CÓDIGO DE ÉTICA DO PROFISSIONAL DE COACHING

No processo de elaboração do Código de Ética para o Profissional de Coaching da SLAC® Coaching - Sociedade Latino Americana de Coaching, tomaram-se por base, também, as Afirmações Universais de Direitos Humanos, que conceituam a proteção do ser humano no contexto das relações entre este e a sociedade.

O Coaching afirma-se, segundo as mais atualizadas pesquisas sobre a profissão, como atividade imprescindível à promoção do desenvolvimento humano em diversas áreas, como Qualidade de Vida, Carreira, Negócios, Relacionamentos e Liderança.

Ao Coaching, como atividade profissional, foram identificadas a importância de conhecimento técnico especializado e a necessidade do desenvolvimento de competência específica para sua aplicação, possibilitando, assim, estender a toda sociedade os valores e os benefícios da sua prática com respeito e sigilo absoluto.

Este Código propõe estabelecer a articulação das dimensões técnica e social com a dimensão ética, de forma a garantir, no desempenho profissional de Coaching, a união de conhecimento e atitude.

Isso posto, o ideal da profissão define-se pela prestação de um atendimento melhor e mais qualificado, tendo como referência um conjunto de técnicas, normas e valores éticos livremente assumidos, individual e coletivamente, pelos profissionais de coaching da SLAC® Coaching - Sociedade Latino Americana de Coaching.

A SLAC® Coaching compartilha o Código de Ética IAC® - International Association of Coaching, uma das mais importantes organizações internacionais responsáveis por regular e incentivar a atividade de maneira responsável, eficiente e sustentável.

CÓDIGO DE ÉTICA PARA A PRÁTICA DO COACHING

Coaches são treinados especificamente em instituições especializadas, como a SLAC® Coaching, porém, também, usam e incorporaram suas experiências de vida em suas práticas. Isso é absolutamente comum e eticamente aceitável.

Embora cada coach meça o seu progresso de forma diferente, essa mensuração de resultados, sempre, deverá ser feita tendo como base o progresso do cliente em direção a seus objetivos. Devido à natureza pessoal da maioria dos relacionamentos de Coaching, este Código de Ética fornece a estrutura e os valores sobre os quais os coaches profissionais baseiam suas práticas.

Os efeitos deste código são três. Primeiro, ele fornece os princípios gerais e valores para que os coaches se norteiem. Estes incluem a confidencialidade e a maior preocupação para com o bem-estar e sucesso do cliente. Em segundo lugar, estabelece regras para os coaches usarem em muitas das situações específicas que um coach possa encontrar.

Por fim, este código é utilizado para servir como ponto de apoio para a construção de padrões éticos e morais de Coaching, conquanto o coach possa complementá-lo a fim de construir um compromisso de vida para a construção de um ambiente de trabalho ético e profissional.

1

NORMAS GERAIS

  • 1.01 APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA

    Qualquer código pode ser considerado como uma normalização da experiência para um conjunto de regras. Um código é adotado por uma comunidade porque seus membros aceitam subjugarem-se a suas regras, incluindo as restrições que isso implica. Torna-se um benefício para todos, dentro e fora da comunidade.

    Este Código de Ética, especificamente, é dirigido a todos os profissionais membros da Sociedade Latino Americana de Coaching. Trata-se, essencialmente, de uma série de declarações que antecipa padrões mínimos de conduta a serem observados pelos membros.

  • 1.02 RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E DIREITO DO PAÍS

    O Código de Ética do coach tem como principal característica o respeito às leis de cada país e também à sua cultura. A SLAC® Coaching - Sociedade Latino Americana de Coaching preserva coerência com a Constituição Cidadã Brasileira, criada em 1988.

    Um coach não deve envolver-se em quaisquer atividades ilegais. Entre as transgressões mais comuns no âmbito corporativo estão desrespeito a direitos autorais e direitos de propriedade intelectual. Até mesmo a questão de violações de patentes deve ser discutida.

