Sabendo que o desenvolvimento pessoal compreende muitas linhas de desenvolvimento no coaching, como coachees e como pessoas podemos identificar quais delas necessitam de mais atenção. Ao trabalhar com um coachee, observe cuidadosamente quais linhas parecem mais ou menos desenvolvidas – ou aquelas que não apresentam desenvolvimento algum. Se você elaborar um mapa do coachee, vai perceber claramente onde estão suas maiores habilidades. Em um sentido prático, aquele que trata os outros com rispidez pode precisar trabalhar as habilidades interpessoais. Outro que tenha pouca capacidade emocional, e sinta-se manipulado, pode precisar melhorar esta área. Outros, ainda, têm uma capacidade cognitiva limitada, e podem considerar difícil a resolução de problemas, e assim por diante. Esse é um excelente ponto de partida para a compreensão de como o coaching pode desenvolver tais indivíduos. A evolução do coachee está intimamente ligada à melhoria de várias linhas de desenvolvimento, com a ajuda do coach. Quaisquer que sejam os talentos e habilidades naturais do indivíduo, ele já terá começado a avançar nessas linhas de desenvolvimento. Com o progresso, a vida vai ficando mais fácil, pois a cada estágio alcançado, um problema é resolvido. Para o coach, é importante observar que, quaisquer que tenham sido as dificuldades anteriores do coachee, estas eram uma indicação de que determinadas linhas de desenvolvimento precisavam ser trabalhadas, o que resulta em melhoria das habilidades naquelas áreas. Sem o desenvolvimento de uma certa linha, é provável que aconteçam poucas mudanças. A tarefa do coach é orientar o coachee a buscar o veículo apropriado ou a experiência de aprendizagem que contribua para seu progresso. Às vezes, porém, esta não é uma experiência confortável. O papel do coach, então – nesse caso, seria mais o papel de mentor – não é dar conforto ao coachee, mas ajudar em sua evolução.

Exemplo

Uma coachee se sentia sobrecarregada de trabalho e decidiu pedir demissão. Na verdade, essa não era a essência do problema, e a fuga seria prejudicial, já que o gerente a considerava preguiçosa. O coach a incentivou a enfrentar sua carga de trabalho, aprendendo a administrar a si mesma e ao gerente, de modo que as tarefas lhe chegassem continuamente, e não em grandes quantidades ocasionais. Não foi um processo confortável, mas resultou em desenvolvimento, e não em retrocesso.

Interações

Comecei a explicar, do ponto de vista do indivíduo, como suas linhas de desenvolvimento fazem dele o que é. Agora, porém, vamos voltar nossa atenção para as linhas de desenvolvimento em relação Às interações. Nesse sentido, como coach, você deverá ser capaz de ajudar o coachee e a entender de onde vêm as outras pessoas, bem como o que podem fazer. As linhas de desenvolvimento em termos de finanças e relacionamentos, visão de mundo ou postura moral devem levar as outras pessoas em consideração. Um foco, por exemplo, na compreensão de diferentes perspectivas da visão do mundo expande a abrangência desta linha. As habilidades pessoais variam de acordo com o nível de desenvolvimento de determinadas linhas. Para alguém com alto nível de habilidade interpessoal (mas com baixa capacidade cognitiva), algumas interações podem representar um desafio, enquanto outro pouca habilidade interpessoal pode sentir-se confuso ao perceber que algumas pessoas não conseguem entender algo que exija alta capacidade cognitiva. Tudo isso é determinado pelo nível de desenvolvimento. A estrutura interna do indivíduo determina o tipo de interação que ele desenvolve. Quando sua capacidade em uma linha de desenvolvimento aumenta, suas interações mudam. Em relação ao exemplo anterior, uma pessoa pode ser incapaz de expressar suas idéias de modo que a outra entenda, enquanto esta outra pode estar mais interessada em construir um relacionamento, em vez de enriquecer o aspecto cognitivo. Compreendendo esse ponto, podemos aceitar e ser mais tolerantes com nossas interações. Quando reconhecemos a situação do outro, nossas respostas mudam, tornando-se mais adequadas. Martin Shervington, em Coaching Integral: além do desenvolvimento pessoal, editora Qualitymark, 2006. Sulivan França Atual Presidente da Sociedade Latino Americana de Coaching, Sulivan França é Master Coach Trainer por meio da International Association of Coaching Institutes, possui licenciamento individual conferido pelo Behavioral Coaching Institute (BCI) e credenciamento individual junto a International Association of Coaching (IAC) além de Master Trainer por meio da International Association Of NLP Institutes. Siga-me no GOOGLE+