PROGRAMA ACERTAR É HUMANO

#024

Em 14/08, no Programa Acertar é Humano, os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram o tema: “Inteligência Emocional e os fatores que podem contribuir positiva ou negativamente para a nossa vida”. Durante o programa foram discutidos seis tópicos para explicar o que é ter Inteligência Emocional. Na “Dica do Professor”, Nélson Sartori falou sobre o uso dos “parênteses”. E, finalizando, Sulivan França comentou sobre o “Minuto do Coaching”.

024 - Programa Acertar é Humano: de 14/08/2014

Sulivan França é comentarista no programa Feiras & Negócios

Programa Acertar é Humano (14/08/2014)

Nélson Sartori e Sulivan França

Tempo de áudio
25 minutos e 54 segundos
Legenda
... ➔ pausa ou interrupção do discurso
[...] ➔ palavra/trecho incompreensível
[comentário] ➔ comentários do transcritor

♪ [tema acertar é humano] ♪

Começa agora na Mundial Acertar é Humano, um programa que apresenta crônicas com humor e foco na solução, sempre falando de temas diversos como empreendedorismo, liderança, esporte, atualidades, comunicação entre outros. Tudo isso seguindo a filosofia do coaching.

Programa Acertar é Humano, uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori.

[SULIVAN] Bom dia, ouvinte Mundial. Aqui é o Sulivan França mais uma vez para apresentar o Programa Acertar é Humano e do meu lado:

[NÉLSON] Professor Nélson Sartori. Bom dia, ouvintes. Um dia calorosamente frio. Não é?

[SULIVAN] Calorosamente frio.

[NÉLSON] Está um frio danado. O Andrezinho lá do outro lado está enrolado. Está parecendo um croquete agasalhado.

[SULIVAN] 10ºC na Paulista, diga-se de passagem.

[NÉLSON] Esquentou. Está bom.

[SULIVAN] Esquentou. Quanto nós chegamos aqui estava 9ºC.

[NÉLSON] Estava 9ºC. Esquentou bem. Tem de ter bastante consciência e felicidade para viver aqui em São Paulo com esse friozinho, mas faz parte do nosso clima.

[SULIVAN] Perfeitamente. E faz parte do trabalho também. Não é, Nélson?

[NÉLSON] Com certeza.

[SULIVAN] O nosso trabalho aqui hoje é aquecer essa manhã gelada de São Paulo e temos um tema bem bacana que nós vamos trabalhar aqui.

[NÉLSON] É. Nós vamos dar continuidade aquilo que nós começamos a falar no último programa.

[SULIVAN] Nós começamos?

[NÉLSON] Eu estava sozinho, fui abandonado aqui, mas fiz a primeira parte do trabalho.

Agora, felizmente contando com a sua presença, nós vamos falar mais um pouco sobre inteligência emocional e os fatores que podem contribuir positivamente, ou negativamente, para isso.

É importante nós entendermos que toda a atitude que nós temos é baseada sim nos fatores emocionais, em nossa expectativa de vida, em uma atitude mental. Você tem uma atitude mental positiva, ou você é um uruca que acorda de manhã achando que tudo está errado?

[SULIVAN] Perfeitamente.

[NÉLSON] Só porque o dia está frio não vai sair da cama? Vai sim. Bonito, com uma roupa nova, hoje elegante. Você tem de ter uma atitude positiva.

Está frio, qual será o meu cardápio de hoje? Eu vou pisar na jaca? Não, eu tenho sempre continuar lembrando que eu tenho que me preocupar com meu estado físico, eu não posso jogar tudo isso para baixo.

[SULIVAN] Como eu encaro isso de uma maneira positiva?

[NÉLSON] É lógico que é positivo. Eu tenho que me adaptar a essa nova situação, mas sem deixar a minha estratégia de vida cair.

[SULIVAN] Perfeito.

[NÉLSON] Como anda nesse contexto o meu relacionamento? Nós nos fechamos bastante no frio. Não é?

[SULIVAN] Sim.