  • 1.03 RELACIONAMENTO PROFISSIONAL

    Coaches prestam os seus serviços apenas no contexto dos padrões profissionais da Sociedade Latino Americana de Coaching. Confiança e responsabilidade são o coração da profissão. Espera-se que os coaches, sempre, ajam com integridade em relação aos seus clientes, aos seus pares e a si mesmo.

  • 1.04 COMPETÊNCIAS EM COACHING

    Um coach não irá conscientemente reivindicar um nível de competência que não possua e, em todos os momentos, deve ter competência de exercícios, pelo menos, quanto ao nível reivindicado.

    Coaches fornecerão serviços apenas dentro dos limites de sua competência, com base em sua educação, formação ou experiência profissional adequada. Um coach só deve aceitar o trabalho que ele acredita ser competente para executá-lo.

  • 1.05 MANTER EXPERTISE

    Coaches têm um nível razoável de conhecimento das melhores práticas de negócios atuais e informação profissional em suas áreas de atividade e empreendem esforços contínuos para manter a competência nas habilidades que utilizam.

    Coaches mantêm-se informados sobre novas tecnologias, práticas, requisitos legais e normas que sejam relevantes para a profissão.

  • 1.06 SOBRE COMUNICAÇÃO E CONFIDENCIALIDADE

    Quando coaches prestam serviços (inclusive de quaisquer avaliações utilizadas) a um indivíduo, a um grupo ou a uma organização, eles usam uma linguagem que é razoavelmente compreensível ao destinatário.

    Coaches são impedidos, por lei e pelo Código de Ética, de fornecer informações colhidas no relacionamento com os coachees a indivíduos ou grupos.

  • 1.07 RESPEITAR OS OUTROS

    O respeito pelo indivíduo é uma pedra angular da relação de Coaching.

    Nas suas atividades relacionadas ao trabalho, os coaches respeitam os direitos dos outros, assim, não interferem em valores, atitudes e opiniões que diferem dos seus.

  • 1.08 DISCRIMINAÇÃO

    Em suas atividades, o coach e os coachees não se envolvem em discriminação de quaisquer formas.

  • 1.09 ASSÉDIO

    Conscientemente, coaches não se envolvem em comportamentos relacionados a assédio ou humilhações contra as pessoas com as quais eles interagem em seu trabalho.

    O assédio sexual é: solicitação sexual, avanços físicos, conduta verbal ou não verbal de caráter sexual. Coaches garantem que o seu comportamento seja, em todos os momentos, adequado.

  • 1.10 PROBLEMAS E CONFLITOS PESSOAIS

    Coaches reconhecem que podem ter problemas pessoais que eventualmente exerçam um efeito negativo sobre o relacionamento com os coachees. Assim, os coaches devem informar aos clientes tais problema, para que a ação apropriada seja tomada em conjunto.

    Além disso, os coaches têm a obrigação de se manter alertas para sinais que indiquem que seja necessário obter assistência para seus problemas pessoais em um estágio inicial a fim de impedir que o desempenho seja prejudicado.

    Quando o coach torna-se ciente dos problemas pessoais que podem interferir em suas atividades profissionais, ele deve tomar medidas adequadas, tais como a obtenção de aconselhamento profissional ou assistência e, então, determinar se deve limitar, suspender ou encerrar sua atividade de Coaching.

  • 1.11 FAZENDO PROGRESSO

    Os coaches tomam medidas razoáveis para garantir que o cliente progrida e, em casos nos quais não haja progresso, fazem esforço para minimizar qualquer dano ao seu cliente.

  • 1.12 DESVIO DE INFLUÊNCIA

    Como as decisões e ações profissionais dos coaches podem afetar a vida de seus clientes, eles devem estar alertas para proteger-se contra fatores pessoais, financeiros, sociais, organizacionais ou políticos que possam significar influência negativa sobre sua conduta.

  • 1.13 DESVIO DE FUNÇÃO DOS COACHES

    Os coaches não participam de atividades as quais possam indicar que as suas competências ou avaliações serão usadas indevidamente por terceiros.

    Se os coaches percebem o mau uso ou a deturpação de seu trabalho, tomam as medidas necessárias para corrigir ou minimizar o mau uso ou a deturpação.

