Os episódios que acontecem no Brasil estão extremamente de arrepiar qualquer ser humano, sendo digno de um bom seriado. Diariamente uma novidade ou notícia que se ramifica na outra, e quando pensamos que as operações da Justiça brasileira já têm seus alvos estabelecidos aparecem novos elementos para serem investigados.

O mal do país está ficando bem nítido, e as chagas estão por conta de políticos corruptos sem moral alguma, travestindo-se de paladinos da justiça. Fica claro que o desafio não é mais manter o dinheiro sobre a posse dos articuladores ardilosos de Brasília, e sim a manutenção às escondidas de um poder nefasto, onde sabemos quem vive a prisão perpétua do sistema político-econômico.

Será que estamos vivenciando momentos de grandes transformações?

Alguns pensadores admitem que as manobras de manipulação social entre direitistas e esquerdistas são as mesmas e, na maioria das vezes, somos obrigados a concordar. A diferença é que quem defende o capital não nega suas justificativas, demonstrando quais são seus reais interesses. 

Já os famosos comunistas conseguem ser defensores de uma igualdade social, mas no bolso querem viver as benesses do mundo capitalista. Sabemos que temos alguns exemplos. É como, se a nossa coerência precisasse aceitar que justiça social só existe com ideologias partidárias. Mas acredito que para muitos a ideia de sermos justos socialmente depende muito mais de educação e caráter a termos que nos submeter aos manipuladores que se escondem em discursos vazios para manter o Status Quo.

O Brasil não é Bangu-1 para ter esse tratamento de sensacionalismo constante, nem para vivenciarmos todos os dias a roubalheira, qual desconfiávamos que existia, porém agora está vindo à tona pelas nossas vistas. 

Uma cadeia de acontecimentos de cima para baixo e vice-versa. O nosso país com certeza é o primeiro que conseguiu assistir corruptos se inocentarem com birras mimadas direcionadas ao judiciário. Uma novela, em que a maior parte do povo só tem acesso em 30 minutos de um jornal à nível nacional. 

E, quem dera que ficássemos muitos estarrecidos com essa situação, quando se percebe uma porcentagem populacional que vive entre estar anestesiada e aguerrida que nem o enredo de Saramago, no seu nobre livro “O Ensaio Sobre a Cegueira”.

Assim, ainda preferimos ficar com as pessoas honestas que acordam para garantir o PIB desse país. Sabemos que tudo isso é indiferente de quais sejam as classes sociais ou profissões. São garis, empregadas domésticas, professores, arquitetos, empresários e tantos outros, que de forma lícita constroem um Brasil, e que têm a intenção de deixar para seus filhos e netos. 

Até porque nossa vida não é um seriado da Netflix, para que achemos que toda forma de justiça aconteça apenas com enredos de mortes, traições e corrupções gigantescas que vem afetando o nosso país. É apenas uma questão de conscientização. Existem sim outros meios para se fazer uma nação decente.

Que o Amor Sempre Vença!



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.