PROGRAMA ACERTAR É HUMANO

#048

Neste Programa Acertar é Humano foi discutido sobre “O que difere os pensamentos e atitudes de um colaborador e de um empreendedor?”.

048 - Programa Acertar é Humano: de 19/03/2015

Programa Acertar é Humano (19/03/2015)

Nélson Sartori e Sulivan França

Tempo de áudio
24 minutos e 37 segundos
Legenda
... ➔ pausa ou interrupção do discurso
[...] ➔ palavra/trecho incompreensível
[comentário] ➔ comentários do transcritor

♪ [tema acertar é humano] ♪

Começa agora na Mundial Acertar é Humano, um programa que apresenta crônicas com humor e foco na solução, sempre falando de temas diversos como empreendedorismo, liderança, esporte, atualidades, comunicação entre outros. Tudo isso seguindo a filosofia do coaching.

Programa Acertar é Humano, uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori.

[SULIVAN] Bom dia, ouvinte Mundial. Aqui é o Sulivan França mais uma vez com o professor Nélson Sartori.

[NÉLSON] Aí, Evaldo. Ele ainda está emocionado. Bom dia, ouvintes.

[SULIVAN] Estamos aqui mais uma vez para apresentar o Programa Acertar é Humano. Ao meu lado o nosso amigo Nélson Sartori. Bom dia, Nélson.

[NÉLSON] Agora sim. Bom dia, público ouvinte, Sulivan. Evaldo já fazendo a abertura e a recepção emocionada ao nosso amigo Sulivan França.

[SULIVAN] Calorosa a recepção do Evaldo.

[NÉLSON] A saudade de um homem é uma coisa incrível.

[SULIVAN] O bom filho a casa torna.

[NÉLSON] Hoje, nós vamos falar sobre uma estrutura de antítese, de conflito, mas não de conflito entre si, mas de perspectiva, pensamento, postura profissional.

Vamos falar um pouquinho e acho interessante a pessoa até mesmo se avaliar, tentar se observar dentro desse contexto, que é a diferença entre o patrão, (o empreendedor) e aquele que é funcionário, (o empregado).

Vejam. A ideia não é estabelecer que um é melhor do que o outro. É importante nós realçarmos isso. Mas mostrar estruturas de pensamentos diferentes que determinam o sucesso de uma pessoa na sua carreira profissional.

Não significa que ser um empreendedor é o único modo de você ter sucesso. Você pode ter sucesso dentro de sua profissão, independente de ser um profissional autônomo ou então um empresário.

São formas que nós percebemos que são úteis dentro do ambiente de trabalho, só que cada um respeitando a sua diferença.

Nós vamos falar do que difere, no pensamento e na atitude, um patrão, empreendedor e o funcionário, empregado. Aquele que é fundamental dentro da estrutura de trabalho, mas que tem uma forma de agir diferente que se adapte a essa condição.

DIFERENÇA ENTRE O EMPREENDEDOR E O EMPREGADO

[SULIVAN] E o que é importante também considerar, quando nós estamos falando do perfil do empregador e de colaborador, de empregado, como você bem colocou, estamos falando de modelos mentais. Estamos falando de tendências comportamentais, formas de agir, maneiras de se comportar.

Só que quando estamos falando de tudo isso, falamos de humanas, não de exatas.

Não podemos aqui entender, ou muito menos sair pregando, achando que o que falaremos aqui é 100% exato e é isso que vai acontecer.

[NÉLSON] Não é um modelo. São modelos mentais, mas não é um modelo de mundo. De jeito nenhum.

[SULIVAN] Não é um modelo de mundo, são modelos mentais e que existe uma propensão para um modelo mental de sucesso. É isso que nós vamos falar aqui, vamos debater dando algumas dicas. Observe se você tem um modelo mental voltado mais para um lado de empreendedor ou de colaborador. O que não é demérito para ninguém e não tem certo e errado, melhor e pior.

[NÉLSON] De jeito nenhum. São duas disposições importantes.

