icone podcasts

PROGRAMA ACERTAR É HUMANO

#009

O Programa Acertar é Humano do dia 17/04, faz um alerta sobre o que é e o que não é um processo de coaching. O Master Coach, Sulivan França, dá cinco dicas que ajudam a identificar quando o coach (profissional que aplica o coaching) é ou não um verdadeiro profissional da área. Esse tema discute um assunto importante, sendo que, hoje no Brasil, devido ao crescimento desse mercado, muitos se passam por profissionais de coaching, quando na verdade, não têm nenhuma formação para tal atividade. Outro alerta é sobre as instituições que oferecem curso de formação em coaching, com instrutores que não têm nenhuma ou pouca experiência na área e, muitas vezes, oferecem metodologia abusiva. Na "Dica do Professor", Nélson Sartori, fala sobre "A lógica da estrutura da escrita de algumas palavras". Para finalizar, no "Minuto do Coaching", Sulivan França, deixa uma reflexão para os ouvintes.

009 - Programa Acertar é Humano: de 17/04/2014

Programa Acertar é Humano (17/04/2014)

Nélson Sartori e Sulivan França

Tempo de áudio
26 minutos e 46 segundos
Legenda
... ➔ pausa ou interrupção do discurso
[...] ➔ palavra/trecho incompreensível
[comentário] ➔ comentários do transcritor

♪ [tema acertar é humano] ♪

Começa agora na Mundial Acertar é Humano, um programa que apresenta crônicas com humor e foco na solução, sempre falando de temas diversos como empreendedorismo, liderança, esporte, atualidades, comunicação entre outros. Tudo isso seguindo a filosofia do coaching.

Programa Acertar é Humano, uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori.

[SULIVAN] Bom dia, ouvinte Mundial! Bom dia, Nélson!

[NÉLSON] E aí, Sulivan? Bom dia! Bom dia a todos da Mundial!

Hoje temos aqui um tema bastante interessante para trabalhar, principalmente no que diz respeito aos sinais do novo tempo.

Principalmente quando falamos de coaching, falamos sobre sinais – vamos lá, Sulivan –, quais são os sinais que podemos encontrar de que o coaching pode realmente não ser um coaching?

Vemos muito isso daí por aí.

Tem gente dizendo o que não é.

E aí?

[SULIVAN] Esse é o nosso tema tão discutido hoje, não é, Nélson?

E como esse tema tem sido falado pela grande mídia, não só no rádio mas até a própria televisão tem falado sobre coaching, principalmente quanto aos sinais de que o profissional pode não ser o profissional que diz ser o profissional que é.

Até rima, né? [risos]

[NÉLSON] Sim. [risos]

Nós até falamos o que é e que o não é coaching.

[SULIVAN] Perfeitamente.

[NÉLSON] Agora importante é falar quem é e quem não é coaching.

SINAIS QUE INDICAM QUE UM PROFISSIONAL PODE NÃO SER UM COACH, MESMO QUE DIGA SÊ-LO

[SULIVAN] Quando uma profissão como essa, de ponta, surge e isso começa a se tornar um referencial no mercado e no mundo, muita gente quer pegar uma carona, principalmente dentro desse tipo de trabalho. As pessoas simplesmente adotam a denominação profissional como se isso já fosse o suficiente para sair atuando.

Essa é uma das grandes preocupações de todo aquele que vai fazer a contratação desse tipo de serviço, que precisa disso – porque quem vai atrás realmente sabe a necessidade desse trabalho, sabe como pode potencializar sua vida, potencializar sua profissão, sua empresa –, ele precisa de um profissional qualificado dentro disso.

E aí como ele vai saber quando esse profissional realmente é competente para atendê-lo, Sulivan?

[SULIVAN] Vamos dizer assim, as pessoas que muitas vezes pregam fazer um trabalho que não têm um conhecimento ou necessariamente a capacidade técnica ou a competência técnica para o desenvolvimento de tal tarefa, além desse processo ser desonesto, você começa a colocar em risco a vida de outras pessoas porque estamos falando de um processo. Não é um processo em que você está lidando especificamente com exatas, você está lidando com humanas, então você está lidando com pessoas. É algo muito mais sério, muito mais complexo.

Para que possamos pensar um pouquinho, vamos dar aqui cinco dicas importantíssimas para você que está nos ouvindo que de repente pensou em contratar um coach, pensou em contratar um profissional que te apoie no alcance das suas metas, dos seus objetivos ou de contratar um profissional que possa te apoiar na realização dos seus sonhos.

Olha como é importante o trabalho de um coach. Você muitas vezes está lidando não só com as metas de um indivíduo mas você está lidando muitas vezes com os sonhos dele também.

Como transformar esses sonhos em metas e a partir daí o processo ser feito dentro de um trabalho de coaching?

[NÉLSON] Existe uma técnica disso aí.

[SULIVAN] Exatamente.

