Existe a possibilidade de duas coisas contrárias andarem juntas? Certamente que NÃO! Caminhos contrários são estradas opostas. Por isso quanto mais amarmos menos medo temos, e quanto mais medo tivermos menos coragem teremos para demonstrar nosso amor, e isso acabará nos afetando. É incrível como uma simples definição pode mudar o nosso ponto de vista. A dificuldade de muitas pessoas que não se sentem felizes com as suas vidas está diretamente ligado ao MEDO. O medo nos inibe, reprime, nos deixa retraídos e inquietos.

Tudo que vivemos hoje relacionado aos nossos sentimentos, se está gostando ou não, foi desenvolvido pela sua condição de pensamento, por isso é necessário existir um descondicionamento da sua mente de todas as ideias que não tem a ver com você e que te gera um conflito interno todos os dias. Esse conflito interno é causado pelo medo. Não se pode servir a dois senhores ao mesmo tempo, por isso se escolhermos doar as nossas emoções ao medo só nos distanciaremos da felicidade em amar (no mais amplo sentido da palavra) e continuaremos a andar por essa estrada do medo onde parece haver apenas tristeza e solidão. O amor une, enquanto o medo separa. Amar a vida é muito mais do que ter os nossos objetivos concretizados. Amar a vida é poder estar com sentido de felicidade plena e se lutarmos para acabar com o medo seremos cada vez mais unidos com as alegrias que ela nos reserva.

O problema de você ser alguém que você não é, seja por seguir uma carreira por conta da influência dos parentes, amigos e sociedade (não querendo e só faz para agradá-los) ou por você querer constantemente satisfazer todas as pessoas ao seu redor (o que torna impossível por querer viver só em função delas) é que isso só te levará a um caminho de frustração, porque não existe satisfação numa vida assim.

O que você É e o que você NÃO É não são conciliáveis. São caminhos opostos como o amor e o medo. Muitos passam toda a sua história adquirindo pensamentos e emoções que fazem ter sensações que não são delas. Criam um personagem e ficam atuando através desse personagem e isso gera muito conflito interno. Porque esse personagem que assumem como "eu" gera conflitos simplesmente pelo fato dele ser uma mentira sobre quem você é, alguém contrário a sua essência. Esse personagem faz com que você tenha falas, ações, reações que você mesmo não concorda, e acabam buscando algo que seu personagem quer e não você, porque o medo as reprime de decidir querer seguir com o que os faz felizes.

Você só será feliz depois de descobrir quem você realmente é, mas pra entrar em contato com o que você realmente é, é necessário fazer uma grande limpeza na mente e retirar tudo que não existe sobre você. Com a construção mútua a consciência se recobra a realidade e assim encontramos com as nossas verdades. Se o amor pelo o que a gente faz, pela família, amigos aumentar, passaremos a não dar vazão ao medo. A sustentação da sua felicidade é mais simples do que você imagina, mas as respostas estão unicamente em você! Sempre esperamos por acontecimentos externos quando apenas as nossas atitudes são as responsáveis por encontrar o que nos faz feliz.

Amar em estado pleno! É só isso que a vida espera de você, em qualquer circunstância independente de condição social, paradigma, convenção, pensamentos alheios. E mesmo se as pessoas ao nosso redor não retribuírem, com o exercício de amar regularmente estaremos tão nutridos desse amor da vida que não teremos com o que se preocupar, pois iremos espalhar o amor incondicionalmente e ainda nutrir toda a vida que passar por onde passarmos.

Por isso não tente ser quem você não é. A busca da felicidade começa em se conhecer e saber qual é o seu propósito de vida, e essa arte é natural! Seja o artista da sua vida!



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.

  0   0

Victor Lucas Sena Lopes

Life Coach

Empreendedor; Formado em Coaching pela SLAC(SOCIEDADE LATINO AMERICANA DE COACHING); Entusiasta e Admirador em Treinamento e Desenvolvimento Humano; Trabalho Voluntário de pregação e Desenvolvimento Condicional Mental; Formação e atuação em Inglês desde 2010.