Tem um ponto que faz toda a diferença! É necessário treinar o processo da entrevista. Como assim Eliane? É isso mesmo!

E para que não veja como “achismo” de minha parte, todas as pessoas que eu dei essa recomendação, ou seja, que treinaram e se prepararam para a entrevista conseguiram passar para as próximas etapas do processo seletivo. Muitos colegas que atuam com recolocação profissional praticam esse tipo de treino com seus clientes.

O ideal é que este treino seja feito com auxílio de um profissional especializado, uma vez que após a simulação ele poderá pontuar o que você pode melhorar. Mas caso você não possa recorrer a este tipo de serviço, vou tentar te ajudar por aqui.

Geralmente os selecionadores contemplam perguntas direcionadas para a investigação de competências comportamentais, em resumo, eles vão tentar evidenciar se o candidato demonstra ou não determinada competência, para isso, eles utilizam técnicas específicas.

Toda vez que o selecionador lhe fizer uma pergunta, contextualize sua resposta, informe como ocorreu a situação, qual foi a ação ou ações que você adotou e qual foi o resultado que suas ações geraram. Por exemplo, seu eu perguntasse para você:

Em suas experiências profissionais, qual foi a decisão que levou mais tempo para tomar? Por que foi difícil decidir? Fale-me sobre ela.

Veja 2 respostas diferentes para a pergunta acima:

Resposta 1: “A decisão mais difícil foi pedir para mudar de área”.

Resposta 2: “Na empresa X eu trabalhava numa área onde eu não me identificava, mas como precisava me recolocar e tinha o perfil do cargo, aceitei a proposta. Sempre gostei de trabalhar na engenharia, visitando obras e acompanhando os trabalhos da assistência técnica, na ocasião não havia oportunidade nessa área. Após eu já estar ambientado na nova área, apareceu uma oportunidade de recrutamento interno para a área de assistência técnica, porém, a essa altura eu já gostava muito da minha equipe e tinha um gestor que sempre me apoiava e promovia meu desenvolvimento, por isso, acabei não candidatando. Alguns meses depois apareceu nova oportunidade, foi muito difícil para eu decidir, principalmente pelo relacionamento com as pessoas da atual equipe, mas coloquei na balança os prós e contras e decidi conversar com meu gestor no qual me deu todo apoio para participar do processo, o resultado dessa minha decisão culminou na aprovação do processo seletivo o que me deixou muito feliz".

Respostas “fechadas” do tipo sim ou não, ou como indicado na resposta 1, não tem riqueza de detalhes e vai esconder competências que você pode ter e que o selecionador possa estar procurando.

Caso você não dê detalhes da situação, muito provavelmente o selecionador vai investigar melhor, mas se você já estiver preparado a dar uma resposta completa, a conversa fluirá melhor.

Agora que você já sabe da importância de contextualizar sua resposta, vamos voltar para o treino.

Se você tem interesse em participar de processos seletivos para cargos similares ao que você ocupou/ocupa ou para um cargo superior caso já esteja preparado, investigue quais são as competências comportamentais para a posição. Essas competências podem ter certa variação de empresa para empresa, mas geralmente a essência é muito similar.

Feito isso, reflita sobre situações passadas onde você demonstrou essas competências, se alguém puder te ajudar conte sobre essas situações para a pessoa, do contrário, treine sozinho mesmo, o importante é treinar, não fique somente com a situação em seus pensamentos, se achar necessário escreva.

Por exemplo, a competência "foco no resultado" faz parte do grupo de competências que o cargo que você ocupa ou ocupou pede, ou então é uma competência para um cargo de nível superior ao seu no qual você quer se candidatar, analise em sua trajetória profissional onde essa competência foi manifestada por você.

As perguntas podem aparecer na entrevista em diversos contextos, o importante é você estar com as vivências fresquinhas na cabeça.

Para quem está em busca do primeiro emprego, pode seguir estas dicas também, só que neste caso lembre-se de situações que você vivenciou no ambiente acadêmico, com trabalhos em grupo, atuação em sala de aula, ou até mesmo situações no ambiente familiar.

Jamais invente! A verdade é o caminho adequado, mesmo que o selecionador lhe faça uma pergunta que você não consiga responder, para ele é muito melhor ouvir um “não sei” ou "não tive essa vivência" do que ouvir uma mentira. Esses profissionais, além de possuírem uma escuta atenta, muitos deles dominam técnicas onde é possível perceber se uma pessoa está mentindo.

Importante ressaltar que aqui falei de aspectos que envolvem a primeira entrevista no processo seletivo, sendo conduzida pela área de Recursos Humanos e onde as competências comportamentais serão investigadas pelo selecionador.

Seus conhecimentos técnicos também deverão ser condizentes com o perfil da vaga, pois certamente serão aferidos senão nessa etapa por meio de testes, nas próximas pelo seu possível futuro gestor.

Porque o sucesso está em você!

Compartilhe com seus colegas!

Abraço!



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade da autora identificada abaixo.

  0   0

Eliane Pardinho da Silva

Life Coach

Graduada em Psicologia e Administração de Empresas, pós-graduada em Gestão de Recursos Humanos com ênfase em Desenvolvimento Organizacional e especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental. É Practitioner em PNL, membro da Sociedade Brasileira de Resiliência, analista comportamental DiSC® e PI®.