[NÉLSON] Não tem nada melhor do que um abraço (que aí depende de quem) mas tem muita gente que merece. É uma forma de você manter a sua harmonia no relacionamento, agir com coragem nesse mundo, se libertar do medo.

Mais uma vez você tem sempre a crença de que é capaz de realizar as coisas. Só Atitudes positivas e nunca esquecer de ter fé em você, em algo que vai além de você. Nós não estamos sozinhos aqui.

[SULIVAN] Perfeito.

[NÉLSON] Essa foi a primeira parte do que nós trabalhamos. Lógico que o Sulivan França em espírito conosco e eu em matéria falando com vocês sobre esses pontos. E hoje nós vamos começar a segunda parte desses pontos importantes.

INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

[SULIVAN] É importante dizer também que, quando nós falamos de inteligência emocional, muita gente tem um conceito completamente equivocado. Algumas pessoas acreditam que ter inteligência emocional é não sentir emoção, e não é necessariamente, é você saber navegar na emoção, lidar com a emoção.

[NÉLSON] Sim, lidar com ela.

[SULIVAN] Então esses seis tópicos que você brilhantemente comentou no último programa e mais seis tópicos que nós vamos comentar no programa de hoje, sendo o primeiro deles à disposição para compartilhar as suas dádivas. Tem coisa mais bonita do que isso?

Compartilhar Suas Dádivas

[NÉLSON] É uma atitude positiva de vida. Às vezes, depois de um tempo, começamos a pensar "no que eu posso dar para esse mundo que vivo? Como eu posso contribuir?".

[SULIVAN] Como compartilhar, agregar algo? Eu costumo brincar falando assim: Você está aqui para que além de respirar e ocupar espaço?

[NÉLSON] Mas é verdade. No que eu posso contribuir? Eu tenho responsabilidade com o mundo em que eu vivo. Com os filhos que eu deixei nesse mundo ou deixarei. Com o mundo que eu preparo para eles. Então é importante que eu deixe alguma coisa.

[SULIVAN] Nós podemos trazer muito aquele conceito da história que a vida é uma conta corrente. Eu adoro essa analogia de que a vida é uma conta corrente.

[NÉLSON] Poxa vida, eu estou no vermelho.

[SULIVAN] A tua está no cheque especial?

[NÉLSON] A minha está no cheque especial.

[SULIVAN] Se a vida é uma conta corrente, nós depositamos e uma hora sacamos. Esse compartilhar é uma forma de fazer depósitos significativos, fazer com que muitas vezes nós não entremos nesse vermelho, nesse cheque especial.

[NÉLSON] Mas isso é um amadurecimento bem grande. É nós sempre termos em mente o seguinte: que eu tenho alguma coisa para dar. É como aquele sentimento de quando você dá um presente. É importante você perceber que o compartilhar é voltar aquele contexto de harmonia no relacionamento.

Eu estou convivendo com as pessoas, tenho algo a contribuir nesse mundo. É importante que as pessoas reconheçam isso e que eu também reconheça o valor daquilo que os outros contribuem. Eu não estou sozinho. Então esse relacionamento é sempre importante.

Eu estou disposto a fazer isso? Será que todo esse trabalho, a nossa a nossa educação, formação, como formadores aqui (que é o caso do Sulivan França lá na SLAC; o meu caso como professor), será que é só o trabalho ou será que não existe também a importância de dar alguma coisa em que você acredita para os outros? Compartilhar.

[SULIVAN] É a necessidade de contribuição, de você saber que além do que você está recebendo para fazer aquilo que faz, está fazendo a diferença na vida de alguém em algum contexto, situação, seja ela relacional ou profissional. Pessoal ou profissional.

[NÉLSON] E até mesmo porque nós sabemos que estamos sempre recebendo também. Esse compartilhar não significa uma via de mão única.

[SULIVAN] De jeito nenhum.

[NÉLSON] Nós sempre damos e sempre recebemos, e recebemos muito. Quem lida com o público, com a pessoa, recebe muito e é importante saber que os outros esperam isso de nós.