  • 1.14 CONFLITO DE INTERESSE

    Sempre que possível, um coach abstém-se de assumir obrigações profissionais quando preexistam relações com risco de conflito de interesses.

    Se o coach percebe que, em razão de fatores imprevisíveis, um conflito de interesses surgiu, ele tenta resolvê-lo com o devido respeito para com os melhores interesses da pessoa afetada e o cumprimento do Código de Ética.

  • 1.15 CONTRATOS DE PERMUTA

    Um coach pode participar em permutas apenas se o relacionamento não for de exploração. Os coaches são livres para negociar a aceitação de bens, serviços ou outra remuneração não monetária em troca de serviços de Coaching, dentro das limitações legais e fiscais de renda do país de prática.

  • 1.16 RELAÇÕES PERNICIOSAS

    Coaches não exploram pessoas em um eventual contrato de permuta ou demais relações contratuais.

    Coaches não se envolvem em relações sexuais com quem possuem relação de autoridade de avaliação, porque tais relações podem ser vistas como abusivas ou deturparem o serviço.

  • 1.17 REFERÊNCIAS

    Quando indicado e profissionalmente adequado, coaches podem cooperar com outros profissionais a fim de servir a seus clientes de forma eficaz e adequada.

  • 1.18 TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS

    Quando um coach se compromete a prestar serviços a uma pessoa ou entidade a pedido de um terceiro, ele esclarece, na medida do possível, no início do serviço, a natureza da relação com cada uma das partes. Este esclarecimento inclui o papel do coach, o uso provável dos serviços prestados ou a informação obtida.

    Se houver um risco previsível de o coach ser chamado a desempenhar papéis conflitantes por causa do envolvimento de uma terceira parte, ele deve esclarecer a natureza e a direção de suas responsabilidades, manter todas as partes devidamente informadas sobre questões de desenvolvimento e resolver a situação de acordo com este Código de Ética.

  • 1.19 DELEGAÇÃO E SUPERVISÃO DE SUBORDINADOS

    O coach delega a seus coaches assistentes apenas as responsabilidades que eles podem assumir conforme suas competências, ou seja, com base no nível de instrução, treinamento e experiência, seja de forma independente ou com o nível de supervisão a ser prestado.

    O coach fornece Coaching e supervisão adequada aos seus coaches assistentes e toma medidas razoáveis para verificar a eficiência, responsabilidade e ética de seus serviços.

  • 1.20 REGISTROS E GESTÃO DA INFORMAÇÃO

    Coaches criam, armazenam e disseminam registros e dados relativos à sua prática e a outros trabalhos, de acordo com a lei do país em que atua. Isso deve ser feito de uma forma que permita o cumprimento das exigências do presente Código de Ética.

    Coaches são recomendados para documentar adequadamente o seu trabalho a fim de facilitar a prestação de serviços mais tarde, por eles ou por outros profissionais. Dessa forma, assegura-se a prestação de contas.

  • 1.21 AS TAXAS E ACORDOS FINANCEIROS

    Coach e cliente, ou outro receptor apropriado de serviços de Coaching, devem chegar a um acordo especificando a remuneração e as condições de pagamento.

    Coaches não exploram os destinatários dos serviços ou contribuintes no que diz respeito a taxas, tampouco treinadores deturpam os seus honorários.

    Se as limitações aos serviços podem ser antecipadas devido a limitações no financiamento, isso é discutido com o cliente, ou outro receptor apropriado de serviços, o mais cedo possível.

    Se o cliente ou outro destinatário de serviços não pagar pelos serviços, conforme acordado, e se o coach desejar utilizar agências de cobrança ou de medidas legais para cobrar as taxas, o coach, primeiro, deve informar a pessoa que medidas serão tomadas para fornecer-lhe a oportunidade de fazer o pagamento imediato.

  • 1.22 PRECISÃO EM RELATÓRIOS AOS CONTRIBUINTES

    Nos seus relatórios para os contribuintes dos serviços, os coaches, com precisão, claramente, devem indicar a natureza do serviço prestado, as taxas e/ou quaisquer outros encargos.

