Nunca se escreveu tanto sobre a importância do espírito criativo e da imaginação nesta sociedade contemporânea tão instável. Todos os autores renomados da Administração se referem à criatividade com toda a ênfase e excitação, pois sendo uma aliada da produção, a ela devemos os grandes avanços tecnológicos, científicos, culturais e sociais que marcaram a história da humanidade. Agora, mais do que nunca, a capacidade imaginativa e produtiva das pessoas passa a ser o capital mais valioso das organizações.

Criar é enxergar além, perceber coisas diferentes, transformar riscos em oportunidades. Inovar é esquecer o velho e fazer o novo, para a criatividade não existe erros e sim ensaios. A aprendizagem através dos erros e acertos é fundamental tanto para a criação quanto para inovação.

Para Peter Drucker, a inovação pode ser gerida, desde que se saiba para onde e como olhar. Qual o grau de proximidade entre criatividade e inovação? E afinal, por que as organizações valorizam tanto a criatividade e o que isso significa para o negócio? Cabe a cada um refletir sobre a frase do Antônio Carlos Teixeira da Silva: “crie, inove ou evapore” ou ainda a obra de Lewis Carroll (Alice no País das maravilhas), “para quem não sabe para onde vai, qualquer caminho serve”. Portanto, as diretrizes para o sucesso dependem das escolhas feitas agora.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade da autora identificada abaixo.

  0   0

Aline Febrônio de Mattos

Life Coach

Graduação em Administração - Faculdades Unificadas DOCTUM (Campus Teófilo Otoni)/ Pós Graduação em Gestão Estratégica: Comunicação, Marketing e Recursos Humanos -Faculdades Unificadas DOCTUM/ MBA em Gerenciamento de Projetos (Project Management Institute) Rede de Ensino DOCTUM/ Gestão e Direito da Saúde (SATeducacional)/ Estratégias Gerenciais para Clinicas e Consultórios - Fundação Unimed.