Você tem uma profissão, um talento, uma habilidade: o que é importante que você faça? Que você aborde o nosso próximo item que é um trabalho com amor, que constrói alguma coisa. O que você constrói? O que você oferece para o mundo e as pessoas?

O seu trabalho, aquilo que você realiza para sobreviver, que dá a você também satisfação na sua vida?

[SULIVAN] Eu vejo uma relação muito forte entre esses dois aspectos. Quando você tem disposição para compartilhar as suas dádivas. Esse é o primeiro tópico.

Quando nós olhamos para o segundo tópico que é um trabalho com amor, eu acho que quando você está compartilhando, está fazendo com amor e quando você faz com amor o seu trabalho, você acaba compartilhando.

Trabalho com Amor

[NÉLSON] Sim. Amor e troca.

[SULIVAN] É troca. Então você tem uma transparência, faz de maneira que sente importante aquilo que está fazendo e tem um senso de contribuição muito forte. Eu gosto muito dessas duas coisas.

E quando nós olhamos para o dinheiro, ele é consequência de tudo isso. Sem utopia. Isso é uma grande verdade.

[NÉLSON] É, porque ele faz parte.

[SULIVAN] Ele faz parte.

[NÉLSON] Sem ficar contestando o valor e a importância do dinheiro, sem ficar com demagogia, ou então com um discurso vazio, como se se isso não fosse algo que fizesse parte da nossa vida.

[SULIVAN] E muitos ouvintes podem pensar agora: "’Fazer com o amor’ porque você não sabe o que eu faço.".

Não interessa. O que você faz hoje, de alguma maneira você acabou tendo escolhas durante a sua vida que te levaram para esse caminho do que você faz hoje. Dentro do que você faz hoje, por pior que seja o trabalho, ou por não gostar desse trabalho, de alguma forma ele lhe recompensa. De alguma forma ele está lhe trazendo nem que seja apenas o seu sustento. Então uma vez que ele lhe traga alguma coisa, faça com amor, bem feito.

[NÉLSON] E é importante saber: Você é feliz com o que faz?

Esse é outro problema. Tem gente que não é feliz. Tem uma profissão que realizaria muitas pessoas, mas ele não é feliz.

[SULIVAN] Vamos antecipando o minuto do coaching então. Quer começar?

MINUTO DO COACHING

[SULIVAN] Se o que você faz hoje não é o que quer, não é o que faz com amor, o que está fazendo para mudar esse quadro? O quanto isso depende de você? Mudar esse seu cenário.

Então vamos começar a fazer o minuto do coaching dentro de cada um desses.

[NÉLSON] Mas é lógico, porque é aí que justamente entra também o trabalho do coaching. A busca dessas perguntas, questionamentos, que são levantados, são questionamentos da sua existência. Você tem de fazer o tempo inteiro.

Agora, você não está conseguindo?

O coaching consegue ajudar você a desenvolver isso tudo. É aí que entra o trabalho.

[SULIVAN] Perfeito. E aí entra o terceiro tópico, mente aberta.

Mente Aberta

[NÉLSON] Tem de ser o novo.

[SULIVAN] O novo. O quanto você está aberto para o novo. Se você não tem a mente aberta, não está preparado para receber o novo, vai continuar fazendo o trabalho que está fazendo sem amor.

[NÉLSON] Isso é uma questão até do próprio instinto e do espírito da pessoa. Que ela está predisposta ao que é novo. O conservadorismo tem o nome de algo que já foi falado que é o medo. As pessoas têm medo do novo, porque ele tira a estabilidade.

[SULIVAN] Não sabe o que o espera, o que vem pela frente.

[NÉLSON] Só que é o novo que traz as mudanças. O mundo está em constante mudança, tudo está. Aqueles que estão ao nosso redor estão mudando.

[NÉLSON] Se você não está disposto a ver tudo isso, vai ficar para trás.

[SULIVAN] Era isso que eu ia falar: Olhe ao seu redor. Às vezes as grandes soluções estão a sua volta, ou até já passaram por você e você deixou de aproveitar. Falta de mente aberta, percepção. Olhe a sua volta, verifique, 360°, dê uma olhadinha para trás, de repente está do seu lado.