[NÉLSON] Não é algo que possa simplesmente surgir do nada da mesma forma como você pode trabalhar, por exemplo, em qualquer tipo de trabalho manufaturado. Não. É a habilidade pessoal que permite que a pessoa faça isso.

É uma das grandes questões a serem abordadas. Não é pela competência da pessoa que ela pode ou não ser coach, isso está ligado justamente à preparação e à formação dela.

Então fala para nós um pouquinho sobre isso.

[SULIVAN] Um dos fatores é que, além dessa desonestidade por você estar trabalhando com pessoas, também é um processo desonesto porque você está lidando muitas vezes com pessoas e está tirando a vaga daquele profissional que se dedica, que trabalha, que investiu, que estudou e que tem a competência para atuar como coach. Muitas vezes você tem pessoas que estão tomando espaço no mercado que não tem experiência nenhuma em coaching.

Pior do que isso é que às vezes aquele profissional, aquela pessoa, seja por um processo de coaching profissional, um coaching de vida, ele está procurando um coach para o seu trabalho e muitas vezes contrata esse profissional por falta de conhecimento, por falta de conhecer a própria metodologia de coaching, que, querendo ou não, podemos até considerar como algo novo no Brasil e não tão conhecido como outros processos. Falta um pouco desse conhecimento.

O objetivo do nosso programa aqui é justamente dar algumas dicas. Vamos passar cinco dicas breves aqui que você que está nos ouvindo que pretende procurar um coach para trabalhar seu processo de conhecimento, seja de competência, ou questões comportamentais ou questões de competências profissionais mesmo, você fique atento a esse alerta.

E você que já está trabalhando com coaching, fique atento se seu coaching está fazendo direitinho o processo de coaching também.

Antes de entrarmos nessas dicas, muita gente também questiona assim: "Sulivan, o coaching está caminhando para ser legalizado no Brasil? Como é isso?". Aí eu gosto de fazer uma pergunta, até para gerar uma reflexão: "Vocês acreditam que consultoria vá ser legalizada em algum momento? Não vai.".

Há quanto presente a consultoria está aí? Existem excelentes consultores e existem péssimos consultores, sabemos disso. A mesma coisa acontece no processo de coaching.

Coaching está muito longe de ler legalizado.

Uma das coisas que fizemos na Sociedade Latino-Americana de Coaching para que conseguíssemos pelo menos nos aproximar desse passo, que é talvez um passo muito marcante no processo de coaching, mas que foi uma das formas de trazer mais credibilidade para o processo de coaching, haja vista o que muitas demandas corporativas e demandas de pessoas físicas exigiam, foi instituir o próprio MBA em Coaching.

Então hoje temos uma cadeira, temos algo acadêmico que de certa forma valida o nosso programa de MBA.

De certa maneira, mesmo que você não conclua o MBA, você está fazendo um programa de formação em coaching, que é extensão universitária. Esse é um ponto importante.

Essa busca pelo meio acadêmico foi uma das formas que encontramos não necessariamente de legalizar a profissão de coach, mas de certa forma começar a dar – vamos usar essa palavra, que talvez seja forte, mas é o que mais se encaixa – um caráter mais sério para essa profissão, que já é tão séria, mas que muita gente leva na brincadeira.

[NÉLSON] Sim.

Você dando uma formação acadêmica, você vai certificar esse trabalho. Então não é uma coisa que simplesmente pode surgir.

O que é o coaching? O coaching é trabalho de conselheiro agora? É isso que eu procuro?

Nós já falamos bastante sobre o que é e o que não é coaching. Então é importante sabermos justamente diferenciar, mesmo sabendo que os dois serviços podem ser eficientes, mas saber diferenciar o conselheiro, aquele que usa a sua experiência, que é um consultor, e aquele que tem um preparo profissional para trabalhar essas metas tão importante, que é coach.

Essa é uma preocupação bastante importante. Daí a existência da SLAC, da Sociedade Latino-Americana de Coaching, que dá esse preparo, que dá essa formação, que tem reconhecimento internacional e que ao mesmo tempo é a única que tem esse trabalho de MBA para poder cada vez mais se dedicar ao reconhecimento no que diz respeito à estrutura profissional do coaching e eliminar principalmente isso que um dia – o que ninguém quer – possa atribuir a esses profissionais despreparados também o caráter de charlatanice.

[SULIVAN] Perfeitamente.

[NÉLSON] Para que isso não aconteça, existe a formação.

Faça formação, prepare-se realmente.

É um trabalho necessário, que está sendo cada vez mais requisitado no nosso país e que há necessidade de muitos profissionais nessa área. Como há essa necessidade, a formação é algo importante.

Vamos falar mais então sobre essa diferença.

[SULIVAN] Perfeito.

A primeira delas é a seguinte.

Ele diz ser coach, mas faz consultoria.

Coaching é coaching, consultoria é consultoria.

