A investigação apreciativa deve ser aplicada a um tópico (assunto a ser tratado e investigado) definido pelo cliente ou por uma equipe, podendo ser uma mudança, uma meta, valores do cliente ou da empresa, pontos fortes, problemas relacionais, etc.

Independente do tópico, a investigação apreciativa pode ser aplicada após a definição do assunto a ser tratado, e aplicado o ciclo dos 4 D’s, que quer dizer: Discovery (Descoberta), Dream (Sonho), Design (Desenho) e Destiny (Destino).

Na primeira fase é necessário listar a descoberta dos pontos positivos da situação atual para o cliente e para os demais que estão envolvidos na situação, como por exemplo a mudança nos procedimentos da empresa, em que deve-se investigar nesse contexto o que há de melhor para o funcionário, para a empresa e seu superior. Na fase de descoberta também é preciso aparecer o que dá vida a essa mudança, assim como a crise econômica e a melhora do sistema são situações em comum que podemos vivenciar.

É preciso muita atenção, pois essa fase deve investigar a situação atual, não podendo entrar no que ocorreu no passado, pois a investigação apreciativa explora o presente com o olhar para o futuro. Lembrando que essa fase representa o entendimento do estado atual da pessoa, cliente, grupo ou empresa.

Na segunda fase isso fica mais claro, pois ao investigar o sonho você precisa explorar o que ou como deve ser essa mudança, assim a perspectiva de um futuro melhor precisa vir à tona nessa fase, explorando sempre todos os lados envolvidos. Nesse momento podemos esbarrar em um inimigo chamado egocentrismo, em que a pessoa só consegue enxergar o que deve ser melhor para ela. 

Procure explorar as expectativas dos outros nesse quadrante, pois nem todos compartilham das mesmas expectativas. Não se esqueça que essa fase espelha o estado desejado da pessoa, cliente, grupo ou empresa.

A terceira fase é o desenho pelo o que precisa ser feito para que o sonho aconteça. Nesse momento, precisamos explorar quais são os caminhos que podem ser construídos para se alcançar o sonho, surgindo então os planos de ações que darão corpo para o processo, e quanto mais detalhado for essa representação maior será o comprometimento e motivação dos envolvidos.

A quarta e última fase representa a operacionalização do plano de ação, em que os envolvidos devem identificar o que precisa ser feito para alcançar o sonho. O indivíduo deve responder perguntas como: “O que preciso aprender?”; “O que preciso abrir mão?”; “No que eu estou apegado que não me traz resultado nenhum?”.

Após o cumprimento do clico dos 4 D’s o processo de investigação está encerrado. Os problemas podem ter sido sanados por completo e/ou ajudado na elaboração estratégica. 

A investigação apreciativa pode ser feita outras vezes, caso haja a necessidade, independente se for para o mesmo tópico ou para um novo.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.