Seja você médico, comerciante ou metalúrgico, com certeza ouviu esta pergunta inúmeras vezes lá na sua infância: O que você vai ser quando crescer?

Esta pergunta feita a uma criança, geralmente traz algumas dúvidas, muitas buscam a sua volta encontrar referências, talvez a profissão do seu pai, da sua mãe ou um tio. Pensemos um instante sobre o efeito que esta simples pergunta causou em nossas vidas.

Ao parar para analisar essa questão, podemos ter algumas sensações que jamais tivemos, pois, o universo em que ela foi feita já não existe mais, pois como dizem: “Um homem nunca entra no mesmo rio duas vezes, pois assim como as águas do rio não são mais as mesmas, o homem também não. ”

A criança que respondeu esta pergunta e se manteve fiel à resposta, tornou-se o resultado dela, mesmo que isto tem lhe causado alguma dor ou sofrimento, mesmo que esta decisão tenha sido somente para agradar ao seu interlocutor, podendo ter criado uma zona de conforto para justificar-se.

Ao pensar nas pessoas que me faziam esta pergunta, lembro da minha mãe e dos meus tios em longas tardes de domingo, todos nós reunidos na sala da casa da minha avó, depois de um almoço memorável, e então logo vinha a pergunta de 1 milhão de reais (na época a moeda era o cruzeiro) e minha primeira resposta foi enfática: “Quero ser lixeiro! ”

Não consigo imaginar a cara de cada um na sala, ouvindo a pessoa onde todas as fichas estavam sendo depositadas como o grande vencedor, sendo a esperança de toda a família para o sucesso profissional (eu tinha 6 anos na época), mas me lembro da força tarefa montada, para me persuadir a encontrar outras respostas certas.

Assim sendo, começaram a me apresentar possibilidades de escolha, como por exemplo engenharia, direito e administração. Refletindo hoje sobre estas ações que ocorreram tempos atrás, sinto muita gratidão pela atenção e preocupação destas pessoas queridas para mim, que verdadeiramente me apoiaram durante toda a vida.

Agora como estamos hoje? Continuamos a dar esta importância aos pequenos, nos preocupamos com seus sonhos, seus desejos? Alimentamos esta capacidade humana maravilhosa que é sonhar? Sem sonhos, sem motivadores positivos, sem coragem, chegamos a triste estatística que nos mostra que atualmente mais de 80% das pessoas estão infelizes em suas carreiras.

O grande alívio é que não precisamos continuar assim para sempre. Podemos e devemos buscar por esta realização, encontrar o real sentido da vida, aquele propósito que responde à pergunta “qual é a minha missão? ”.

Esta resposta está aí, dentro de você! Um simples desejo sincero de encontrar-se, desencadeará todas as ferramentas de busca ao mesmo tempo, e você sentirá a vida fluir novamente, a energia avassaladora que é traduzida na grande alegria de se saber quem eu sou, porque estou aqui.

Deixará instantaneamente de ter as síndromes da segunda-feira, de acordar cansado depois de dormir por 8 horas ou mais. Eu tenho certeza que a resposta está dentro de você.

E como eu sei disso? Eu fui lá e fiz! Saí da minha zona de conforto (que estava bem desconfortável), e sabia que existia algo depois do túnel escuro, e que era para mim!

Encontrei então o Coaching, esta metodologia fantástica, com base científica, criada para me auxiliar a atingir os meus objetivos, sem fazer julgamento de valores, trabalhando meu estado atual e me levando para o estado desejado, por caminhos que eu mesmo construo, com:






Imagino que você ainda esteja intrigado e se perguntando porque que é que alguém quer ser lixeiro. Hoje eu posso responder, e era por dois grandes valores pessoais que eu tenho: ajudar o próximo e liberdade.

Ajudar o próximo a tirar aquele incômodo da frente da casa e levar embora, e a liberdade de estar correndo na rua.

Esses valores, adicionados a outros, continuam a governar minha vida, agora com entendimento, conhecimento e sendo ferramentas essenciais para atingir o meu maior potencial: Ser Feliz!

Você pode estar se perguntando se também pode encontrar sua missão, e como fará.

Minha dica é: pare por alguns minutos agora, vá e faça!



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.