  • 1.23 TAXAS DE REFERÊNCIA

    Quando um coach paga, recebe pagamentos ou divide as taxas com outro profissional que não seja em uma relação empregador/empregado, o pagamento a cada um baseia-se nos serviços (de referência, consultivo, administrativo ou outro), desde que seja acordado, por escrito, antes do início do trabalho.

2

PUBLICIDADE

  • 2.01 DEFINIÇÃO

    Publicidade ou declarações públicas abrangem todo documento escrito ou declarações em áudio ou vídeo que um coach faz e que se tornam públicos, como folhetos, artigos, discursos e currículos profissionais.

  • 2.02 PUBLICIDADE VIA TERCEIROS

    Coaches podem contratar terceiros para fazer declarações públicas para eles ou solicitar, de maneira não remunerada, a clientes, ex-clientes e qualquer pessoa cuja declaração o coach entenda que terá repercussão positiva. Os coaches devem garantir que tais declarações públicas sejam verdadeiras.

  • 2.03 PREVENÇÃO SOBRE FALSAS DECLARAÇÕES

    Os coaches concordam em não fazer quaisquer declarações públicas que sejam falsas, independentemente das circunstâncias. Exemplos de tais declarações incluem a sua formação, a experiência profissional, as taxas cobradas ou as horas de prática de Coaching.

3

RELACIONAMENTO EM COACHING

  • 3.01 ESTRUTURAÇÃO DO RELACIONAMENTO

    Os coaches explicam sobre valores e horas de serviços prestados, antes da primeira sessão de Coaching, a serem pagos pelo cliente em potencial.

    Coaches concordam em discutir os temas importantes relacionados à ética do trabalho, o mais cedo possível, com o cliente, antes de começar o trabalho de fato.

    Os coaches concordam em indicar clientes para outros profissionais quando não puderem atendê-los. Também, devem encaminhar indivíduos a um conselheiro, terapeuta ou psiquiatra, o mais rápido possível, se as questões levantadas pelo cliente não possam ser respondidas pelo método Coaching, mas carecem de tratamento de saúde, aconselhamentos e mentoria.

    Coaches se esforçam para responder às perguntas dos clientes e atender às suas preocupações sobre o Coaching o mais rapidamente possível. Quando disponível, um coach irá fornecer informações por escrito para responder às preocupações específicas sobre o método.

  • 3.02 CASOS DE DESORDEM PSICOLÓGICA E DANOS A TERCEIROS

    Cada coach deve fazer encaminhamento adequado a um profissional de saúde mental ou serviço de emergência profissional ao reconhecer situações de doença mental que coloquem a segurança ou o bem-estar do cliente e das demais pessoas em risco.

    Coaches não devem tentar diagnosticar ou avaliar qualquer problema de saúde mental ou problema específico em que os clientes possam colocar a si ou a outros em risco. Coaches não são treinados ou licenciados para fazer tais diagnósticos ou avaliações.

    Os coaches devem notificar as autoridades competentes quando um cliente revela que está prejudicando ou colocando em perigo outro indivíduo ou grupo. O coach não precisa discernir se o caso se trata de um problema de saúde mental ou de qualquer outra ordem, nem se o dano já foi praticado ou ainda será.

  • 3.03 SERVIÇO DE COACHING CONCOMITANTE A TRATAMENTO PSICOLÓGICO OU PSIQUIÁTRICO

    Cada coach deve decidir se quer ou não entrar em um relacionamento de Coaching com um cliente que está passando por psicoterapia ou outro tratamento de saúde mental. O mais importante na tomada dessa decisão é o bem-estar do cliente. É fundamental que o coach se mantenha distante do tratamento psiquiátrico ou psicológico e mantenha o foco apenas na orientação que cabe aos métodos de Coaching.

  • 3.04 INTIMIDADES SEXUAIS COM OS CLIENTES

    Os coaches concordam em não se envolver sexualmente com os clientes ativos.

