Ser alguém na vida
As coisas começaram a dar errado quando tive que escolher qual curso fazer na faculdade. Como pedem para uma adolescente com 17 anos escolher o que quer da vida? Na verdade, a pressão começou aos 14, quando disseram “agora é o ensino médio, hora de pensar no que fazer, estudar para o vestibular e ser alguém na vida.”

O que é ser alguém na vida? Ter um bom emprego? Na minha opinião, ser alguém na vida é questão de estar. Estou no mundo, então sou alguém na vida. 

Nunca entendi muito bem o que as pessoas queriam dizer com isso, mas a gente vai tentando se encaixar naquilo que nos fazem acreditar e, quando damos conta, saímos do controle e ultrapassamos nossos limites.

Surgem todos aqueles dados com porcentagens assustadoras de quantos jovens estão em depressão e de como o mundo desandou nos últimos anos. De quem é a culpa? Fiz exames de aptidão, mas não queria tomar uma decisão baseada em um teste múltipla escolha. Queria decidir pelos meus gostos, por tudo aquilo que eu sentia.

Você já ouviu uma música que toca tanto o seu coração, que a cada nota a sensação de como se fosse uma vibração em todo o seu corpo para cada tom dela? É assim comigo. Quando ouço alguém cantar, quando vejo uma peça de teatro, ainda que cômica, eu tenho vontade de chorar. Acho lindo dar vida a uma vida não existente. Vai entender! 

Então decidi que queria viver uma vida a cada peça, sonho que, mais tarde, eu deixaria de lado porque a arte era suficiente somente para mim. Minha vó sempre falou que eu seria a artista da família! Ela fala isso até hoje, mas como dizem por aí avó não conta, porque ela vê graça em tudo que fazemos. 

Se eu disser que sou atriz, ela sorri e acredita, pois para ela não existem limites, é tudo crença limitante. Ela tem 74 anos e continua realizando sonhos! Dia desses ela fazia aula de artesanato, e muitas das coisas que ela gostaria de ter feito quando moça foram deixadas de lado porque a família não tinha condições. 

Logo mais tarde ela casou e teve que dedicar o resto dos anos aos filhos que viriam em seguida, tornando-os prioridade. Após formar todos os seus filhos, ela voltou a sonhar, fez flores e enfeitou a casa inteira. 

Eu via sorrisos em cada vaso novo que ela montava. Ali vi um motivo para resistir: Não importa se você tem 14 ou 70 anos. Nunca é tarde para fazer o que se ama. 

Busque suas metas, trabalhe para elas.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.