentos, como explorar e alterar estados interiores, além de definir, identificar e mudar as convicções limitantes.

A PNL explica, por exemplo, como organizarmos nossos sentimentos e emoções e os mobilizamos para alcançarmos nossas metas e objetivos.

A PNL pode ser usada como ferramenta no processo de coaching?

Geralmente, treinamentos de coaching dão ênfase à PNL e isso causa certa confusão, porque o coaching é um processo que apoia a pessoa na tarefa de acessar seus recursos internos e externos e utilizá-los para alcançar um resultado desejado, alinhando potenciais e valores para chegar a resultados positivos.

Os princípios da Programação Neurolinguística

De acordo com os princípios da PNL, o ser humano tem três modos distintos de entender uma situação: primeiro está a forma como se pensa (valores, crenças, desejos e interesses), depois, a forma com a qual se absorve a opinião das pessoas ao redor.

Por fim, vem a observação sistêmica, com uma visão das duas perspectivas sem adotar uma delas, criando uma visão mais abrangente do Eu e do Outro.

Os estudos de programação neurolinguística são sérios e amplamente utilizados para propor mudanças importantes. Porém, não deve ser confundido com coaching.

Os dois processos são válidos, mas caminham separados. PNL e coaching compreendem técnicas diferentes, sendo a primeira voltada para estudos da neurociência, enquanto o coaching tem suas bases firmadas sobre estudos comportamentais.