  • 3.05 INTERRUPÇÃO DOS SERVIÇOS

    Coaches farão todos os esforços razoáveis para que os clientes não interrompam o serviço de Coaching. No caso de interrupções de longa duração por iniciativa do cliente, o coach compromete-se a indicar outros coaches para o coachee como alternativa para que o trabalho não seja interrompido de forma definitiva.

  • 3.06 TÉRMINO DE RELACIONAMENTO

    Coaches determinam um relacionamento de Coaching quando se tornar claro que o cliente não obtém mais vantagens ou mesmo está se prejudicando. Ao terminar o relacionamento, os coaches devem sugerir opções ou fornecer referências para que os clientes tenham acesso ao tratamento apropriado, se for realmente o caso.

4

PRIVACIDADE E CONFIDENCIALIDADE

Estas normas são aplicáveis às atividades profissionais de todos os coaches.

  • 4.01 DISCUTINDO CONFIDENCIALIDADE E AS SUAS LIMITAÇÕES

    Coaches respeitam o direito do cliente à privacidade. Eles não solicitam informações pessoais a menos que sejam essenciais para a prestação de serviços ou para investigação acerca dos objetivos e das potencialidades.

    A discussão da confidencialidade ocorre impreterivelmente no início da relação profissional e, daí em diante, sempre que necessário.

    Todas as informações obtidas no decurso do serviço profissional são confidenciais. A exceção fica por conta de questões que coloquem ou tenham colocado em risco a saúde e a vida do cliente ou das demais pessoas.

    As informações confidenciais só serão divulgadas a autoridades médicas ou policiais a fim de evitar danos ao cliente ou a outra pessoa ou para apuração de atentados à saúde (física e mental) ou à vida dele mesmo ou de terceiros. Em todas as circunstâncias, o coach será criterioso na quantidade de informações a ser divulgada, assim, apresentando apenas aquelas referentes ao caso, devendo manter sigilo sobre as demais.

  • 4.02 MANTER A CONFIDENCIALIDADE

    Coaches são fundamentalmente prudentes na proteção dos direitos de confidencialidade daqueles com quem trabalham ou aplicam Coaching. Os coaches reconhecem que as relações profissionais, os regulamentos institucionais e/ou a lei estabelecem confidencialidade.

    Coaches não discutem a informação confidencial em qualquer ambiente a menos que a privacidade possa ser assegurada.

    Coaches discutem informações confidenciais apenas com autoridades médicas e policiais ou para fins acadêmicos, sendo que, nesse último caso, não se deve mencionar nomes, cargos e empresa, desse modo, mantendo o anonimato dos clientes.

    Nas suas relações com o público e com os meios de comunicação, os coaches terão o cuidado de proteger a confidencialidade de seus clientes. Além disso, disfarçarão informações confidenciais para que os clientes não sejam identificados. Coaches só divulgarão informações confidenciais identificando a personagem caso o cliente ou uma pessoa legalmente autorizada por ele der consentimento por escrito e assinado.

    Os coaches acessam e mencionam informações confidenciais do próprio cliente apenas na medida do necessário e para alcançar os objetivos da sessão.

    Coaches protegem a confidencialidade das informações nos casos de fim das sessões, em eventual incapacitação física ou mental do coachee ou na morte dele.

    Coaches protegem o sigilo de seus clientes falecidos de acordo com este Código de Ética.

  • 4.03 REGISTROS E GESTÃO DA INFORMAÇÃO

    Coaches mantêm a confidencialidade durante a criação, o armazenamento, o acesso, a transferência e o descarte de registros sob sua responsabilidade, em conformidade com este Código e com as leis do seu país.

    Coaches tomam precauções para garantir e manter a confidencialidade das informações transmitidas por meio do uso de telefone, correio de voz, computadores, e-mail, mensagens instantâneas, aparelhos de fax e outras fontes de tecnologia da informação.

    Coaches tomam medidas práticas e legais para assegurar que os registros permaneçam disponíveis a fim de servir melhor os interesses dos clientes.

  • 4.04 DIVULGAÇÕES

    A menos que proibido por lei, os coaches só divulgarão informações confidenciais se o cliente ou a pessoa legalmente autorizada der a autorização por escrito.