Por exemplo, quando nós falamos de um empreendedor, falamos de ousadia. Ousadia é um aspecto importante para o empreendedor.

Ousadia e disposição

[SULIVAN] Só um minuto. Então vamos entender uma coisa. Você está falando de ousadia. Então você considera ousadia e eu vou considerar o conservadorismo. Vamos ver o que vai acontecer agora. Então Nélson ousado e eu conservador. Vamos lá, seja ousado.

[NÉLSON] Isso é uma coisa típica e natural. Nós estamos apenas expressando a nossa natureza, inovação e o conservadorismo.

Então o que é ousadia?

Ousadia é você buscar novas perspectivas, mas se colocando dentro da condição de risco que isso pode representar.

[SULIVAN] Não, arriscar não é comigo, Nélson. Eu prefiro ficar onde estou. Não troco o certo pelo duvidoso.

[NÉLSON] Ou seja, você quer segurança e estabilidade. Isso dá conforto à vida?

[SULIVAN] No momento sim.

[NÉLSON] Então isso é importante.

Iniciativa é uma perspectiva bastante típica do empreendedor. Dá a partida, começa, coloca a cara a tapa.

[SULIVAN] Então vamos fazer uma coisa diferente agora. Você foi ousado e inovador, eu conservador. Ou você está tendo iniciativa?

[NÉLSON] Eu estou tendo iniciativa.

[SULIVAN] Eu prefiro ficar na minha, Nélson.

[NÉLSON] Por que você fica na sua?

[SULIVAN] Está mais tranquilo. Eu já sei o que tenho que fazer, faço do jeito que tenho que fazer e fico aqui.

[NÉLSON] Isso é uma postura sim, mas não é uma postura errada, de jeito nenhum.

Correr riscos não é viver de adrenalina empresarial. Não é uma coisa necessariamente positiva. Os riscos podem levá-lo ao sucesso, mas não exclusivamente.

[SULIVAN] É importante nós ressaltarmos que fizemos essa brincadeira fazendo um papel, o outro fazendo outro papel.

[NÉLSON] Eu achei que nós íamos continuar.

[SULIVAN] Exatamente, vamos continuar, mas a ideia é só a seguinte: É simplesmente mostrar para o ouvinte que, hoje, muitas organizações, corporações e até empreendedores, estão procurando colaboradores com cabeça de dono.

Já foi o tempo em que as empresas procuravam mão de obra. Elas estão procurando, hoje, cérebro de obra. São pessoas que pensam, agem, pensam sempre em inovar, fazer algo diferente. Pessoas que estão dispostas a saírem de sua zona de conforto e não executarem o mesmo sempre, mas sim fazerem cada vez mais coisas diferentes e que façam inovação. E nós precisamos ter muito cuidado quando falamos de inovação, porque estamos abrindo margem para erro. Existe a possibilidade do erro. Existe uma grande possibilidade de acerto sim, mas é importante entender que estamos inovando e com isso vem o risco.

Com isso não dá para ter tanto conservadorismo. Precisa ter iniciativa. Não posso ficar na minha zona de conforto.

Então estamos falando, de uma certa forma, de tudo junto e misturado, como diriam.

[NÉLSON] Mas eu acho interessante que tudo vai também do momento, da estrutura de uma empresa, da sua condição no mercado.

Muitas vezes algumas empresas já conquistaram uma estabilidade no mercado. Em determinados momentos, não que elas tenham que ter uma postura, ele faz a opção sim pela estabilidade. Por não arriscar, já que ele conhece o seu mercado, ele já sabe aquilo que tem conquistado, como atingir, dominar esse mercado e não tem necessidade.

Ele percebe que os seus concorrentes é que tem a necessidade de buscar algo diferente, porque aquele conceito ele já dominou.

[SULIVAN] Exatamente.

[NÉLSON] Ele não precisa ter uma nova iniciativa. Ele já teve essa iniciativa no passado e agora ele desfruta de tudo aquilo que foi alcançado.

