Escrito por Sulivan França - 07 de Janeiro de 2020

Maior presença de trabalhos remotos, ampliação do home office, ambientes de trabalho mais flexíveis. Não são poucas as mudanças previstas para o universo corporativo. Porém, diante das velozes e gigantescas alterações que temos presenciado em tempos mais recentes, quais podem ser consideradas as tendências ligadas ao desenvolvimento pessoal?

Seja no âmbito pessoal ou profissional, adotar uma mentalidade de crescimento deve estar no topo da lista de prioridades. É o que defende um artigo publicado pelo site Make it, da rede de notícias norte-americana CNBC.

A conclusão se baseia em informações do Relatório de Tendências de Aprendizagem no Local de Trabalho 2020 da Udemy, plataforma de ensino à distância utilizada por mais de 30 milhões de pessoas em todo o mundo. Para chegar ao documento, a empresa analisou os dados dos usuários de serviços com pacotes de cursos, utilizados por mais de 4.000 empresas de diversas áreas como recurso para treinamento e desenvolvimento de funcionários.

Quais foram as habilidades e cursos mais procurados por essas pessoas? Foi a partir desta experiência dos colaboradores de campos diversos que o estudo verificou que é necessário uma série de novas modalidades de conhecimento, como a mentalidade de crescimento.

Por mentalidade de crescimento podemos entender a capacidade de continuar aprendendo para se adaptar às mudanças, o que foi classificado como a habilidade mais relevante para o sucesso não só da carreira, mas do indivíduo em todas as áreas. Mas por que isso é importante?


Mundo em ebulição

Estimativas que integram o documento da McKinsey & Company indicam que até 2030, cerca de 800 milhões de pessoas em todo o mundo poderão perder seus empregos para novas tecnologias. Assim, à medida que máquinas ameaçam eliminar postos de trabalho que podem ser feitos por meio de automação de processos, as pessoas cada vez mais precisarão de flexibilidade e novos pontos fortes.

Para se ter ideia, somente nos EUA, estima-se que 25 a 40% dos empregos serão impactados significativamente, se não eliminados, por essas tecnologias. Tais informações estão expressas em um artigo publicado pela revista Forbes, escrito pelo especialista em carreiras Darren Shimkus.

Segundo ele, curiosamente, nem mesmo as empresas norte-americanas estão bem posicionadas para apoiar os funcionários a enfrentar essas mudanças. Gastam menos do que quase todos os outros países industrializados em treinamento de seus trabalhadores. 

Nesse sentido, ter uma mentalidade de crescimento é um grande diferencial. Em vez de se apegar a um conjunto de competências fixas, quem estiver motivado a buscar níveis mais altos na carreira e na vida pessoal terá de aprender novas habilidades que não podem ser replicadas pela tecnologia. Especialistas apontam que tal condição é vital para uma maior probabilidade de sucesso diante de contratempos.


Mais humano

Outra das principais tendências demonstrada pelo relatório da Udemy é um interesse crescente dos usuários em habilidades que requerem um elemento humano, como pensamento crítico e inteligência emocional, atributos tão relevantes em tempos de notícias falsas e hostilidades nas redes sociais.

Especialistas também afirmam que as pessoas estão mais conscientes do fato de que as habilidades sociais, como criatividade e inovação, estão se tornando mais relevantes, uma vez que não podem ser substituídas pela tecnologia.

Até mesmo líderes, como o empreendedor Elon Musk, CEO da SpaceX e da Tesla Motors, entre outras empresas, apontaram que chegará um momento em que as máquinas se tornarão tão avançadas que poderão se programar. Embora isso não esteja previsto para o próximo ano, quando ocorrer, em alguns casos, apenas negócios e empregos que se concentrem na interação humana continuarão a prosperar.

Além disso tudo, um estudo da IBM relatou que, embora cerca de 120 milhões de trabalhadores em todo o mundo precisem ser treinados novamente como resultado dos impactos da automação e inteligência artificial ??nos próximos três anos, os executivos nomearam adaptabilidade, gerenciamento de tempo e colaboração como algumas das habilidades mais importantes para a força de trabalho atualmente.

Mas para identificar tais competências nas pessoas, os processos de recrutamento e seleção, assim como a gestão de pessoas nas empresas, precisarão se transformar.

Com isso, tendências recentes, como o people analytics, devem se ampliar. Trata-se de um processo de coleta, organização e análise de dados sobre o comportamento dos colaboradores, com o objetivo de auxiliar para a tomada de decisão em uma empresa.


Geração Y

Em 2020, os millennials, também chamados de geração Y (dos nascidos entre 1980 e 1995), terão de 25 a 40 anos, uma fase bastante ativa ou de consolidação no mundo profissional. Pesquisas indicam que os trabalhadores da geração Y dão mais valor às oportunidades de aquisição de habilidades e aprimoramento de carreira, em comparação com recompensas e compensações financeiras. 

Isso coloca as organizações diante do desafio de maior rotatividade de funcionários, pois os indivíduos tendem a mudar de emprego mais rapidamente se não vêem oportunidades de crescimento em sua função atual. Muitas empresas terão de investir mais em programas de aprendizado e desenvolvimento projetados para treinar seus trabalhadores a utilizar seu potencial máximo e aumentar seus níveis de produtividade.

Para fechar o artigo, o relatório da Udemy também observou a importância de construir uma cultura da empresa que incentive e forneça ferramentas para os funcionários melhorarem essas habilidades. Aqui estão as habilidades sociais que os trabalhadores mais praticam:

1) Mentalidade de crescimento: capacidade de aprender continuamente e vontade de se adaptar às mudanças;

2) Criatividade: habilidade de desenvolver novas ideias, aplicando novas soluções para resolver problemas existentes;

3) Domínio do foco: aproveitamento da concentração para tomar melhores decisões de curto e longo prazo;

4) Inovação: aprimorar uma ideia, conceito, processo ou método existente para alcançar o resultado desejado;

5) Habilidades de comunicação: interpretar informações por meio da fala, escuta e observação;

6) Contar histórias: organizar pensamentos e dados em uma narrativa abrangente e holística;

7) Consciência cultural: capacidade de interagir, trabalhar e desenvolver relacionamentos significativos com pessoas de diversas origens culturais da organização;

8) Pensamento crítico: análise e avaliação objetivas para formar um julgamento sobre um tópico;

9) Liderança: capacidade de fornecer orientação dentro de uma organização;

10) Inteligência emocional: habilidade de praticar controle, expressão e observação das relações interpessoais entre as pessoas no local de trabalho.

E-book desenvolvimento pessoal

E-BOOK GRATUITO

Descubra como transformar sonhos em realidade utilizando a metodologia coaching na sua vida!