    Coaches podem divulgar informações confidenciais sem o consentimento do cliente apenas quando exigido ou permitido por lei.

    Sempre que possível, os coaches devem informar aos clientes sobre as divulgações com antecipação.

    Exceto essas situações, os coaches só divulgarão informações confidenciais para terceiros com o consentimento do cliente.

5

FORMAÇÃO DE COACHING

  • 5.01 QUALIDADE DE ENSINO

    Coaches que treinam outros coaches fazem o seu melhor para garantir que seus programas de treinamento sejam pensados e aplicados corretamente para proporcionar ao aluno o material e conhecimento que ele necessita para ter uma formação de qualidade.

  • 5.02 TRANSPARÊNCIA

    Coaches que treinam outros coaches devem ser transparentes sobre as etapas do treinamento, os assuntos tratados, as finalidades do curso e tudo mais que será oferecido para que não haja enganos e frustrações.

  • 5.03 ÉTICA DURANTE O TREINAMENTO

    Coaches que treinam outros coaches garantem que estes estejam cientes deste Código de Ética e de que devem aplicá-lo com rigor.

  • 5.04 LIMITAÇÃO DE TREINAMENTO

    Coaches concordam em ver as suas próprias limitações na formação de outros coaches e, em tais casos, quando eles não se sentem suficientemente experientes para treinar outro coach em uma área ou técnica específica, irão encaminhar o estagiário para outro profissional capacitado ou programa de treinamento apropriado.

6

TREINAMENTO, PESQUISA E PUBLICAÇÕES

  • 6.01 PLANEJAMENTO E PESQUISA

    Os coaches que realizam pesquisas irão projetá-las e conduzi-las dentro de padrões científicos reconhecidos.

    Investigações serão planejadas para excluir qualquer erro na coleta de dados e, consequentemente, evitar resultados enganosos.

    Coaches que realizam pesquisas têm competências para tanto ou possuem, sob sua liderança, profissionais capacitados para isso.

    A investigação será conduzida em conformidade com as leis do país em que a pesquisa é realizada.

  • 6.02 REALIZAÇÃO DE PESQUISA

    Deve haver consentimento dos participantes da pesquisa ou organizações, a menos que o item a seguir seja válido.

    Em casos de pesquisas com questionários anônimos ou observações naturalistas, fica autorizada a realização de pesquisas sem o necessário consentimento dos participantes.

    Os participantes serão informados sobre a pesquisa e sua utilização prevista em uma linguagem que seja compreensível para o público em geral.

    Se for o caso, os participantes da pesquisa devem ser devidamente protegidos de consequências adversas causadas pela realização da pesquisa, incluindo (mas não limitado a) possíveis consequências da retirada da pesquisa.

    Se incentivos são oferecidos aos participantes da pesquisa, eles não devem ser excessivos ou inadequados.

  • 6.03 RELATÓRIOS DOS RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO

    É expressamente proibido que o coach interfira nos resultados das pesquisas, falsificando-os em maior ou menor grau. No caso de haver erros na pesquisa a serem desvelados com menor ou maior tempo desde a conclusão dela, a apuração deve ser refeita de forma a corrigir as distorções do resultado anterior.

    Todas as publicações da área devem ser produzidas com os devidos cuidados no que diz respeito aos seguintes temas:

  • 6.04 PLÁGIO

    O coach não copia pesquisa ou dados de terceiros sem prévia autorização por escrito do autor.

  • 6.05 CRÉDITO PUBLICAÇÃO

    O coach deve assumir a responsabilidade e o crédito somente para o seu próprio trabalho.

  • 6.06 REVISORES PROFISSIONAIS

    O coach que profissionalmente revê o material antes da publicação respeita a confidencialidade do trabalho e dá crédito à publicação para os autores que o submeteram.

Baseado no Código de Ética da IAC® - International Association of Coaching

Horário

De Seg. a Sex.
9:00 - 18:00

Telefone

+55 (11)
3670-1770

A lógica pode levar de um ponto A a um ponto B. A imaginação pode levar a qualquer lugar

WhatsApp