Nós falamos aqui também de disposição. A disposição é necessária nos dois ambientes, só que você precisa ter uma disposição para poder ir à frente e para segurar a barra. Ou seja, aquele que corre à frente, vai buscar as novas oportunidades, precisa também chegar no momento e colocar o pé no chão, segurar a situação.

Ele tem que sustentar uma estrutura. Ele tem de ter responsabilidade com todos aqueles que estão envolvidos no seu negócio.

Então é importante nós compreendermos que falamos de modelos mentais de sucesso, só que é momentâneo.

[SULIVAN] E sempre subjetivo. Quando falamos de sucesso, o que é, para você que está nos ouvindo?

Certamente cada um terá uma concepção completamente diferente.

Então quando nós estamos falando de sucesso e principalmente de modelo mental, fica a reflexão de qual é a postura que tanto em uma posição empreendedora, ou de uma posição de colaborador de uma organização, é importante que você tenha.

O que, efetivamente, a organização pede de você hoje?

Porque você tocou em um ponto interessante. Às vezes você tem uma organização em que muitas vezes o sujeito não tem mais para onde ir dentro da empresa.

Então nós não podemos falar especificamente, só que o colaborador precisa ter um modelo mental inovador, criativo, ousado e tal. Mas muitas vezes a empresa não lhe dá esse espaço, por uma certa zona de conforto na qual ela está ocupando dentro do seu mercado.

Está sendo falado muito isso, que é o empreendedor interno. É o sujeito que é empreendedor dentro das próprias organizações.

Então quando você tem um colaborador e aí fica a dica para você que é empreendedor, que tem seu negócio, está nos ouvindo, olhando a sua volta dentro da empresa, quem é o seu colaborador que tem características empreendedoras.

Se você, empresário, não der espaço para que esse cara empreenda dentro de sua própria empresa, pode ter certeza de que ele vai empreender fora e quem sabe amanhã ou depois, pode se tornar um concorrente seu.

Então você tem dois problemas aí. Você pode arrumar um concorrente e perder um talento. Eu acho que o maior desafio não é arrumar um concorrente e sim perder um talento que estava ali nas suas mãos, mas você não soube aproveitar, tirar o melhor dessa pessoa.

Então cabe a você, empreendedor, ficar de olho nesse cara que está a sua volta e que pode ser muito bem aproveitado trazendo frutos para a sua organização.

[NÉLSON] Um dos aspectos que é debatido dentro desse contexto, é a questão da segurança e insegurança, porque quando nós falamos da segurança traz um peso positivo. Segurança, pessoa segura. Insegurança, um aspecto negativo. Dentro desse universo do empreendedorismo, a segurança não necessariamente pode representar a receita para que você continue avançando. Ela pode representar a chamada estabilidade que nós vimos antes. E a insegurança pode justamente para morrer em você, dentro desse contexto, a busca de novas oportunidades, novos produtos, mercados.

Sempre que nós vamos fazer um programa, fazemos um levantamento e é bastante comum que façamos um apontamento das características de um e de outro que nós começamos a fazer. Ou seja, o empreendedor, empregado, funcionário e nós começamos a levantar palavras.

Uma das ideias nossas é justamente desconstruir esse conceito pré-estabelecido de alguns modelos mentais fixos, sendo que isso não necessariamente acontece todos os dias.

O desafio que muitas vezes é colocado a pessoa é o de quebrar com a rotina e outros de você criar uma estabilidade. Ou seja, dois pontos totalmente opostos gerando atitudes iguais.

Como a própria condição daquele que muitas vezes nós vemos, que é o colaborador e ele precisa romper a barreira da estabilidade para conquistar maior segurança dentro do seu emprego.

[SULIVAN] Exatamente. E para tornar esse mundo, esse modelo de entendimento mental um pouco mais claro para o nosso ouvinte também. Muito bem colocado, Nélson, o que colocou.

Poder de convencimento

Mas fica uma coisa muito nítida também, quando nós falamos de pessoas empreendedoras, de modelos mentais de sucesso, que são pessoas que tem um poder de convencimento.

