Comportamento consciente x comportamento inconsciente

O comportamento consciente diz respeito à racionalidade humana, à capacidade de descrever verbalmente aquilo que faz e tem a participação passiva do ouvinte.

Esse tipo de comportamento pode ser entendido segundo a lógica do behaviorismo radical, que defende a possibilidade de autocontrole e autoconhecimento. Contudo, o comportamento inconsciente também deve ter foco nos estudos da mente humana, proporcionando o equilíbrio necessário para o indivíduo, que muitas vezes acumula traumas inconscientes devido a questões de mecanismos psicológicos de defesa.

Através do comportamento consciente, a pessoa tem a capacidade de aprender a seguir regras, pois qualquer tipo de tarefa exige uma sequência determinada. Essa aprendizagem só é possível por meio do conhecimento do indivíduo sobre as regras e sequência de ações a serem tomadas. Além do seguimento de regras, também há a aprendizagem de determinado comportamento através de experiências passadas que influenciam diretamente no comportamento presente e, por consequência, na consciência do mesmo.

O comportamento inconsciente

Já no comportamento inconsciente reúne tudo o que fica filtrado na mente, nos conteúdos irracionais.

Sigmund Freud explica que o comportamento inconsciente é expressado por lacunas que podemos encontrar no consciente e que se apresentam sob a forma de histeria e outras perturbações psíquicas. Essa teoria é controvérsia e muitos pesquisadores a contestam frontalmente.

O estudo do inconsciente não pode ser deixado de lado por ser essencial na compreensão de questões associadas às falhas que todas as pessoas têm, sejam saudáveis ou portadores de perturbações psíquicas. Contudo, outros estudos apontam que o comportamento inconsciente não está relacionado a suposições associadas à lei da metafísica, mas a fatos reais existentes na menta humana.

Eles estão associados a experiências do indivíduo às quais outras pessoas podem ter acesso, uma vez que a existência de um inconsciente tem o objetivo de estabelecer o equilíbrio necessário à saúde mental do indivíduo.