E quando nós falamos disso, há muito a ver com o próximo tópico que é a autodisciplina.

Autodisciplina

[SULIVAN] Quantas pessoas tem a mente aberta, até encontram algo, mas não têm a autodisciplina?

[NÉLSON] Mas é verdade. É você ter uma atitude. Eu acho que, a autodisciplina, nós podemos traduzir por uma atitude positiva. Hoje em dia o pessoal fala que tem atitude proativa. Esses modismos às vezes precisam ser esclarecidos.

[SULIVAN] E traz algumas palavras também que fogem um pouco da compreensão do ouvinte.

Quando nós falamos de autodisciplina, eu já cansei de ouvir pessoas falarem: "Ah, eu não tenho motivação em uma determinada empresa na qual eu atuo. A empresa não se preocupa com a motivação do funcionário.". É claro que toda organização tem de ter sim uma preocupação com a motivação dos seus colaboradores, mas aquele sujeito que espera uma motivação externa está morto, perdido. A motivação é algo interno, parte de você. O que te motiva, faz com que tu faças o que precisa fazer todos os dias para entregar o melhor de si naquilo que tu estás fazendo.

[NÉLSON] Sabe o que eu percebo? Você quer ser feliz? Essa é a primeira pergunta. O que você faz para que isso aconteça?

Muitas vezes você pode estar dentro do seu trabalho, mas está sempre à procura de algo fora e não consegue conviver em harmonia com o que você tem nesse momento.

É como o relacionamento conjugal. É uma coisa que eu sempre falei para a minha esposa. O conflito sempre vai existir. Nós somos pessoas diferentes. Mas existe o desejo de ser feliz?

Nós trabalhamos por isso?

Sim. Então é lógico que tenha algum momento em que eu vou ter de aparar algumas arestas, em outros momentos terei que me ajustar a esse novo contexto. Então é através desse ajuste do contexto que eu sou capaz de falar de autodisciplina, porque eu estou me disciplinando a uma convivência dentro de uma relação de amor. Por exemplo, amar não é só receber, é dar. Tem de ter essa mente, construir desse jeito.

[SULIVAN] É isso. E o penúltimo tópico, esse talvez seja o mais complexo de todos.

[NÉLSON] Que é o que mais exige crescimento da gente.

[SULIVAN] Exatamente. Eu acho que tem uma coisa muito linkada aqui, implicitamente nesse penúltimo tópico que nós vamos falar, que é uma coisa chamada maturidade.

Maturidade e capacidade de compreender as pessoas

[SULIVAN] Eu acho que tem muito a ver com maturidade, o nível de consciência que o indivíduo está, para que ele consiga adotar comportamentos que façam com que ele tenha capacidade de compreender as pessoas.

Nós falamos em capacidade de compreender as pessoas, Nélson.

Há uma metodologia que ensina muito bem isso, que é uma coisa chamada programação neurolinguística. A programação neurolinguística é uma chave para o sujeito começar a desenvolver a capacidade não só de mente aberta, mas de autodisciplina e também a capacidade de, principalmente, compreender as pessoas.

[NÉLSON] É. Você sabe ouvir as pessoas?

[SULIVAN] Perfeitamente.

[NÉLSON] Isso é muito difícil. Falar todo mundo sabe. E ouvir?

[SULIVAN] E ouvir. É a diferença que faz a diferença. A capacidade de você compreender as pessoas nas suas ações mais complexas ou mais adversas possíveis.

Eu gosto de um pressuposto da programação neurolinguística que diz assim: "Não existe comportamento errado. Existe um comportamento adotado em uma situação errada.".

E um outro conceito que eu gosto muito da programação neurolinguística, é aquele que diz assim: "Todo comportamento tem uma intenção positiva, por pior que seja o comportamento.".