O convencimento é uma característica de pessoas que tem uma característica empreendedora, tem um perfil empreendedor, tem capacidade de convencer clientes, as pessoas ao seu redor, das suas ideias.

Então você observa que o sujeito tem uma ideia que não é algo tão inovador, brilhante, mas a sua capacidade de argumentação faz com que ou outros acabem percebendo, ou percebendo a sua ideia como algo fantástico, um diferencial gigantesco. E muitas vezes você vê o indivíduo com uma grande ideia, mas por ser um tanto quanto reservado, sem uma capacidade de argumentação tão grande, muitas vezes não consegue colocar a sua ideia a frente.

Então nós estamos usando termos, falando de características, mas certamente a capacidade de convencimento, essa capacidade criativa, argumentativa, é algo, sem dúvida, muito importante e determinante para um perfil de sucesso para um sujeito empreendedor.

Vendendo um conceito

[NÉLSON] É lógico. Se a pessoa não souber vender o próprio peixe, fica difícil. Então esse é um perfil importante.

Eu tenho dentro da minha corporação, empresa, equipes dedicadas a venda do meu produto. Mas muitas vezes o produto é menos importante do que uma ideia, porque é um conceito: A necessidade.

Nós estamos falando de marketing, de mostrar para o outro que determinada ideia pode ser transformadora do seu negócio, da sua vida. Muitas vezes nós vendemos conceitos. Uma empresa vende um conceito, uma conceituação.

[SULIVAN] Vende uma ideia.

[NÉLSON] Uma ideia e é isso que tem valor, porque o produto é o resultado de todo o trabalho feito e esse produto, no dia, pode ser esgotado, ser saturado e aí vem novamente a necessidade da criatividade, de trazer novas ideias, de vender. Novas ideias surgem todos os dias.

[SULIVAN] Exatamente. Você quer ver uma coisa interessante? Eu acho muito legal quando nós falamos de inovação e de risco. Nós abrimos o programa falando da capacidade do indivíduo de correr riscos.

Só que nós devemos tomar muito cuidado, porque o que acontece é o seguinte. Tem gente que acha que assumir risco é sair fazendo qualquer coisa de qualquer jeito. E não é isso que nós estamos falando.

Você pode ter um excelente planejamento e ousar, correr riscos. Só que você corre algum risco calculado. Não é correr um risco e vai colocar todo o teu negócio a mercê de endividamento, ou coisas do tipo. Não é disso que nós estamos falando. Nós estamos falando de você ter a capacidade de inovar, de se arriscar.

Ter essa mentalidade para que você consiga fazer isso, mas que pode fazer isso de uma maneira extremamente calculada, metódica, pensada, estratégica. Isso você pode fazer. O que você não pode fazer é permanecer no mesmo lugar por um longo espaço de tempo e achar que ninguém lá fora está fazendo nada diferente, porque as pessoas estão fazendo diferente.

Eu costumo usar um termo que diz o seguinte: Se eu pensei, alguém pode pensar também.

Então eu vou tomar as devidas providências para lidar com aquilo que eu pensei. Se eu tiver que registrar, guardar, manter em sigilo, para que quando eu coloque em prática seja de fato algo novo e não seja algo que já está batido, que alguém já colocou.

Porque, você que está nos ouvindo, quantas vezes já aconteceu de pensar em alguma coisa, não executar e depois você vê alguém fazendo?

Certamente, ouvinte, você aí já teve alguma situação em que passou por isso. Você pensou em fazer algo, não fez, perdeu o time, o tempo, foi lá alguém e fez. E pior para você, fez e essa pessoa que fez foi muito bem-sucedida. Então hoje você deve pensar: Porque eu não agi naquele momento, não fiz o que tinha que fazer naquele momento?

Aí está o que o Nelson falou no início do programa, o arriscar-se.

Talvez naquele momento você tenha adotado aquela postura que eu brinquei com o Nélson no início. O Nélson querendo arriscar e eu dizendo que queria ser conservador.

Talvez você tenha sido extremamente conservador.

