O absenteísmo vem sendo alvo de atenções e preocupações de empresários, executivos e médicos do trabalho. Se do ponto de vista empresarial influi negativamente no balanço econômico, também sob ponto de vista médico, seu estudo deve representar importante tarefa de um serviço de medicina ocupacional, considerando-se que seu conhecimento pode definir e conduzir a uma política de alto significado social.
Hoje, a conformação do ambiente de trabalho ainda não atende a condições físicas e mentais de trabalho percebidas como satisfatórias pelos trabalhadores, causando afastamentos e altos índices de absenteísmo nas empresas.
Como identificar as causas de absenteísmo?
O que fazer para reduzir?
Abaixo, seguem alguns fatores que contribuem para o absenteísmo - uma das grandes preocupações das organizações.
1. É comum ver ‘’líderes’’ despreparados e isso já se tornou bastante comum. Como não damos a devida importância para a busca pelo equilíbrio esse despreparo vai criando raízes. Com isso os ‘’líderes’’ acabam afastando os liderados, perdendo a oportunidade de conduzir a equipe aos bons resultados. O despreparo faz com que utilize o cargo para delegar de maneira arbitrária.
Como o Coach é 100% focado na solução. Temos que levá-lo a desenvolver de forma sempre reflexiva e de autoconhecimento a identificar os pontos fortes e fracos que ele possui.
Uma das opções é aplicar o feedback 360, onde a equipe o avalia e ele pode fazer o mesmo. Isso trará observações que podem ser utilizadas para identificação do que tem que ser discutido entre líder e liderados. Assim algumas perguntas podem ser feitas ao líder. Usando essa ferramenta de forma consciente o resultado pode ser positivo. O uso indevido levará a uma ação positiva, mas com resultados negativos.
2. A falta de infraestrutura adequada, que dê suporte ao colaborador para exercer suas atividades também pode ser considerada como fator que contribui para o absenteísmo. Quem gosta de estar em um local de trabalho e se sentir de "mãos amarradas", pois não dispõe de recursos mínimos para cumprir com suas responsabilidades.
O Coach pode trabalhar com estes colaboradores com a missão de buscar resultados para ambos os lados, tanto para o colaborador quanto para o empregador. Através de questionamentos que o tragam para refletir sobre a avaliação do que pode ser melhorado, o que seria sentir-se de ‘’mãos amarradas” para ele? O que ele precisa para cumprir com as suas responsabilidades?
Sempre devemos buscar entender a visão do outro sem induzir ou fazer juízo de valor. A boa comunicação entre o coach e o colaborador pode evitar decisões precipitadas dentro de uma organização. Isso trará resultados para ambas as partes e o resultado pode ser positivo.
3. O estabelecimento de metas serve como um norte, para que o profissional saiba onde precisa chegar e atender às expectativas da organização. Contudo, quando as metas estabelecidas parecem ser impossíveis de serem alcançadas pelo colaborador, ele pode sentir-se oprimido e impelido a fugir do ambiente de trabalho. Em alguns casos, as pessoas preferem faltar a lidar com uma situação de alto nível de estresse.
Uma situação como essa devemos buscar entender o colaborador. Na maioria das vezes é um ótimo membro do time que bate todas as metas, supera resultados e de repente começa a ter um baixo desempenho. Substituí-lo deve ser a última opção!
Se o colaborador se sentir oprimido e impelido a fugir do trabalho, faça a seguinte pergunta – O que você fez quando enfrentou um momento parecido como este? O que você faz bem? Para quais recursos únicos você pode recorrer para superar essa dificuldade? E para que ele relembre o bom profissional que é faça-o relembrar as suas fortalezas com a seguinte pergunta – Quais fortalezas os seus colegas de trabalhos lhe atribuem? 
Levar nosso colaborador a identificar o que o limita e como ele pode superar isso é um grande ato de liderança e isso nunca mais sairá da memória dele.
4. A ausência de uma política clara de ascensão interna também pode contribuir para o absenteísmo. Suponhamos que o mercado passe por uma fase delicada e a empresa precise fazer algumas mudanças internas. Se não existir um diálogo com o público interno, logo os colaboradores começarão a imaginar possíveis demissões que nunca irão acontecer. Isso fará com que alguns se sintam desestimulados a cumprirem com os horários, afinal podem ser os próximos da "lista negra".