Se o seu coaching, em algum momento nas sessões de coaching, te aconselhar, te induzir ou disser o que você tem de fazer, ele está mais próximo de um processo de consultoria do que um processo de coaching.

Essa é uma das primeiras coisas que você tem de estar muito ligado na hora de contratar um coach.

Essa é a primeira dica, mas, da mesma forma que vamos passar essas cinco dicas para você que está procurando um profissional de coaching, para você de repente desenvolver e alcançar suas metas ou o desenvolvimento das suas competências, para você que também procura uma formação em coaching, também serve essas informações para que você fique atento ao curso que você vai fazer ou que você fez, para que você comece da maneira correta para atuar com as pessoas.

Eu acho muito interessante que existe uma fala sobre coaching. É coaching para aquilo, coaching para aquilo outro. Isso para mim é uma brincadeira de muito mal-gosto.

Coaching é coaching. Pronto. Começamos a enfeitar demais o negócio e começa a descaracterizar o processo.

Vamos deixar essas extensões depois do coaching e entender que coaching é coaching. O que vem depois pode muitas vezes ser consultoria.

Então fique alerta. Se o seu coach está dando dicas a você, se o seu coach está induzindo você a uma solução que ele acredita ser a melhor solução, se ele de alguma forma faz inferências dentro do processo de coaching para que você tome alguma decisão e até mesmo se a formação pela qual você passou ou está passando, se ela faz com que você aprenda a fazer isso com o seu cliente, se ele fizer isso, isso não é coaching. Isso tem de estar muito claro.

[NÉLSON] É importante lembrarmos o seguinte.

O profissional do coaching sabe disso, ele não se confunde. Ele realmente faz questão de demonstrar essa estrutura e essa habilidade profissional, mostrar essa questão até ética dentro da profissão, já que ele tem um padrão de comportamento a seguir e uma relação ética com o seu coachee, aquele a quem ele atende. Ele não vai fazer essa confusão porque ele está bem preparado para isso. Quem faz essa confusão é justamente aquele que não teve um preparo de uma maneira geral apropriado e mistura as coisas.

Não que a pessoa não possa fazer as duas, só que tem de ter muita distinção quando faz um serviço e quando faz outro.

[SULIVAN] Daqui a pouco eu dou a segundo dica, mas, em cima disso que você está falando, olha o absurdo que a coisa chegou.

Você sabe quem foi Milton Eriksson?

Milton Eriksson foi um grande hipnoterapeuta. Milton Eriksson era um expert em hipnoterapia, um cara excepcional, extremamente conhecido.

Esses dias eu vi um chamado, mas não me recordo onde –no Google você vê de tudo – e eu achei coaching erikssoniano, usando a abordagem de Milton Eriksson.

Espera aí. Coaching é coaching. O que coaching tem a ver com hipnose ou com hipnoterapia?

Não tem nada a ver uma coisa com a outra. Isso é brincadeira de mau-gosto: coaching erikssoniano.

Meu deus do céu! O que é isso?

Então vamos fazer um trabalho de coaching com coaching executivo com um executivo de uma multinacional usando hipnoterapia.

Eu não estou dizendo que a hipnoterapia não funciona, eu só estou dizendo que ela não tem nada a ver com o processo de coaching. São duas coisas completamente distintas.

[NÉLSON] Eu tenho de parar de rir para comentar.

[SULIVAN] Então, pelo amor de deus, hipnose não tem nada a ver com coaching.

[NÉLSON] O coaching faz a hipnose. Isso é melhor ainda do que ele ser um consultor.

[SULIVAN] Exatamente.

[NÉLSON] Eu não vou prepará-lo, eu vou formatá-lo. [risos]

[SULIVAN] Perfeitamente.

[NÉLSON] Eu vou dizer o seguinte. A sua vida está errada, eu vou dizer como a sua vida é certa. Agora prepare-se um [estrala os dedos], dois [estrala os dedos], três [estrala os dedos]. Agora você vai fazer isso aqui.

[SULIVAN] Exatamente.

Eu quero acreditar que isso é uma brincadeira de mau-gosto, para não usar outro termo.

[NÉLSON] Deve ser.

[SULIVAN] Vamos entender que seja uma brincadeira de mau-gosto.

O segundo ponto é o seguinte.

O coaching tem ausência de formação.

Eu canso de ouvir e de ver coaches que dizem assim:

— Eu faço coaching hoje 15–20 anos.

— Onde você fez formação?

— Não fiz formação. Eu fui fazendo, fui fazendo, fui fazendo. E eu sou um excelente coach.

[NÉLSON] É coaching instintivo isso.

[SULIVAN] Exatamente.

Isso acontece muito nas nossas formações no primeiro dia da apresentação.

O sujeito fala assim: "Eu faço coaching hoje 15, 20, 30 anos e vim aqui para de certa forma ter uma certificação.".