Uma reflexão que é importante ficar para os nossos ouvintes, quando nós falamos de modelo mental de sucesso, de fracasso, de ter a capacidade de empreender, de ser colaborador, é: Ouse, arrisque-se, mas de uma maneira calculada, pensada.

E quando tiver uma ideia lembre-se, você está tendo essa ideia e milhares de pessoas podem estar tendo a mesma ideia no Brasi, ou no mundo.

Então o sucesso certamente virá para aquele que executar primeiro.

[NÉLSON] Eu acho que a questão toda está ligada justamente ao que você acabou de dizer. É o conceito de uma autoavaliação, de você parar e fazer a verificação das coisas. Nós não podemos sair naquilo que chamamos de “desimbestância” o tempo inteiro.

[SULIVAN] “Desimbestância”, gostei dessa.

[NÉLSON] “Desimbestância” é um termo técnico criado agora. Essa “desimbestação”. Vamos piorar a situação. Ela pode sempre mostrar para você a ousadia, mas pode mostrar certa responsabilidade.

Então para toda ação você tem momentos de parada, reflexão e autoavaliação, porque é a maneira de você resgatar pontos no meio de sua trajetória, recuperar oportunidade ou até mesmo mudar a sua rota, buscando ainda assim o seu objetivo. Todo trabalho organizado não vai ter só o seu momento de reflexão no final, porque pode ser tarde demais.

Aí é que entra um dos aspectos importantes em uma estrutura administrativa. É a constante autoavaliação. Submeter-se a uma autoavaliação. Avaliar a estrutura e fazer essas verificações. Há muita gente que tem medo de ser avaliado, de se autoavaliar. É um risco e aí entra o da estabilidade.

[SULIVAN] Você está tocando em uma coisa importante agora, porque para que o sujeito permita se autoavaliar, existe uma coisa muito importante chamada flexibilidade. E flexibilidade cada vez mais está ligada a uma coisa chamada ego.

O sujeito que é empreendedor, constrói, não tem apego a determinadas coisas e não tem problema nenhum em dizer: Errei, recomeço e faço de novo.

Tem muita gente que é teimosa, tem esse apego, esse ego. Ele está errando mas persiste, porque quer provar que tem razão e aí, muitas vezes, já não dá mais tempo de recuperar o negócio, a ideia, ou o capital investido em determinada situação, coisa que acabou tentando empreender.

Então essa flexibilidade, capacidade do indivíduo de pensar e repensar, se autoavaliar e avaliar o próprio negócio, é uma coisa extremamente importante.

Visão Romântica

[SULIVAN] Isso acontece muitas vezes, porque é o seguinte. Eu costumo sempre comentar com os nossos alunos e quando estamos falando de formação de coaching e tal: Muito cuidado com a visão romântica do negócio. Tem muita gente que tem visão romântica do negócio. Criou o negócio dele e acha que aquilo ali é quase a sucessão da Apple, Microsoft. É uma visão tão romântica, o negócio dele, e viaja com aquilo. Então a questão da visão romântica é que é um processo extremamente emocional, precisa tomar um certo cuidado.

O meu pai usa uma frase que diz o seguinte: "A pior coisa que existe é o comerciante teimoso." É o cara que o negócio não está indo para a frente, mas ele tem uma deia e acha que aquilo vai para frente.

Então, ouvinte, que tem o teu negócio, por menor ou maior que seja, não importa, você que está nos ouvindo, pense: Você tem uma visão romântica do seu negócio? Será que você olha para o seu negócio com a ideia de que: Meu Deus do céu, isso é a Sétima Maravilha do Mundo. Então cuidado com isso.

Às vezes é extremamente importante que você desapegue dessa visão romântica para que você consiga navegar em outros mares e pensar de forma diferente, abrir o teu modelo de mundo, pensar de uma maneira inovadora, empreendedora e de repente construir um outro negócio. Muito cuidado com isso.

