3 lições aprendidas com o filme Coach Carter: treino para a vida

O filme Coach Carter: treino para a vida conta parte da biografia do atleta Ken Carter, ele jogou basquete de 1973 a 1977 e foi convidado, posteriormente, para assumir o cargo de treinador do time de basquete da Richmond High School, que passava por muitas derrotas nos jogos, motivadas por falta de habilidade dos jogadores, indisciplina, agressividade, insubordinação e indiferença dos alunos.Veja 3 lições importantes que o filme passa sob a perspectiva da metodologia coaching:

Flexibilidade e liderança

A resistência de um aluno é sinal de falta de flexibilidade do professor, ou seja, não existe aluno incompetente, apenas professor com falta de flexibilidade. Por isso, é preciso avaliar como está a flexibilidade do líder para influenciar sua equipe e o quanto um professor está disposto a aumentar sua flexibilidade para transmitir conhecimento.

No filme, Carter se preocupava com a vida dos jogadores fora de quadra, incentivando os jovens a superarem seus medos e suas fraquezas. Em 1999, o time já acumulava 13 vitórias e foi considerada sua participação no campeonato estadual.

A identificação dos recursos

Todas as pessoas já possuem os recursos que precisam, ou podem criá-los. O desafio é descobrir como ajudá-las a ter acesso a esses recursos. É importante identificar quem foi ou quem ainda é seu maior treinador (coach) de vida. Quem é a pessoa mais influente na sua vida, aquela que o ajudou a acessar recursos que você não imaginava ter, ou a quem pode agradecer por te ajudar a descobrir seus talentos e contribuiu para suas conquistas.

A prática da empatia

Para ter flexibilidade com outra pessoa, é necessário respeitá-la e entrar em seu modelo de mundo, colocando-se no lugar dela e observando o que muda. Após isso, analisar o que pode fazer de diferente.

Outra lição é a necessidade de ações práticas, pois é nesta esfera que está o aprendizado. O indivíduo deve sempre refletir, quais conhecimentos está obtendo, mas não tem praticado e quais ações poderiam ser realizadas para, de fato, experimentar novos resultados.