Aí, Nélson, é impressionante porque, logo no primeiro ou segundo dia, ele começa a ver que tudo que ele dizia que fazia como coaching não era coaching e muitas vezes era um processo de consultoria ou até de hipnose, hipnoterapia (já que tocamos nesse assunto) ou qualquer outro termo, mas, enfim, não era coaching o que esse sujeito estava fazendo.

[NÉLSON] Desculpe rir quando fala de hipnoterapia, mas é bastante engraçado esse trabalho. Até mesmo quanto à cobrança do trabalho.

Seria fantástico você colocar isso aí. Você pode falar: "Eu posso induzir a pessoa a pagar o quanto eu quiser.".

Acho que isso daí é uma formação que deveria haver em quase toda a profissão.

E hipnoterapia é séria.

[SULIVAN] Hipnoterapia é um processo sério.

[NÉLSON] Seríssimo.

[SULIVAN] Seríssimo. E que não deve jamais ser associado com processo de coaching.

[NÉLSON] Lógico. Tanto é que terapia.

[SULIVAN] Exatamente.

Eu só não vi ainda coaching psicológico. Isso eu não vi ainda.

[NÉLSON] Ah! Mas vai surgir.

[SULIVAN] Coaching é uma coisa, psicologia é outra.

Coaching terapêutico eu também não vi.

Terapia é uma coisa, hipnoterapia é outra coisa, hipnose é outra. Cada coisa no seu lugar; cada um tem o seu espaço.

Agora, quando começamos com a mistura toda, vira uma verdadeira salada.

Então vamos ter um pouco de bom senso também. Isso é uma coisa que temos de pedir até para os formadores de plantão do nosso país: ter um pouco de bom senso também. Vamos parar um pouquinho com isso. Qualquer coisa que surge, inventa-se um nome para um curso. Então espera aí. Vamos ter paciência.

[NÉLSON] O que acontece na verdade eu acredito que seja o seguinte.

Como o coaching é um trabalho que pode ser aplicado a qualquer área da vida e é essa a habilidade, a principal questão do trabalho do coaching – ele não precisa ser especializado em alguma matéria, alguma coisa para ele poder trabalhar com aquele profissional especificamente –, então o que acontecendo é, como ele trabalha em uma área determinada, ele já vai dar um nome.

Eu vou trabalhar com alguém a questão de preparo da vida para ele poder se organizar e perder peso. Pronto. Já virou um coaching dietético.

[SULIVAN] Dietético é ótima.

[NÉLSON] Ele é life coach, coach de vida, ele está organizando a vida da pessoa e não precisa para cada momento você ter uma denominação, por mais que isso aí percebamos que seja um vício dentro disso, é rotular aquele serviço em particular.

[SULIVAN] Perfeito.

[NÉLSON] E não é o rótulo daquilo em particular que ajuda, é o contrário. Aquilo prejudica porque banaliza o trabalho.

[SULIVAN] Perfeito. É isso mesmo.

Então as duas dicas que demos até agora.

Ele diz ser um coach, mas faz consultoria. Fique atento a isso. Ou mentoring ou qualquer outro processo que não seja o de coaching.

Ou ausência de formação. O sujeito: "Eu faço coaching há anos, anos e anos e não tenho formação.". Ou há aqueles que dizem ter formação, mas não têm certificado.

[NÉLSON] Como eu faço para saber isso?

[SULIVAN] Exatamente. Vai atrás.

Aí vem a terceira dica que vamos dar.

É importante que esse profissional esteja associado a alguma instituição. Mas não basta só isso, é preciso que investiguemos também quem é essa instituição.

Se olharmos também, existem órgãos de defesa do consumidor, que todos devem conhecer, como o PROCON, o próprio site do Reclame Aqui e outros locais que você pode buscar referência de muitas empresas, de muitas organizações, que muitas vezes você entra nessas instituições, pesquisa e o próprio local onde esse fulano foi formado tem centenas de reclamações.

Então também é importante que façamos essa verificação. Qual é a instituição a qual esse sujeito está vinculado, qual é o peso, qual é o nome dessa organização hoje no Brasil e como ela é vista pelo mercado. Uma coisa é você ter uma reclamação, outra é quando você tem dezenas de reclamações. Alguma coisa de errado tem.

Esse sujeito está a associado a alguma organização?

Ok, por mais que ele não tenha certificação, ele tenha perdido o certificado, primeiro que pedir uma segunda via de certificado é a coisa mais fácil que existe ou no mínimo uma declaração que você concluiu se não puder emitir uma segunda via, o que eu acho um absurdo.

[NÉLSON] Eu também acho.

[SULIVAN] De outra maneira, você também pode verificar a instituição pela qual esse sujeito diz que foi formado, qual é a credibilidade dessa instituição no mercado.

É importante que você verifique isso, porque vai ver que seja uma das que faz coaching erikssoniano.

Precisamos tomar cuidado com relação a isso.

[NÉLSON] Empresa de coaching pirotécnico. Só vai no fogo do rabo do foguete.

