O repertório de promessas é o mais variado, mas as mais comuns são: perder peso; ter uma vida mais saudável; economizar dinheiro e organizar as finanças. Em geral, ainda, se promete cumpri-las logo nos primeiros dias do ano. Contudo, passada a euforia da virada, o que acontece com essas resoluções de vida?

Assim como o final do ano, o início também tem as suas armadilhas e distrações típicas, que logo se apresentam. São os dias ensolarados típicos do verão; as férias do trabalho e as escolares; as viagens; os encontros com os amigos e, ainda, o Carnaval.

Daí, quando menos se percebe, o peso adquirido nas festividades típicas do fim do ano se acumula aos excessos do início; a vida saudável dá lugar ao “aproveitar a vida”; o dinheiro que entrou mal paga o IPTU, o IPVA, o material escolar e a fatura do cartão de crédito, quando chega, acaba com a inicial previsão financeira para o período.

Por que isso acontece?

Na maior parte dos casos as promessas feitas são vagas ou ilusórias e não condizem com o quanto as pessoas estão prontas ou dispostas a concretizá-las. Além disso, essas novas metas, quando somadas aos compromissos preexistentes, se tornam incompatíveis com a realidade do dia a dia das mesmas.

Além desses, há uma pequena parcela que, animada com a expectativa de mudança, inicia o cumprimento das promessas, mas de todas ao mesmo tempo. Contudo, quando o despreparo se revela notório, o sentimento de fraqueza ou fracasso se transforma no de impotência, que pode ser revisitado a cada nova tentativa.

Então, como agir diferente e fazer parte do seleto grupo que cumpre com as promessas de fim de ano?

Algumas dicas para o êxito:

1.  Transforme promessas em metas palpáveis, não em expectativas ilusórias e infundadas. Assim, seja sincero consigo mesmo; estabeleça as prioridades e adote uma estratégia adequada à sua realidade e capacidades;

2.  Gerencie o seu tempo; mantenha-se fiel ao programa e não caia nas armadilhas das distrações – elas são inimigas da produtividade;

3.  Não espere que os resultados desejados apareçam de imediato e não se cobre neste sentido. Tenha em mente que toda mudança real e permanente é fruto de dedicação e persistência;

4.  Diante de tentações, coloque na balança suas perdas e ganhos. Porém, caso um deslize aconteça, não desista! Reflita sobre o que foi feito; o motivo; as circunstâncias; como você se sentiu - antes e depois -; tire o máximo de lições possíveis e já projete como reverter as consequências; e

5.  Aproveite o ânimo com os votos do início do ano, mas não se esqueça de renová-los constantemente.

Conferir sustentabilidade às pequenas e grandes mudanças realizadas, faz com que meras promessas de fim de ano rompam as barreiras de “velhos hábitos” e se tornem permanentes na vida.




Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade da autora identificada abaixo.

  0   0

Thais Oliveira Neto

Life Coach

Graduação em Direito - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Pós-Graduação em Direito - Centro de Estudos, Pesquisa e Atualização em Direito (CEPAD); Educação Continuada em Direito - Escola de Direito do Rio de Janeiro da Fundação Getulio Vargas (FGV) e Formação em Personal & Professional Coach - Sociedade Latino Americana de Coaching (SLAC).