Quando nós usamos esse conceito de que todo comportamento tem uma intenção positiva, muita gente confunde positivo, a intenção positiva com o certo e o errado. Então vamos deixar isso bem distinto. Nós não estamos julgando certo ou errado. Certo ou errado é julgamento. Nós estamos verificando que tem uma intenção positiva. Se você briga com alguém, tem uma intenção positiva que é defender o seu lado.

Nós não estamos falando se você tem razão ou não. É isso que tem de ficar claro.

[NÉLSON] Que é uma outra discussão muitas vezes tola.

[SULIVAN] Que é uma outra discussão e um ponto de vista.

[NÉLSON] Quem tem razão?

A razão é o raciocínio. Se nós estamos nos expondo, a reação já está presente, independentemente de estar certo ou errado.

[SULIVAN] Perfeitamente. E quando nós falamos da capacidade de compreender o outro é você olhar para o outro sem o ar de julgamento e procurar entender qual foi a fonte de motivação, o que o motivou internamente a adotar aquele determinado comportamento, embora você não entenda como um comportamento correto para aquela situação, como uma forma direta e objetiva ou até de um certo ponto socialmente considerada correta, que aquele sujeito adotou.

Então eu acho que isso é a capacidade de compreender o sujeito na sua mais ampla dimensão.

[NÉLSON] E aí nós retornamos ao penúltimo item de é mente aberta. Você precisa ter uma mente aberta para ser capaz de ouvir as pessoas e compreendê-las. Isso é muito difícil. Você tem de lidar com a prepotência, a arrogância.

Vai essa visão de saber, como se eu tivesse o domínio e o controle em todas as situações.

[SULIVAN] Você quer ver uma coisa muito interessante, Nélson. Às vezes você tem filhos adolescentes, olha para alguns comportamentos deles hoje e não compreende. Mas quando você vai ver, talvez adotou os mesmos comportamentos ou pior, na sua adolescência.

Então é respeitar o momento do sujeito. A capacidade de compreender as pessoas é respeitar o momento delas.

[NÉLSON] E olhar para trás e saber que você teve o seu.

[SULIVAN] Exatamente. Então quando você olha hoje para um adolescente e vê ele tomando uma determinada atitude, às vezes quando você olha para a sua adolescência fez pior. Isso pode acontecer, ou bem próximo daquilo. Dadas as proporções, muitas vezes pior. Às vezes não pior comparado com hoje, mas pior comparado na época, uma atitude tanto quanto.

Quando olhamos para frente, para pessoas com mais idade do que você e vê comportamentos que também não compreende, será que quando nós chegarmos lá na frente não faremos igual?

[NÉLSON] Será um outro contexto.

[SULIVAN] Exatamente. Para isso nós estamos criando uma linha do tempo.

E quando você olha para pessoas da nossa idade que adotam determinados comportamentos que, muitas vezes, nós também não compreendemos, será que essas pessoas tiveram a mesma experiência de vida que nós tivemos? Para mais ou para menos?

[NÉLSON] É lógico que não.

[SULIVAN] E é isso, para mais ou para menos, de alguma maneira acaba determinando que elas adotem esses determinados comportamentos.

Então essa capacidade de compreender o ser humano, as pessoas, por mais difícil que seja, não precisa aceitar, é compreender. Não é concordar, é compreender.

[NÉLSON] Sim, você pode ouvir. Ouvir é a palavra-chave, porque nós não temos essa capacidade, a paciência, o controle, para fazer aquilo que o outro espera de nós, porque o outro também quer falar. Eu também quero falar, só que eu preciso ser ouvido. Então eu preciso que me ouçam. O importante é eu ter essa atitude a hora que o outro precisa falar e parar.

[SULIVAN] Perfeitamente.

[NÉLSON] Eu vi muitas vezes, não é algo muito significativo até para a minha vida. O importante não é nem o que eu vou ouvir, mas é ter essa capacidade.

[SULIVAN] O que eu faço com aquilo que eu ouvi.

[NÉLSON] É. Como que eu faço, ou então a atenção que eu dou.

Isso volta para o aspecto da harmonia no relacionamento. As coisas estão interligadas. É esse equilíbrio, essa harmonia, que vai dar a você essa inteligência da qual nós falamos, de se relacionar.

