É comum pontuarmos a competitividade no mundo corporativo, associado a uma forma positiva de interagir com o mercado e a gestão de equipes, porém nem sempre ela é positiva, pois pode se transformar em um processo que gere retornos negativos, com perdas para o indivíduo e a organização. Então, como podemos avaliar?

A competitividade positiva possui valores agregados à equipe e a organização, trazendo inovação, motivação e crescimento. O que vai moldar os seus resultados é a sua meta. Toda competitividade deve ter uma meta! É função dos gestores de equipe avaliar: Qual a meta da competitividade de nossos colaboradores? Se a resposta for “atingir melhores resultados”, “ultrapassar a concorrência”, “encontrar formas criativas de finalizar os procedimentos”, os resultados trarão retornos que toda a equipe de trabalho poderá usufruir, com compartilhamento de conhecimentos e resultados de longa duração.

É unido a esta perspectiva que a competitividade negativa surge. Qual a meta de uma competitividade negativa? Se esta for pautada em valores pessoais e metas individuais, fará com que toda a energia de trabalho seja canalizada para ações ineficazes, pois a atenção da equipe nunca estará em melhorias e inovações, mas sim em “provar que sou melhor que os outros”, e isso trará desconforto a equipe, ruídos na comunicação e quebra na gestão de equipe.

Um dos piores resultados de uma competitividade negativa é a “perda de energia” em tarefas desnecessárias e a ausência do compartilhamento de conhecimento entre os membros da equipe, pois os colaboradores deixam as metas de melhorias e inovação, para passar longos períodos em ações individuais. Teremos equipes fracas e desagregadas, com resultados de baixo impacto e curta duração. Quem é o responsável por isso? A gestão de equipe, pois a liderança deve sempre estar atenta para a questão: Onde está o foco da minha equipe?

O olhar para a competitividade deve ser sempre como a uma ferramenta de gestão, dessa forma, deve pautar as prioridades da gestão organizacional, por isso, para um autêntico líder, este olhar atento sempre fará parte de sua estratégia.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.