Poderíamos dizer que alguns têm mais sorte do que outros. Entretanto, a sorte não é algo real! Sorte seria ganhar na loteria sem comprar nenhum cartão. Todavia, quem ganha é porque investiu, pelo menos, financeiramente em sua meta de ganhar na loteria.

Não existe mágica ou milagre, o que existe ou diferencia as pessoas é a validação de seu poder pessoal. Poder, esse que construímos ou limitamos com nossas crenças e/ou ações diárias.

Escolhemos nos manter a beira de nossos sentimentos, muitas vezes, por medo, pois é melhor ter o mínimo do que não ter nada. Entretanto, esquece-se que é ao se jogar do ninho que os pássaros aprendem a voar.

Então, o que você escolhe: melhorar seu potencial emocional, fortalecer-se, ou continuar estagnado pelo medo de possíveis frustrações pelo caminho?

Traçar um plano de metas é um ótimo começo. Mas, é o caminho trilhado, suas nuances, as intempéries da trajetória que irão determinar o quão perto ou real é seu objetivo. É aí, que surge a higiene emocional.

O quanto você valida seus atos? De que forma você se trata? Como convive com suas emoções? E como as trabalha no seu dia a dia?

Quando você se corta, você não pega uma faca e vê até onde pode ir sua dor. Você simplesmente faz um curativo, e segue, pois sabe que se não tratar pode infeccionar e ter problemas maiores no futuro, isso você aprendeu ainda na infância. Seu emocional é igual, mas você age da mesma forma!

Na área de pesquisa clínica em saúde, onde atuei por algum tempo, costumamos lembrar aos novatos acadêmicos, que não há trabalho com resultado negativo. Pois os trabalhos em que isso acontecem também tem seu valor na hora da tomada de decisão para uma prática ou outra.

Assim também deve ser na vida. Devemos lembrar que os resultados negativos, também, abrem portas e alteram rotas, o importante é continuar focado aonde se quer chegar.

É necessário enfrentar nossos medos limitantes, nossos traumas ou imperfeições. Somos humanos e o acerto e o erro fazem parte do processo. Não se deprima ou se machuque demais, cuide de sua saúde emocional da mesma forma que trata de sua saúde física, com zelo. Faça o que for necessário e deixe fluir.

Não procure motivos depreciativos em você para justificar os “não” que receber. Muitos podem ser os motivos que levaram a essa resposta negativa, e a maioria deles, muitas vezes, não é pessoal.

Não anestesie suas emoções! Agindo dessa forma, você estará se limitando a ter uma qualidade de vida plena e equilibrada como merece. Entender nossas emoções propicia a entendermos o porquê se quer alguma coisa, a forma como queremos e como isso se encaixa em nossos valores, e em nossas vidas.

Esse processo, de autoconhecimento de si, é fundamental para conseguirmos o que almejamos. Porque, somente assim, podemos casar a vida que queremos ter com a pessoa que desejamos ser.

Se autoconhecer, experimentar-se é o começo do trabalho. Ter intimidade consigo mesmo, e ler perfeitamente suas emoções é um facilitador do caminho que você irá seguir para buscar seus objetivos. O desenvolvimento de suas habilidades e estratégias será facilitado, pois você saberá quem é, conhecerá seus limites e seus pontos fortes, pois validou seu potencial, empoderou-se, e saberá do que é capaz. E assim, não há sonho, meta ou objetivo que não seja alcançado, e aí é só uma questão de tempo até as coisas acontecerem.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade da autora identificada abaixo.

  0   0

Paula Maria Santiago Caputo

Life Coach

Graduada em Biomedicina; Universidade FEEVALE, 2007. Especialista em Saúde Pública; UFRGS, 2011. Mestre em Ciências da Saúde: Cardiologia e Ciências Cardiovasculares; UFRGS,2013. Formação em Psicoterapia e Regressão terapêutica; ABPR, 2014. Formação em Professional Coach Certification; Slac, 2015.