[SULIVAN] Até entendemos pelo seguinte. Muitas vezes são jogadas de marketing.

É esse tipo de jogada de marketing que leva essas empresas para os sites de reclamação do consumidor porque prometem o que não podem cumprir depois.

Uma das piores coisas que existem é o consumidor que se sente enganado. Ele de certa forma vai reclamar e é direito dele de reclamar sim.

Vamos para a quarta dica para quem está procurando coaching ou para quem está procurando uma formação de coaching.

O seu coach se recusa a oferecer referências do seu trabalho.

Há uma coisa interessante do processo de coaching, que pregamos dentro da formação, que é assim. Existe o sigilo sobre o trabalho de coaching, mas é um sigilo sobre o conteúdo da sessão, não é sigilo necessariamente sobre seus clientes.

Vou te dar um exemplo. Nós atendemos a vários jogadores de futebol, fazemos esse processo individual com jogadores de futebol, com grandes empresários de São Paulo e alguns não querem aparecer.

Se vocês entrarem no site da SLAC – slac.com.br –, vocês vão ver que há depoimentos de jogadores de futebol, de empresários, de pessoas que passaram pelo processo de coaching, mas há aqueles que não querem falar.

Ok. Isso você guarda, a identidade do seu cliente. Isso é uma coisa. Agora, quando você não pode falar de nenhum cliente seu, há alguma coisa errada. Provavelmente você não tem cliente.

[NÉLSON] É muito sigilo, não é verdade? Alguém está querendo esconder o seu trabalho ou que trabalhou com você.

[SULIVAN] Aí não é sigilo, é esconderijo.

Ou alguém não quer nem saber que você trabalhou com ele ou não quer nem saber que trabalhou com você.

[NÉLSON] Não quer que saibam que você trabalhou com eles.

[SULIVAN] Perfeitamente.

Então de alguma forma você tem de ter maneiras de você verificar com quem esse sujeito já trabalhou, quais são os cases, por aonde ele passou, o que ele deixou, qual o rastro que ele vem deixando, é um rastro positivo ou negativo?

Uma das melhores maneiras é você pesquisar por clientes.

Através da pesquisa com clientes também, verifique os três pontos anteriores. Se o cliente relata que ele fazia mais consultoria ou não, se ele tem ou não a formação e a qual instituição ele está vinculado.

Isso é extremamente importante.

[NÉLSON] Fundamental.

[SULIVAN] E o quinto ponto é.

O coaching afirma que a experiência corporativa é a sua principal credencial.

Isso é um grande equívoco.

Para que eu faça coaching de vida, eu não preciso ter experiência corporativa. Ou muitas vezes o sujeito, no apresentar seu processo de coaching, conta toda sua vivência corporativa.

Não tem nada a ver uma coisa com a outra. Coaching é coaching, a sua vivência corporativa é uma outra coisa.

É óbvio que, para um processo de coaching executivo, se você tiver uma experiência corporativa, ela vai cooperar para o seu trabalho, para o desenvolvimento do seu trabalho. Sem dúvida alguma, mas não que eu tenha de me apoiar 100% na minha experiência corporativa para falar sobre um processo de coaching.

[NÉLSON] Até mesmo porque não é necessário que isso aconteça dessa maneira.

[SULIVAN] Exato.

[NÉLSON] O profissional pode se dirigir para um trabalho pessoal, personalizado, individual e não necessariamente corporativo, até porque é maior afinidade dele, ele tem uma relação maior de afinidade com o trabalho pessoal dentro das relações íntimas da pessoa.

Ele não quer trabalhar o corporativo por uma questão de escolha, não é nem por competência. O coach, o profissional, pode trabalhar as suas estruturas principalmente se ele tiver formação para o coaching executivo.

[SULIVAN] Perfeitamente.

Então só recapitulando, Nélson, as cinco dicas que demos hoje para você que está procurando um profissional de coaching ou para você que de repente está fazendo uma formação em coaching ou está procurando uma formação em coaching.

Se o coach diz ser coach, mas faz consultoria.

Se, no coaching, o profissional que você está procurando tem ausência se formação.

Se ele não é vinculado a nenhuma organização.

Se ele se recusa a oferecer referências do seu trabalho, falar de seus clientes.

Se o coach afirma que a experiência corporativa é sua principal credencial.

Isso não tem nada a ver com coaching.

Lembrando que nós falamos também do coaching erikssoniano, que é uma grande brincadeira de mau-gosto.

É ou não é, Nélson?

[NÉLSON] Perfeito. É isso aí.

[SULIVAN] Encerrando o nosso tema de hoje, agora vamos para a Dica do Professor. E aí o professor Nélson Sartori vem com a dica do dia.

DICA DO PROFESSOR

[NÉLSON] Vamos lá.

Pessoal, eu vou falar um pouquinho sobre uma estrutura de lógico dentro da ortografia. As pessoas estão acostumadas a decorar regra a vida inteira e muitas vezes não entendem a lógico.

