O que é performance?

Para responder o que é performance, podemos usar a simples definição do dicionário: “A execução das funções exigidas de uma pessoa”, mas isso soa como fazer o mínimo necessário para obter o que se quer. Isso não é performance no meu ponto de vista; não é o que eu chamo de coaching para performance.

A verdadeira performance é ir além do que é esperado; é estabelecer os mais altos padrões pessoais, padrões estes que excedam o que os outros exigem ou esperam. Isso é, obviamente, a expressão do potencial de uma pessoa. Isso se aproxima da segunda acepção para performance existente em meu dicionário: “Um feito, uma proeza, uma exibição pública de habilidade”. É com esta intenção que oriento.

Por definição, a expressão completa do potencial de uma pessoa exige que ela assuma total responsabilidade ou domínio. Se isso não acontecer, não se trataria do próprio potencial da pessoa, seria em parte de outra.

Coaching para Performance

O coaching é, portanto, a ferramenta ou o estilo de gerenciamento essencial para a otimização do potencial e da performance das pessoas. Ordenar, exigir, instruir, persuadir com ameaças, de modo evidente ou controverso, não pode produzir uma performance otimizada e sustentável, embora o trabalho possa ser feito.

A pergunta que um líder ou um gerente precisa fazer a ele mesmo é quão bem ele quer que o trabalho seja feito e qual é a performance que está buscando. Ele por acaso sabe o que seria uma performance realmente boa?

O coaching pode levar a sua performance para além das expectativas do coach/gerente e para além dos sonhos do realizador. No esporte, onde o sucesso e o fracasso são tão claramente definidos, as regras são simples, o tempo hábil é curto e o desconforto físico ou mental é determinante, a automotivação não é difícil de ser evocada.

Os tablóides nos levariam a crer que fama e fortuna são o sonho de todo atleta profissional. Para alguns, talvez, mas a maioria busca objetivos mais tangíveis, como identidade, autoestima, excelência e experiência máxima; recompensas pessoais experienciadas apenas pelo receptor. O sucesso nos negócios é menos glamoroso e chega mais lentamente por comparação.

A qualidade de vida no local de trabalho, em razão das horas e dos anos gastos nesse lugar, assume uma importância muito maior. Poucos capitães de indústria alcançam qualquer grau de reconhecimento público, e aqueles que conseguem, provavelmente são mais mal afamados do que famosos. Por outro lado, os negócios oferecem inúmeras oportunidades, grandes ou pequenas, para a realização de objetivos que podem ser individualmente escolhidos para favorecer a crescimento pessoal otimizado.

Infelizmente, poucas pessoas conseguem enxergar o seu local de trabalho como uma universidade para o autodesenvolvimento ou as suas tarefas como desafios. Portanto, não é nenhuma surpresa que falte aquela chama em sua performance.

Você acha que já se tornou um profissional de alta performance? O que falta para isso? Conte para nós nos comentários.

Esse texto possui referências do livro Coaching para Performance de John Whitmore, editora Qualitymark, 2006.