[NÉLSON] Eu vou deixar uma reflexão aqui. Quando você olhar para o seu negócio, pense que sempre pode haver alguém com um negócio menor. Menor, maior que o seu, mas valorize o seu.

[SULIVAN] Valorize o seu negócio, isso é fundamental.

Então é isso aí, ouvinte. O nosso programa de hoje tratou de modelos mentais, falando de modelos mentais de empreendedores com sucesso e falando de modelos mentais de fracasso, de colaboradores, ou modelos mentais que você, mesmo sendo um colaborador, tem um modelo mental de sucesso.

[NÉLSON] Você pode adotar alguns modelos mentais fazendo esse tipo de reflexão e fazer os seus experimentos. Experimentos, quando nós falamos, é o seguinte: Será que eu não tenho uma forma de pensamento que talvez esteja atrapalhando a minha condição de dar o passo adiante? Ou será que eu não dou muitos passos adiante sem avaliar aquilo que eu faço?

[SULIVAN] Ou sem considerar o meu modelo mental?

[NÉLSON] E aí eu acabo batendo o tempo inteiro de frente com os outros, com aquilo que quero, com aquilo que é o meu sonho.

Então a nossa ideia é sempre propor esse momento de reflexão, para que você possa se organizar, orientar, na vida.

[SULIVAN] E para você que estava nos ouvindo, aqui termina mais um Programa Acertar é Humano nesta quinta-feira, 7h25, aqui na Avenida Paulista.

Clima bom hoje, né, Nélson?

[NÉLSON] Hoje está bom, gostoso, fresco.

[SULIVAN] Acesse o nosso site. www.acertarehumano.com.br e também nas redes sociais, Facebook e Twitter.

Bom dia a todos, grande abraço. Esse foi mais um Programa Acertar é Humano e aqui me despeço, Sulivan França. Junto com o meu amigo?

[NÉLSON] Nélson Sartori. Um abraço a todos vocês e até a próxima semana, minha gente.

[SULIVAN] Até a próxima quinta-feira.

♪ [tema acertar é humano] ♪

Você ouviu pela Mundial o Programa Acertar é Humano. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori. Uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil.

Outros Podcasts

077 - Programa Acertar é Humano: de 24/03/2016

#077

076 - Programa Acertar é Humano: de 17/03/2016

#076

Neste programa o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre o poder que a mídia tem atualmente, sendo ao mesmo tempo a heroína e vilã.

075 - Programa Acertar é Humano: de 10/03/2016

#075

Neste programa o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre o tema "virar a mesa", ou, dar a volta por cima, transformar alguma coisa ruim em algo bom. O que é preciso fazer para virar a mesa?

074 - Programa Acertar é Humano: de 03/03/2016

#074

"Escrevendo nossa história" - você é passivo ou ativo quando se fala da história da sua vida? O professor e apresentador Nélson Sartori traz esse tema no programa do dia 03/03/2016.

073 - Programa Acertar é Humano: de 18/02/2016

#073

O professor e apresentador, Nélson Sartori, fala neste programa sobre "juventude eterna". Como as pessoas têm tratado esse tema como um sonho, um desejo, que, muitas vezes, pode trazer sérias consequências.

071 - Programa Acertar é Humano: de 04/02/2016

#071

No Programa de véspera de carnaval, o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre as relações humanas e comunicação nas redes sociais.

070- Programa Acertar é Humano: de 28/01/2016

#070

O apresentador e professor Nélson Sartori continua a entrevista com o master coach e presidente da SLAC Coaching, Sulivan França.

069 - Programa Acertar é Humano: de 21/01/2016

#069

Em mais um Programa Acertar é Humano o apresentador Nélson Sartori entrevista o presidente da SLAC Coaching, Sulivan França. O profissional conta sua história como profissional de coach.

068 - Programa Acertar é Humano: de 31/12/2015

#068

No último dia do ano de 2015, o apresentador Nélson Sartori faz uma retrospectiva dos temas destaques que foram abordados durante o ano.

067 - Programa Acertar é Humano: de 03/12/2015

#067

Dando continuidade ao projeto de esclarecimento de pesquisa o apresentador Nélson Sartori traz mais uma vez ao programa o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva.