Vou dar um exemplo bem básico para nós com algumas palavras que existem dentro do nosso vocabulário, que são palavras quase que naturais do Brasil, aquelas palavras que nasceram aqui.

Que palavras são essas?

As palavras de origem tupi-guarani e palavras de origem africana. São palavras que foram escritas pela primeira vez, já que aqueles que produziram essas palavras não escreviam, a escrita não fazia parte de sua cultura.

Vamos imaginar o seguinte. Eu tenho de escrever uma palavra que nunca foi escrita antes.

Qual é a lógica?

É que eu use o melhor arranjo de palavras existentes.

Por exemplo, eu tenho palavras que podem produzir o som já, jé, ji, jó, ju. O som.

Qual a melhor letra para poder construir essa estrutura?

O "J". Com o "J", eu posso trabalhar tudo isso.

Apesar de ter palavras com esse som que eu posso usar o "G". Por exemplo, "gelo", eu escrevo com "G" e tem som de "J".

Qual foi a lógica empregada dentro dessas linguagens?

Temos palavras que tanto podem ser escritas com "G" e com "J", mas eu vou usar a melhor escrita para poder criar uma palavra nova.

O que eu posso dizer que foi a lógica dentro do tupi-guarani e da língua africana?

Tudo aquilo que tem o som "G" é escrito com "J". Tudo aquilo que tem o som "gue" é escrito com "G".

Por exemplo, "guaraná" tem o som "gue": é escrito com "G". Mas "pajé", "jiló", "jibóia" são palavras que têm o som "G", esse som "gi", só que tem de ser escritas com "J" pelo é a melhor construção.

Qual é o fechamento disso?

Palavras de origem tupi são sempre escritas com "J". Quando você não puder escrever com "J" é porque ela na verdade é com "G".

Por exemplo, "pajé". Todo mundo sabe que pajé é o sacerdote da tribo indígena. Se você for a nossa galeria Pagé aqui em São Paulo, você vai descobrir que ela é escrita com "G". Sabe por que ela é escrita com "G", Sulivan?

[SULIVAN] Não faço a menor ideia.

[NÉLSON] É porque é pirata.

[SULIVAN] [risos]

[NÉLSON] Aquilo lá é falso. "Pajé" é com "J".

É isso aí.

[SULIVAN] Boa, Nélson!

Está aí a Dica do Professor da semana.

Excelente dica, Nélson. Gostei. É pirata.

[NÉLSON] É lógico.

Agora com vocês o Minuto do Coaching, com Sulivan França.

[SULIVAN] Em cima da Dica do Professor, vamos deixar uma pergunta para reflexão do ouvinte ao longo dessa semana, ou ao longo dessa Páscoa.

O QUE VOCÊ TEM FEITO PARA GERAR MAIS DESENVOLVIMENTO NA SUA VIDA?

Fica a pergunta. Pense sobre isso.

Acesse o nosso site acertarehumano.com.br. Conecte-se nas redes sociais com acertarehumano.com.br.

Daqui a pouco o programa estará lá disponível para que você possa ouvir, caso você tenha pego o programa pela metade. Se quiser repetir, repita o programa, escute mais uma vez.

[NÉLSON] Quantas vezes quiser.

[SULIVAN] Compartilhe.

Como sempre dizemos, se gostou, indique para os amigos, se não gostou...

[NÉLSON] ...Indique para os inimigos porque audiência é sempre boa.

[SULIVAN] Exatamente.

E não deixe de indicar.

Grande abraço a todos!

Excelente Páscoa.

Até quinta-feira.

[NÉLSON] Grande abraço!

Bom dia a todos.

Até mais!

♪ [tema acertar é humano] ♪

Você ouviu pela Mundial o Programa Acertar é Humano. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori. Uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil.

Outros Podcasts

038 - Programa Acertar é Humano: de 11/12/2014

#038

O apresentador Nélson Sartori recebeu, no Programa do dia 11/12, a coach educacional e professora Luciane Sartori que deu dicas para quem começa a se preparar para investir na carreira em 2015. Na “Dica do Professor”, foi a convidada Luciana Sartori que explicou os significados das palavras “infringir e infligir”.

037 - Programa Acertar é Humano: de 04/12/2014

#037

No Programa do dia 04/12 o professor Nélson Sartori abordou o tema “Qual o segredo das pessoas ricas e bem-sucedidas?” Durante o Programa o professor falou sobre o resultado de uma pesquisa realizada com pessoas que alcançaram esse estatus. O que eles fizeram para chegar lá? Para finalizar o professor Nélson deixou uma pergunta para reflexão do ouvinte e na “Dica do Professor” ele falou sobre o uso do S e do Z.