[SULIVAN] Emocionar. É a capacidade de lidar com as suas emoções. E olha que coisa legal, Nélson.

No programa passado você falou de atitude mental positiva, esse foi o primeiro tópico. O segundo, saúde física vigorosa. Harmonia nos relacionamentos. Libertação do medo. Esperança de realização pessoal e capacidade de ter fé.

No programa de hoje nós abordamos a disposição para compartilhar as suas dádivas, um trabalho de amor, ou um trabalho com amor, mente aberta, autodisciplina e capacidade de compreender as pessoas.

E aí falta o último tópico. Eu fiz questão de revisar os 11 primeiros tópicos para que nós possamos falar do décimo segundo, porque muita gente deve estar perguntando: "Está faltando alguma coisinha.".

Essa coisinha é a segurança econômica.

Segurança Econômica

[SULIVAN] E como vem essa segurança econômica?

Consequência de tudo aquilo que nós acabamos de falar e revisar.

[NÉLSON] Isso não pode ser descartado de uma vida inteligente, emocionalmente equilibrada e de equilíbrio no seu todo.

[SULIVAN] De uma vida onde o sujeito teve esperança de realização, capacidade de ter fé, disposição para compartilhar as suas dádivas, de um sujeito que fez um trabalho com amor.

[NÉLSON] Sim, que é quase um resultado de mérito.

[SULIVAN] Que teve a mente aberta para observar oportunidades. Acima de tudo teve autodisciplina e mais do que isso, capacidade de compreender as pessoas.

[NÉLSON] Isso foi uma construção. Ele construiu.

[SULIVAN] Perfeitamente. Ele é consequência, é resultado de tudo aquilo que foi feito anteriormente.

É isso aí, ouvinte. Esse foi o nosso programa de hoje com foco em inteligência emocional, trazendo seis tópicos para te fazer refletir um pouquinho sobre o que é ser inteligente emocionalmente.

E agora nós temos um minuto do nosso professor. Eu confundo o minuto professor com a Dica do Professor.

[NÉLSON] É. Nós precisamos tirar isso. Ou põe os dois como Minuto ou os dois como Dica.

[SULIVAN] É. Então vamos lá. A Dica do Professor. Qual é a Dica do Professor de hoje?

DICAS DO PROFESSOR

Hoje eu vou abrir um parêntese para falar sobre a Dica do Professor, falando justamente sobre os parênteses.

[SULIVAN] Então você abre o parêntese e eu fecho ou parêntese.

[NÉLSON] Perfeito. Nós falamos sobre isso.

Pessoal, eu ouço muito esse tipo de informação, principalmente de pessoas que vão fazer uma redação, cometem um erro e dizem o seguinte:

"Professor, quando eu cometo um erro na hora que eu vou escrever, posso colocar entre parênteses?".

Então eu vou deixar no ar bem claro para todo mundo, já que me perguntaram.

Pessoal, parênteses é um conjunto de pontuação em que você isola uma ideia, um pensamento. Ou seja, é a possibilidade de intercalar em um pensamento uma outra ideia.

Ele não é o referencial para erro. Não existe uma pontuação para isolar o erro. O erro foi uma falha, não foi intencional. Então se você errou, errou. Assuma esse erro dentro do seu texto.

O que você não pode dizer que os parênteses, como pontuação dentro do universo gramatical, servem para você isolar o erro cometido. Erro é uma coisa. Parênteses é como nós falamos na abertura aqui dá Dica. Eu abro um parêntese, que é para fazer uma interferência, tanto que ele pode ser substituído por dois travessões ou por duas vírgulas.

Então vamos juntar duas ideias. A correção gramatical: não use parênteses para corrigir um erro. Errou, acabou, você risca escreve tudo novamente. É assim que funciona.

Ou então lembre-se de que ele serve para que você faça um comentário paralelo, a apresentação de uma informação a mais sobre aquela que você está debatendo. Fecha parênteses.

[SULIVAN] Perfeito. Está aí a dica do parêntese. Então errou, risca ou apaga.

