Níveis de consciência em coaching

Jean Baker Miller, em Toward a New Psychology of Women, explica que: “Problemas psicológicos são causados mais pela privação da consciência total do que pelo inconsciente. Se tivéssemos, ao longo da vida, caminhos para uma consciência mais válida, se tivéssemos termos mais preciosos para conceitualizar o que acontece, se tivéssemos mais acesso às emoções produzidas e se tivéssemos meios de conhecer nossas verdadeiras opções – poderíamos programar melhor a ação. À falta de uma consciência total, trabalhamos com o que temos disponível”.

Com esse propósito em mente, explicamos a seguir as três principais transições com que um coach integral pode ajudar o coachee a expandir sua consciência e suas escolhas. Em seu trabalho como coach, você talvez nunca tenha precisado rotular essas transições, como será feito a seguir, mas se puder “apontar” para si ao mesmo tempo, vai começar a perceber como está operando os vários níveis de consciência.

Se preferir discutir o assunto em uma abordagem do tipo coaching Integral, a capacidade de empregar a linguagem apropriada vai possibilitar a você e aos seus coachees um entendimento comum do que está acontecendo. Ao mesmo tempo, a linguagem leva você a uma maior empatia, percebendo em que ponto a pessoa está e onde poderia estar.

Robert Kegan é um acadêmico e escritor que acredita ver em cada estágio do nosso desenvolvimento uma impressão diferente no mundo. Ele começa dizendo: “Se quer conhecer um indivíduo de modo fundamental, procure saber em que ponto de sua evolução ele está”. E continua afirmando que o objetivo primeiro desta investigação é saber” como o outro compõe sua realidade particular”.

Em seguida, devemos voltar nossa atenção para os níveis dessa realidade, e não somente para ideias e sentimentos. Esta seção está fundamentada no trabalho de Robert Kegan, mas inclui também termos tradicionais empregados pelo psicólogo Jean Piaget, para descrever o estágio. Mais uma vez, começo com uma visão geral da teoria, mas o tema do coaching está presente em todo o texto. Os exemplos de “saltos”, desenvolvimentos e transformações são meus.


Esse texto possui informações extraídas do livro Coaching Integral: além do desenvolvimento pessoal de Martin Shervington, editora Qualitymark, 2006.