A enquete que fiz em uma rede social está longe de ser um levantamento estatístico científico, mas dá uma luz: 8 em cada 10 comentários responderam que as pessoas querem mostrar que têm razão, mesmo que a afirmação não seja uma verdade factual. Ou seja, este comportamento deve ser comum.

Existem alguns pontos que podem nos servir de guia para evitarmos ter razão com afirmativas que não sejam verdadeiras.

Entender nossa necessidade de defesa do grupo ao qual pertencemos: Quando nos tornamos indivíduos, temos a necessidade de pertencimento a grupos que podem ser de times de futebol, religiões, partidos políticos, etc. Tendemos a seguir e defender as filosofias e características dessa classe, já que em troca do pertencimento aceitamos as opiniões e atitudes do grupo como se fossem nossas.

Por este motivo, algumas pessoas continuam a defender sua classe, mesmo na evidência de que algo pode estar errado com ela. Perder a sensação de pertencimento pode gerar desconforto, além de fazer o indivíduo se contradizer em relação às afirmativas anteriores, o que socialmente gera críticas e perda de credibilidade. É preciso entender quando isto acontece.

Dificilmente a pessoa vai querer ver o outro lado, pois o objetivo dela não é a verdade necessariamente, mas não perder o acolhimento do “pertencimento”. Muitas vezes as pessoas não têm a consciência deste fato. É preciso respeitar e saber o momento de mudar de assunto, pois não irá conduzir a verdade.

Ser imparcial: Para isso, é importante não se apegar emocionalmente a opiniões. É preciso ter consciência de que em algum momento alguém com quem se discute pode dar evidências de que uma afirmação sua pode não estar de acordo com a verdade que é buscada na discussão.

Se neste momento você conseguir dizer “Parece que você está certo, não tinha visto por este lado, poderia me explicar melhor? ” está no caminho certo. Não há problema algum em mudar de opinião se ter razão para você é estar com a verdade.

Saber a definição de verdade: Em um dicionário online a palavra verdade significa “Exatidão; que está em conformidade com os fatos e/ou com a realidade”. É uma definição simples e semelhante à encontrada em demais dicionários. Assim saímos do campo da verdade pessoal e passamos a discutir o tópico numa perspectiva universal.

Numa discussão para ter como objetivo a busca da verdade: A melhor maneira de buscar a verdade é usar o método científico que nasceu com o físico matemático árabe Alhazen. Uma citação dele pode ser inspiradora:

"Encontrar a verdade é difícil, e o caminho é acidentado. Como buscadores da verdade, o melhor é não julgar e não confiar cegamente nos escritos dos antigos. É preciso questionar e examinar criticamente o que foi escrito, por todos os lados. É preciso aceitar apenas o argumento e a experiência, em vez do que qualquer pessoa diz, pois, todo ser humano é vulnerável a todos os tipos de imperfeição. Como buscadores da verdade, devemos suspeitar e questionar nossas próprias ideias ao investigarmos fatos, para evitar preconceitos ou pensamentos descuidados. Sigam este caminho e a verdade vos será revelada."

Cuidado com analogias e metáforas: Muitas vezes nos enganamos ou deixamos ser enganados por metáforas e analogias. Uso de personagens históricos, trechos de crença geral, entre outros, são usados para pularmos a fase do questionamento e abraçarmos de cara uma opinião.

Quanto mais global, mais verdadeiro: Uma das características da verdade no método empírico é estar sempre à disposição para ser posta à prova. E uma das maneiras de testar a consistência da verdade é levá-la a uma escala global. A verdade deve permanecer a mesma em qualquer lugar do mundo. Uma esfera, por exemplo, é uma esfera em qualquer parte, até que alguém prove o contrário.

Se o que você afirma como verdade for de fato em qualquer lugar do mundo, tem mais chances de ter razão até que alguém tenha uma contestação plausível, e desse modo, não haverá nada de errado com isto. A verdade necessita de uma mente aberta e pacífica, sem querer defender a si.

Ter razão concretamente é estar com a verdade!



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.