[NÉLSON] É isso, ou joga fora e começa tudo novamente. Está bom?

[SULIVAN] Perfeitamente. E ao longo do programa nós fizemos a pergunta do minuto do coaching.

[NÉLSON] Que foi perfeita, encaixada dentro desse universo da inteligência emocional, que é justamente um dos espaços que nós trabalhamos sempre com todos, porque é uma das formas de você se motivar e buscar a sua linha de conduta, trabalho, através do coaching.

[SULIVAN] Perfeitamente e vamos deixar o site do programa. www.acertarehumano.com.br. Também presente em todas as redes sociais o Programa Acertar é Humano.

[NÉLSON] Eu vou aproveitar para dar uma chamadinha aqui hoje.

Hoje, no Conjunto Nacional, eu vou estar em minha noite de autógrafos.

Eu estou lançando o meu livro, que é o Vade Mecum, sobre concursos públicos e hoje vamos estar fazendo a divulgação desse novo livro em que eu participo junto com alguns colegas importantes do universo do concurso público. Hoje às 8h30 da noite lá na Livraria Cultura.

[SULIVAN] As 21h30. É na Paulina?

[NÉLSON] As 20h30.

[SULIVAN] As 20h30 no Conjunto Nacional, Nélson Sartori e seus colegas nesta noite de autógrafos do livro.

[NÉLSON] Obrigado.

[SULIVAN] É isso aí. Um abraço a todos e até a próxima quinta-feira.

[NÉLSON] Um abraço, minha gente, e até a próxima semana.

♪ [tema acertar é humano] ♪

Você ouviu pela Mundial o Programa Acertar é Humano. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori. Uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil.

Outros Podcasts

076 - Programa Acertar é Humano: de 17/03/2016

#076

Neste programa o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre o poder que a mídia tem atualmente, sendo ao mesmo tempo a heroína e vilã.

075 - Programa Acertar é Humano: de 10/03/2016

#075

Neste programa o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre o tema "virar a mesa", ou, dar a volta por cima, transformar alguma coisa ruim em algo bom. O que é preciso fazer para virar a mesa?

074 - Programa Acertar é Humano: de 03/03/2016

#074

"Escrevendo nossa história" - você é passivo ou ativo quando se fala da história da sua vida? O professor e apresentador Nélson Sartori traz esse tema no programa do dia 03/03/2016.

073 - Programa Acertar é Humano: de 18/02/2016

#073

O professor e apresentador, Nélson Sartori, fala neste programa sobre "juventude eterna". Como as pessoas têm tratado esse tema como um sonho, um desejo, que, muitas vezes, pode trazer sérias consequências.

71 Acertar é Humano | Impacto das Redes Sociais nas relações humanas (04/02/2016)

#71 Acertar é Humano | Impacto das Redes Sociais nas relações humanas (04/02/2016)

No Programa de véspera de carnaval, o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre as relações humanas e comunicação nas redes sociais.

070- Programa Acertar é Humano: de 28/01/2016

#070

O apresentador e professor Nélson Sartori continua a entrevista com o master coach e presidente da SLAC Coaching, Sulivan França.

069 - Programa Acertar é Humano: de 21/01/2016

#069

Em mais um Programa Acertar é Humano o apresentador Nélson Sartori entrevista o presidente da SLAC Coaching, Sulivan França. O profissional conta sua história como profissional de coach.

068 - Programa Acertar é Humano: de 31/12/2015

#068

No último dia do ano de 2015, o apresentador Nélson Sartori faz uma retrospectiva dos temas destaques que foram abordados durante o ano.

067 - Programa Acertar é Humano: de 03/12/2015

#067

Dando continuidade ao projeto de esclarecimento de pesquisa o apresentador Nélson Sartori traz mais uma vez ao programa o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva.

066 - Programa Acertar é Humano: de 19/11/2015

#066

Em mais um Programa Acertar é Humano o apresentador Nélson Sartori bate um papo com o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva. Neste programa o tema foi conflitos no Oriente Médio.