066 - Programa Acertar é Humano: de 19/11/2015

#066

Em mais um Programa Acertar é Humano o apresentador Nélson Sartori bate um papo com o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva. Neste programa o tema foi conflitos no Oriente Médio.

065 - Programa Acertar é Humano: de 12/11/2015

#065

No Programa Acertar é Humano de 12 de novembro o professor Nélson Sartori leva ao programa o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva. O tema abordado foi a tragédia de Mariana.

064 - Programa Acertar é Humano: de 01/10/2015

#064

O apresentador e professor Nélson Sartori fala sobre um tema muito importante na vida de todos: a esperança. Quem tem esperança tem dentro de si otimismo e felicidade. Como seria possível projetar uma história para a sua vida sem ter esperança?

063 - Programa Acertar é Humano: de 24/09/2015

#063

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori traz uma reflexão sobre a passagem que todos farão. Como você tem cultivado o que é importante para você? Como será a sua partida? Como você gostaria que ela fosse?

063 - Programa Acertar é Humano: de 17/09/2015

#063

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori aborda o tema “medo de mudar”. Como lidar com momentos de necessidade de mudança? Como deixar a zona de conforto?

062 - Programa Acertar é Humano: de 10/09/2015

#062

Neste Programa Nélson Sartori aborda o tema “missão de vida e como lidamos com ela”. Todo nós temos uma missão de vida e criamos projetos. Como administrar esses projetos para que a missão não falhe?

061 - Programa Acertar é Humano: de 25/06/2015

#061

No Programa Acertar é Humano do dia 25/06 o professor Nélson Sartori comentou sobre “Acreditar em si mesmo para realizar algo”. Você sabia que o maior sabotador das suas conquistas é você mesmo? Autossabotagem é quando você coloca as próprias barreiras em volta de você. Ouça o Programa e saiba mais!

060 - Programa Acertar é Humano: de 18/06/2015

#060

Neste Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori abordou a questão do "Tempo" – Você conhece alguém que diga que tem muito tempo e que o tempo tem demorado a passar, que o dia a dia tem sido muito longo? Dificilmente. O tempo é a grande preocupação de todos. Todos temos a sensação de que o tempo tem passado cada vez mais rápido. Qual a justificativa da ciência sobre essa percepção?

059 - Programa Acertar é Humano: de 11/06/2015

#059

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori falou sobre “Alguns dos grandes empresários que foram referência no mundo pelos grandes feitos. E esses cometeram erros? Quais?”. Conheça um pouco da história de homens de sucesso!

058 - Programa Acertar é Humano: de 04/06/2015

#058

No feriado de 04/06 o professor Nélson Sartori abordou o tema “As principais queixas dos empreendedores”. Quais são as dificuldades que o novo empreender enfrenta quando vai abrir um negócio?

Programa Foco e Gestão com Sulivan França

De segunda a sexta
9:00 - 18:00

+55 (11) 3670-1770

info@slacoaching.org

Av. Francisco Matarazzo
1400 - SP

Sociedade Latino Americana de Coaching

+55 (11) 3670-1770
info@slacoaching.org

São Paulo - Brasil
Centro de Treinamento
Av. Francisco Matarazzo, 1.350
Água Branca - Cep: 05001-100
São Paulo - Brasil
Sede Administrativa
Av. Francisco Matarazzo, 1.400
Água Branca - Cep: 05001-100
CNPJ: 15.229.739/0001-47
Santiago - Chile
Oficina
Suecia 42, Oficina 02
Teléfono: +56 2 2632 5042
Lima - Peru
Oficina
Plaza Ricardo Palma 107 - San Borja
Teléfono: +51 980 037 494
Cartagena - Colômbia
Oficina
Cr 3 6A Esq. Ed. Jasban 407 - B/Grande
Teléfono: +57 5 655 03 01

Conteúdo Registrado ®
Todos os Direitos Reservados
Cópia Proibida.