Quando a gente fala de uma formação em Coaching, muitas pessoas têm outra visão. 
Eu sempre brinco com os meus alunos que a gente é Professional Coach Certification, não é Professional Santo Certification! Não é algo que você vai sair fazendo milagre. É algo que você vai sair fazendo tudo o que nunca fez para o quê? Para o alcance dos seus objetivos, para o alcance dos seus resultados.

Quando a gente parte para um contexto acadêmico, ou seja, uma pós-graduação, uma graduação ou até um MBA, é diferente. É importante dizer que não estou fazendo apologia a não estudar, à não educação. Muito pelo contrário. Sou fã de todos estes métodos. Porém, quando a gente fala de algo muito acadêmico, como pós-graduação, muitas vezes, a gente se depara com teorias que vão levar muito tempo para conseguir colocar em prática e tirar resultados delas.

Quando a gente fala de uma formação de Coaching, ainda mais aqui, que a gente trabalha com os três níveis de aprendizagem, o que isso quer dizer? A gente utiliza a metodologia das maiores universidades do mundo, que é a metodologia 70/20/10. 
Mas que é a metodologia 70/20/10? Os 10% são o aprendizado formal, dentro de sala de aula, com explicações teóricas e o seu material didático. Os 20% são interações com o professor, com o treinador, com nós enquanto coaches, guiando o indivíduo na melhor forma de desenvolvimento. E 70% é prática, é mão na massa, é executando.

Nós não trabalhamos no conceito de pedagogia, nós trabalhamos andragogia, o ensino de adultos, o processo de aprendizagem de adultos. Então, isso muda completamente do que é praticado na academia hoje. Na academia, quando a gente fala em pós-graduação, em cursos de extensão, o sujeito leva muito tempo para conseguir transformar tudo aquilo em prática. Por quê? Porque, na verdade, você tem uma inversão de papel.

Transforme sonhos em realidade

Lá, basicamente, você não tem o 70/20/10, mas você tem um 80/20. É 80% de teoria e 20% de experiência em grupo. Mas o sujeito não tem prática. Então, você imagina, para ser extremamente claro, o sujeito tem 80% de teoria na academia e 20% de troca de experiência entre as pessoas do grupo.

Quando você olha para a nossa metodologia que é a mais utilizada em todas as universidades do mundo, não é 80/20, mas é 70/20/10, sendo 10% como eu já disse teórico. Então, a gente sai de 80 que é o teórico da academia para 10. A gente pega as mesmas interações que a academia faz nos 20%, nós também fazemos entre as pessoas. Só que o indivíduo tem 70% de mão na massa. Ou seja, efetivamente, ele sai fazendo. E aí é aquilo que eu disse: diverge daquele outro conceito. Isso, por si só, já não é estímulo, é desenvolvimento.