Há vários papeis que uma pessoa pode assumir quando está assessorando outras. Um dele, por exemplo, é o de terapeuta, o que exige um Ph.D. ou mesmo diploma de medicina com certos requisitos cumpridos, A ajuda vai desde a exploração da criação e do ambiente que a pessoa teve até a identidade sexual, e inclui desde “horas” periódicas de 50 minutos até a prescrição de medicamentos.

No outro extremo estão os programas de rádio para onde os ouvintes ligam e são diagnosticados, e recebem alguma orientação dada por algumas pessoas com poucas credenciais além de uma capacidade de gerar altos índices de audiência.

Isso nos deixa com duas intervenções muito comuns e confusas, que merecem alguma discussão e separação: coaching e mentoring. Eu já fiz as duas coisas, e ainda as faço. Mantendo um programa de mentoring global e já instruí mestres mentores sobre como melhor ajudar aos outros. Portanto, entender as diferenças é importante.

Um mentor que está dentro de uma organização geralmente é um superior a quem a pessoa que recebe o mentoring não responde. Os mentores geralmente estão em uma hierarquia totalmente diferente. Eles são comuns em organizações maiores, que podem ter programas formais de mentoring. Em geral, as pessoas com elevado potencial têm atribuídas a si um mentor para lhes ajudar a superar questões culturais, políticas e éticas que possam enfrentar. Esse mentoring também pode ser informal e praticamente acidental.

Nos departamentos de polícia dos Estados Unidos, o mentor costuma ser chamado de rabino, que cuida do bem-estar de quem acolheu sob suas asas. Fora de uma organização, os mentores muitas vezes fornecem ajuda a empreendedores, proprietários de pequenas empresas e prestadores de serviços profissionais, em uma relação individual que pode ser formalizada ou completamente informal.

Neste caso, ouvimos coisas como “Peter Drucker foi um verdadeiro mentor par mim, quando eu comecei a auxiliar os clientes com suas estratégias”.  Essa declaração não sugere simplesmente uma relação formal, nem mesmo uma conexão pessoal, e sim que o individuo foi motivado, guiado e/ou informado pelas obras de Drucker. Como regra geral, os mentores são pessoas experientes, bem sucedidas, que proporcionam sabedoria e visões, os quais podem ou não exigir expertise real de conteúdo no tema em si.

Os coaches, por sua vez, costumam precisar de habilidades de processo mais consistentes e algum conhecimento demonstrável sobre o conteúdo envolvido.

Alan Weiss em Coach de Ouro, editora Bookman, 2011.