Análise comportamental e coaching

O coaching é um processo para desenvolvimento e melhoria do desempenho de uma pessoa, grupo ou empresa, utilizando-se para isto de método específico, utilizado por um profissional capacitado (o coach), em parceria com o seu cliente (o coachee).

Embora seja uma profissão relativamente nova, pesquisadores como Idalberto Chiavenato lembram que os princípios do coaching foram utilizados pelo filósofo Sócrates, em 450 a.C. Por meio da maiêutica (parto de ideias), ele ensinava as pessoas a pensarem e refletirem sobre vários assuntos, com o objetivo de proporcionar autoconhecimento.

Segundo especialista...

A psicoterapeuta Fabiana Barbosa de Souza salienta que, de forma similar, o coach utiliza perguntas específicas para o cliente atingir uma melhor compreensão dos próprios comportamentos. O autoconhecimento é extremamente útil, pois o indivíduo passa a encarar-se como num espelho, avaliando a si mesmo e desenvolvendo o autocontrole.

Dar suporte ao coachee é uma das tarefas do coach, visto que, quando o cliente passa a entender as variáveis das quais seus comportamentos são função, torna-se capaz de prevê-los e controlá-los.

Esta capacidade de previsão e controle, de acordo com Fabiana, possibilita ao coachee a apresentação de comportamentos que aumentem a probabilidade do mesmo atingir seus objetivos, ou seja, o famoso “entrar em ação”.

Isto implica na apresentação por parte do cliente de um comportamento, ou uma sequência de comportamentos diante de situações que vivencia. Se estas situações que a pessoa vivencia envolvem um contexto social, diz-se que o mesmo apresenta um desempenho social.

Segundo os autores do ramo

Os autores Almir Del Prette e Zilda Del Prette descrevem a diferença entre habilidades sociais e competências sociais, sendo a compreensão de tais conceitos de fundamental importância para o profissional que atua como coach. Embora não use esta linguagem específica da análise do comportamento, o coach trabalha com o desenvolvimento de habilidades sociais e estes termos são, muitas vezes, entendidos como sinônimos.

Para esses autores, porém, há diferença entre eles. Habilidades sociais referem-se à “existência de diferentes classes de comportamentos sociais no repertório do indivíduo para lidar com as demandas das situações interpessoais”. Já competências sociais, de acordo com eles, relacionam-se à avaliação que o cliente faz dos efeitos de seu desempenho de suas habilidades em cada situação vivida.