036 - Programa Acertar é Humano: de 20/11/2014

#036

Os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram no programa, do dia 20/11, o tema “Motivação”. O que é motivação? O que faz com que você levante pela manhã em busca de uma ação? Sua meta está alinhada aos seus valores? O que lhe motiva? Na “Dica do Professor, Nélson Sartori explicou o significado da expressão “Sangria Desatada”. No “Minuto do Coaching” o Master Coach Sulivan França deixou uma pergunta para reflexão do ouvinte.

035 - Programa Acertar é Humano: de 13/11/2014

#035

No programa do dia 13/11 o professor e apresentador Nélson Sartori falou sobre “Hábitos”. Como algumas manias podem agregar ou trazer dificuldades à rotina? Qual o efeito em nossas vidas ao obter hábitos positivos? Para fechar o programa Nélson deixou a pergunta no “Minuto do Coaching” e, em seguida, na “Dica do Professor”, explicou a diferença e o uso correto de “mais e mas”.

034 - Programa Acertar é Humano: de 06/11/2014

#034

O apresentador Nélson Sartori falou sobre o tema “Diversidade Cultural”. Durante o programa do dia 06/10, ele citou a importância da pluralidade cultural do Brasil. Para finalizar o programa, o professor Nélson lançou a pergunta do “Minuto do Coaching” e na “Dica do Professor” explicou a expressão “A rua da amargura”.

033 - Programa Acertar é Humano: de 30/10/2014

#033

O tema discutido no Programa do dia 30/10 foi “Desempenho no trabalho”. Os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori deram 5 dicas para aumentar o desempenho no trabalho. No final do programa, na “Dica do Professor”, Nélson Sartori explicou a expressão “Cair nos braços do Morfeu” e Sulivan França deixou a uma pergunta para o ouvinte no “Momento do Coaching”.

032 - Programa Acertar é Humano: de 23/10/2014

#032

No dia 23/10 os apresentadores do Programa Acertar é Humano discutiram a questão da “Intolerância” e as muitas divergências causadas quando não há o respeito das opiniões alheias, seja na política, na sociedade, etc. Na “Dica do Professor”, Nélson Sartori respondeu uma questão de um ouvinte: “O que significa bode expiatório?”. E para finalizar, o Master Coach Sulivan França lançou uma pergunta aos ouvintes no “Minuto do Coaching”

031 - Programa Acertar é Humano: de 09/10/2014

#031

No Programa do dia 09/10 o apresentador Nélson Sartori abordou o tema “Conflito” juntamente com a convidada e Master Coach Tália Jaoui. Durante o programa eles discutiram sobre o conceito de diálogo, debate e discussão. No “Minuto do Coaching” Tália lançou uma pergunta reflexiva aos ouvintes: “O que você ganha e o que você perde quando entra em um combate, embate? E pra finalizar, o professor Nélson explicou o conceito do termo “Feito na coxas”, na “Dica do Professor”.

030 - Programa Acertar é Humano: de 02/10/2014

#030

No Programa do dia 02/10, o apresentador Nélson Sartori bateu um papo com a Master coach Tália Jaoui que também é apresentadora do programa Conexão Comportamento pela TV UOL. Tália falou sobre sua experiência como formadora de novos coaches e como apresentadora. Na “Dica do Professor” Nélson Sartori explicou de onde surgiu o termo “rodar a baiana”.

029 - Programa Acertar é Humano: de 25/09/2014

#029

Em 25/09 os apresentadores do Programa Acertar é Humano falaram sobre “Oportunidades”. O que está se abrindo para você que você pode se beneficiar? E quais são os riscos e ameaças que estão presentes na sua vida? O professor Nélson Sartori explicou a expressão “Dar uma canja” na “Dica do Professor” e, para finalizar, o Master coach Sulivan França deixou uma reflexão para os ouvintes no “Minuto do Coaching”.

028 - Programa Acertar é Humano: de 18/09/2014

#028

No Programa Acertar é Humano de 18/09 os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram o tema “O que nos movimenta?” Quais são nossos pontos que têm o papel de uma alavanca em nossas vidas? E quais são os pontos que precisa de melhoria? Na “Dica do Professor” Nélson Sartori explicou sobre o significado da expressão “araque”.

027 - Programa Acertar é Humano: de 11/09/2014

#027

Em 11/09 os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram o tema “Inovação”. Para incrementar a discussão os locutores receberam no estúdio o empresário Raphael Ribas, que deu dicas para quem quer inovar. Para finalizar o Programa o Master Coach Sulivan França, lançou a pergunta do “Minuto do Coaching” e na “Dica do Professor”, Nélson Sartori explicou a expressão “da pá virada”.

026 - Programa Acertar é Humano: de 04/09/2014

#026

No Programa Acertar é Humano do dia 04/09 os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori falaram sobre “Modelo Mental”. O que motiva as pessoas a saírem do estado de estagnação e mudar o rumo de suas vidas? O Programa também contou com a participação especial de Carla Binsfeld. Na parte final Sulivan França lançou a pergunta do “Minuto do Coaching” e na “Dica do Professor”, Nélson Sartori explicou o significado da expressão “preto no branco”.