065 - Programa Acertar é Humano: de 12/11/2015

#065

No Programa Acertar é Humano de 12 de novembro o professor Nélson Sartori leva ao programa o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva. O tema abordado foi a tragédia de Mariana.

064 - Programa Acertar é Humano: de 01/10/2015

#064

O apresentador e professor Nélson Sartori fala sobre um tema muito importante na vida de todos: a esperança. Quem tem esperança tem dentro de si otimismo e felicidade. Como seria possível projetar uma história para a sua vida sem ter esperança?

063 - Programa Acertar é Humano: de 24/09/2015

#063

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori traz uma reflexão sobre a passagem que todos farão. Como você tem cultivado o que é importante para você? Como será a sua partida? Como você gostaria que ela fosse?

063 - Programa Acertar é Humano: de 17/09/2015

#063

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori aborda o tema “medo de mudar”. Como lidar com momentos de necessidade de mudança? Como deixar a zona de conforto?

062 - Programa Acertar é Humano: de 10/09/2015

#062

Neste Programa Nélson Sartori aborda o tema “missão de vida e como lidamos com ela”. Todo nós temos uma missão de vida e criamos projetos. Como administrar esses projetos para que a missão não falhe?

061 - Programa Acertar é Humano: de 25/06/2015

#061

No Programa Acertar é Humano do dia 25/06 o professor Nélson Sartori comentou sobre “Acreditar em si mesmo para realizar algo”. Você sabia que o maior sabotador das suas conquistas é você mesmo? Autossabotagem é quando você coloca as próprias barreiras em volta de você. Ouça o Programa e saiba mais!

060 - Programa Acertar é Humano: de 18/06/2015

#060

Neste Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori abordou a questão do "Tempo" – Você conhece alguém que diga que tem muito tempo e que o tempo tem demorado a passar, que o dia a dia tem sido muito longo? Dificilmente. O tempo é a grande preocupação de todos. Todos temos a sensação de que o tempo tem passado cada vez mais rápido. Qual a justificativa da ciência sobre essa percepção?

059 - Programa Acertar é Humano: de 11/06/2015

#059

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori falou sobre “Alguns dos grandes empresários que foram referência no mundo pelos grandes feitos. E esses cometeram erros? Quais?”. Conheça um pouco da história de homens de sucesso!

058 - Programa Acertar é Humano: de 04/06/2015

#058

No feriado de 04/06 o professor Nélson Sartori abordou o tema “As principais queixas dos empreendedores”. Quais são as dificuldades que o novo empreender enfrenta quando vai abrir um negócio?

057 - Programa Acertar é Humano: de 28/05/2015

#057

Exemplos de como algumas ideias consideradas absurdas que se tornaram negócios de sucesso. Empreendedorismo, negócios, uma situação profissional diferenciada depende da sua ousadia, disposição e uma boa ideia. O professor Nélson Sartori aborda algumas ideias “estranhas” que deram muito certo como negócio.

Programa Foco e Gestão com Sulivan França

De segunda a sexta
9:00 - 18:00

+55 (11) 3670-1770

info@slacoaching.org

Av. Francisco Matarazzo
1400 - SP

Sociedade Latino Americana de Coaching

+55 (11) 3670-1770
info@slacoaching.org

São Paulo - Brasil
Centro de Treinamento
Av. Francisco Matarazzo, 1.350
Água Branca - Cep: 05001-100
São Paulo - Brasil
Sede Administrativa
Av. Francisco Matarazzo, 1.400
Água Branca - Cep: 05001-100
CNPJ: 15.229.739/0001-47
Santiago - Chile
Oficina
Suecia 42, Oficina 02
Teléfono: +56 2 2632 5042
Lima - Peru
Oficina
Plaza Ricardo Palma 107 - San Borja
Teléfono: +51 980 037 494
Cartagena - Colômbia
Oficina
Cr 3 6A Esq. Ed. Jasban 407 - B/Grande
Teléfono: +57 5 655 03 01

Conteúdo Registrado ®
Todos os Direitos Reservados
Cópia Proibida.