Comunicação clara e objetiva é a chave para toda organização resolver esse tipo de boato e medo. O gestor coach tem o dever de comunicar a equipe, sempre com feedbacks e mostrando segurança para que esses fatores não tomem conta da equipe e os deixe desmotivados.
5. Quando o clima organizacional é pesado, isso impacta no comportamento das pessoas que tendem a se sentirem desmotivadas. Quem nunca ouviu um profissional falar algo do tipo: "Quando penso em acordar e ir para aquele lugar pesado, todos os dias... Prefiro arrumar uma desculpa e ficar em casa".
Certa vez na certificação de coaching uma pergunta surgiu para alguém que estava com essa mesma energia – Qual é o real motivo que o leva a levantar todos os dias?
Como costumo dizer ‘’nós somos agentes de mudança’’ e quando o ambiente não favorece e desmotiva o que temos que fazer é buscar recursos internos que de maneira positiva afetarão o ambiente externo. O que tem desmotivado você no ambiente de trabalho? Olhando para a sua equipe. O que pode ser um clima organizacional motivador? Você falou que prefere arrumar desculpa e ficar em casa do que ir para esse lugar pesado. Mas o que você faria para torna-lo agradável e que iria favorecer também aos seus colegas de trabalho?
O foco aqui é acordar o líder que tem dentro do colaborador, mostrar que ele é um agente de mudança. Não aponte os erros, mas faça-o enxergar o quanto ele pode ser útil se pensar de forma coletiva e com foco em tonar o lugar de trabalho em motivação de sobra para acordar e ir executar o que faz de melhor. Colaborador de bem com a vida fora e dentro da organização produz melhor!
6. Quando não há feedback do líder para o liderado, o colaborador perde a noção do que a empresa espera dele e muitas vezes se existe a possibilidade de desenvolver novas competências que o façam ascender internamente. Lembremos aqui que os talentos buscam desafios a cada momento e muitos não se adaptam à zona de conforto.
O líder tem que ter olhos de gavião para enxergar os colaboradores camaleões. Todos querem avançar, subir degraus e o agente facilitador dessa ação e o líder, o gestor. 
O feedback é tão importante pelo fato de em uma simples troca de conversa ideias podem aparecer, novas maneiras de executar um determinado trabalho que dura cinco minutos e passará a dois minutos. Uma nova ferramenta prática trará economia.
Veja que o feedback deve existir semanal ou mensalmente dentro da organização. Assim todos ganham! O gestor mostra ser um verdadeiro facilitador e com dom de enxergar os camaleões da equipe e por sua vez o colaborador se sente valorizado.
Pense nisso. Ser líder é estar com quem é mais inteligente que você e saber como usar os conhecimentos dele para promover alavancagem profissional.
O absenteísmo também aumenta quando o ambiente prejudica e a saúde do profissional, levando-o a adoecer e se afastar por doenças ocupacionais. O funcionário pode até tentar trabalhar adoentado, mas chegará o momento em que seu corpo pedirá socorro e isso pode comprometer tanto a integridade dele, como dos demais colegas de trabalho.
O Coach tem o olhar voltado para o estado de satisfação, busca fazer com que a organização tenha sucesso com o equilíbrio de vida pessoal e profissional do colaborador. E nesse equilíbrio está a saúde mental, e física. Através de perguntas de satisfação e de observação tanto colaborador quanto o gestor podem ter a visão de que mente e físico devem estar em primeiro lugar. Uma das ferramentas a ser utilizadas é a Avaliação de Estado Atual com Membros da Equipe e a Matriz de Gestão da Mudança. Onde levamos o líder e/ou colaborador e escolher o que MANTER dentro do que foi falado na sessão, o que TRANSFORMAR, o que REALÇAR e o que ELIMINAR. Isso trará uma visão prática e direta para as melhorias futuras trazendo assim saúde mental e física para todos da organização.
O que podemos dizer do que foi descrito aqui? O processo de coaching trabalha dentro e fora da organização possibilitando reduzir o absenteísmo. Como?
Sempre colhemos informações e nunca um Coach estará satisfeito com as informações trazidas pelo cliente. Desconstruímos pensamentos que levam a conflitos e desmotivação. Identificamos limitações que muitas das vezes passam despercebidas e nos levam a perder financeiramente e/ou mão de obra qualificadas. E por fim sempre temos o nosso plano de ação para o cliente, pois criamos novas opções e escolhas que podem trazer resultados positivos com base sólida em atitudes positivas.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.