025 - Programa Acertar é Humano: de 28/08/2014

#025

No último Programa do mês de agosto (28/08) o apresentador Nélson Sartori abordou o tema “Coaching, educação e sustentabilidade”. Qual a importância do trabalho do coaching para a educação do nosso país? O professor no papel de coach sendo questionador e estimulador do aluno.

024 - Programa Acertar é Humano: de 14/08/2014

#024

Em 14/08, no Programa Acertar é Humano, os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram o tema: “Inteligência Emocional e os fatores que podem contribuir positiva ou negativamente para a nossa vida”. Durante o programa foram discutidos seis tópicos para explicar o que é ter Inteligência Emocional. Na “Dica do Professor”, Nélson Sartori falou sobre o uso dos “parênteses”. E, finalizando, Sulivan França comentou sobre o “Minuto do Coaching”.

023 - Programa Acertar é Humano: de 07/08/2014

#023

No Programa Acertar é Humano do dia 07/08 o professor Nélson Sartori abordou o tema Inteligência Emocional. Tudo acontece perante uma atitude mental positiva. Todo o sucesso da vida inicia-se com o pensamento. Saber lidar com as emoções e sentimentos de uma forma racional é ter Inteligência Emocional. No final do programa, na “Dica do Professor” Nélson falou sobre o uso do verbo “morrer”, e lançou a pergunta no “Minuto do Coaching”.

022 - Programa Acertar é Humano: de 31/07/2014

#022

O Programa Acertar é Humano do dia 31/07 os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori fizeram um programa especial sobre o tema Coaching. Qual é o foco do processo de coaching? Autoperformace, estratégia, planejamento foram alguns dos assuntos abordados dentro desse tema. Na “Dica do Professor” Nélson Sartori falou sobre o uso da vírgula. Para finalizar Sulivan França deixou uma questão para o ouvinte no “Minuto do Coaching”.

021 - Programa Acertar é Humano: de 24/07/2014

#021

No Programa do dia 24/07 os apresentadores abordaram o tema “Os 7 Pontos de alavancagem”. Foram debatidas dicas para impulsionar o negócio do novo empresário. Através de perguntas e análises os apresentadores levaram aos ouvintes dicas preciosas para alavancar o novo empreendedor em seu mercado. Na “Dica do Professor”, Nélson Sartori falou sobre o superlativo, já no “Minuto do Coaching” o master coaching Sulivan França lançou uma pergunta provocativa para a reflexão dos ouvintes.

020 - Programa Acertar é Humano: de 17/07/2014

#020

“A segunda carreira”. Esse foi o tema do Programa Acertar é Humano do dia 17/07. Como encontrar uma segunda carreira. Existe uma idade certa para ter o desprendimento para migrar para uma segunda carreira? O que essa outra opção de carreira oferece como perda e como ganho? Essas são algumas das questões levantadas pelos apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori. Na parte final do Programa o professor Nélson respondeu a dúvida de uma ouvinte que questionou o significado da expressão “engolir sapo”. Já o master coach Sulivan lançou a pergunta no Minuto do coaching.

019 - Programa Acertar é Humano: de 26/06/2014

#019

No dia 26/06 o tema abordado no Programa Acertar é Humano foi "Carreira". Os apresentadores responderam perguntas dos ouvintes sobre a formação de um coach - investimento, retorno e mercado em geral. Como o coaching pode influenciar qualquer carreira. Na “Dica do Professor”, Nélson Sartori explicou a expressão popular "eira nem beira". E para finalizar o programa, o master coach Sulivan França deixou uma reflexão sobre carreira no "Minuto do Coaching".

Programa Foco e Gestão com Sulivan França

De segunda a sexta
9:00 - 18:00

+55 (11) 3670-1770

info@slacoaching.org

Av. Marquês de São Vicente
576 - SP

Sociedade Latino Americana de Coaching

+55 (11) 3670-1770
info@slacoaching.org

brasil
São Paulo - Brasil
Centro de Treinamento
Av. Francisco Matarazzo, 1.350
Água Branca - Cep: 05001-100
brasil
São Paulo - Brasil
Sede Administrativa
Av. Marquês de São Vicente, 576 - 17° andar
Barra Funda - CEP: 01139-002
CNPJ: 15.229.739/0001-47
chile
Santiago - Chile
Oficina
Suecia 42, Oficina 02
Teléfono: +56 2 2632 5042
peru
Lima - Peru
Oficina
Plaza Ricardo Palma 107 - San Borja
Teléfono: +51 980 037 494
colombia
Cartagena - Colômbia
Oficina
Cr 3 6A Esq. Ed. Jasban 407 - B/Grande
Teléfono: +57 5 655 03 01

Conteúdo Registrado ®
Todos os Direitos Reservados
Cópia Proibida.

Preencha o formulário, que entraremos em contato na data escolhida!