O primeiro é o caso de Bem, que decidiu mostrar a uma amiga um dos seus sonhos, a ideia que tinha para o enredo de um livro. A amiga reagiu com entusiasmo e aconselhou-o a procurar um agente que ela conhecia. O agente, porém, não demonstrou nenhum entusiasmo, e rejeitou a ideia. Esse fio o primeiro golpe na autoconfiança de Bem. O segundo foi desferido pelo marido da amiga, que disse: “Você não sabe escrever.” Como tinha o agente e o marido da amiga em alta consideração, Bem acreditou no que disseram e devolveu os originais ao fundo de uma gaveta. Mas não foi só isso; ao mesmo tempo, engavetou o sonho de vir a ser um escritor.

O contraste

Um coachee estava em dúvida sobre se deveria ou não tirar da gaveta alguns livros que escrevera. Seu coach, então, disse: “Continue escrevendo. Tire da gaveta, continue estudando, e você vai chegar lá. Você tem um dom – todo escritor tem.” A produção do coachee eram livros variados, que iam da autoajuda aos negócios, e o efeito do conselho do coach foi fazê-lo acreditar que a fé que tinha em si mesmo não era tão cega assim. Algumas palavras bem escolhidas, vindas de uma pessoa respeitada e autêntica, podem mudar uma vida. No primeiro caso, Bem levou a sério a opinião de duas pessoas – uma delas não ligadas à literatura. Agora, seu novo coach está se esforçando para livrá-lo das antigas convicções.No segundo caso, o coachee era eu. Marshall Goldsmith, Laurence Lyons e Alissa Freas em Coaching : exercício da liderança, editora campus, 2003. Sulivan França Atual Presidente da Sociedade Latino Americana de Coaching, Sulivan França é Master Coach Trainer por meio da International Association of Coaching Institutes, possui licenciamento individual conferido pelo Behavioral Coaching Institute (BCI) e credenciamento individual junto a International Association of Coaching (IAC) além de Master Trainer por meio da International Association Of NLP Institutes. Siga-me no GOOGLE+