A necessidade de um projeto profissional
Vocês já pararam para pensar que é difícil encontrar pessoas que planejam suas vidas profissionais? Eu, particularmente, conto nos dedos. Talvez por não ter tido um estímulo ao longo da vida ou por pensar que não é importante. Mas é algo que pode fazer toda a diferença na sua carreira!

É mais comum vermos as pessoas trilharem suas trajetórias profissionais de acordo com o que vai acontecendo, surgindo, ou seja, de forma reativa, tendendo a responder os estímulos das empresas em que trabalham ou do mercado. 

Ao invés de guiar suas carreiras pelas suas características, preferências pessoais, para o que verdadeiramente o move. E porque é tão importante pensar na carreira? É evidente que muitas pessoas percebem as oportunidades profissionais e de carreira de fora para dentro. 

Em outras palavras, as pessoas normalmente olham para o mercado ou para a empresa em busca de oportunidades sem considerar as próprias características, ou seja, seus pontos fortes, suas preferências, seus desejos e seus sonhos. Ao fazer isso, muitas vezes se esbarra em armadilhas e desconforto profissionais.

Olhando do outro lado, as pessoas que pensam suas carreiras a partir delas próprias e que têm consciência de onde estão indo profissionalmente têm uma tendência a não se equivocar e possuem clara vantagem competitiva em relação aos demais.

É possível cair em uma armadilha profissional como, por exemplo, quando se é atraído a um trabalho por conta das recompensas financeiras, status ou glamour da posição, passando a atuar em uma situação profissional que causa desconforto. 

Esse desconforto, por exemplo, pode ser ocasionado quando a posição profissional explora mais intensamente seus pontos fracos e muito pouco de seus pontos fortes. As pessoas, quando estão em uma posição profissional que explora seus pontos fracos têm que se esforçar para realizar suas atribuições e responsabilidades e, mesmo com grande esforço, às vezes, não conseguem exercer com excelência suas funções pois não é o que elas dominam. 

Ao contrário, quando as pessoas estão em uma posição profissional que explora seus pontos fortes com facilidade são excelentes e vivem um período de grande desenvolvimento profissional.

O desconforto profissional, diferente da armadilha, ocorre sem que percebamos. Quando nos damos conta do desconforto ele já está instalado há algum tempo e é só nesse momento que começamos a trabalhar para nos livrarmos dele. 

As pessoas que estão conscientes das suas carreiras, do que gostam verdadeiramente, do que é bom e de seus pontos fortes conseguem ter uma percepção de que não é algo que lhe agrada antes desse desconforto se instalar, podendo se preparar e fazer algo para que possa mudar.

Ter um projeto profissional consciente significa saber aonde se quer chegar e o primeiro passo para agir de forma consistente e coerente com o seu objetivo. As pessoas que têm um projeto levam vantagens em relação àquelas que não têm, porque conseguem distinguir mais facilmente o que é oportunidade e o que é armadilha, gerenciam o seu desenvolvimento, olham o mercado e a empresa com os seus olhos e não com os olhos dos outros, possuem uma visão mais ampla das oportunidades e têm um plano de voo, uma direção para seguir.

Quando a gente fala em plano de carreira, podemos pensar em algo bastante estruturado, apontando com precisão para o horizonte profissional, com um esquema em passo a passo para ser seguido e terá certeza de sucesso e realização profissional. Mas não é bem assim. 

Nós devemos pensar a carreira como uma estrada que está sempre sendo construída, tem um rumo, uma direção, objetivos, mas que pode ser modificada ao longo do caminho.

A construção da carreira não é algo objetivo, como 2 + 2 = 4. Nós nunca temos certeza absoluta do que iremos encontrar pela frente. A cada novo passo se abre um novo mundo, e nos deparamos com o inesperado e/ou novas possibilidades. Mas o que eu posso afirmar é que quando nós temos clareza de onde queremos chegar é bem fácil criar estratégias e agir de forma com que conseguimos alcançar o que almejamos. 

Nesse caminho, o autoconhecimento é um pilar muito importante! Saber nossos valores, o que nos traz realização na carreira, o que é importante ter na carreira, quais nossas âncoras e nossas habilidades.

O coaching de carreira é um processo que pode apoiar muito nesse percurso e facilitar esse processo. Claro que existem pessoas que por si só conseguem trilhar esse percurso de autoconhecimento e desenvolvimento de carreira, chegando aonde sempre almejou.

Eu tenho um exemplo de uma amiga, que também é psicóloga, e sempre adorou a área escolar (existem diversas áreas na psicologia). Para ela estava claro que queria trabalhar com isso. Durante a faculdade, ela fez diversos estágios em escolas, algumas vezes começou estagiando de forma voluntária e depois foi efetivada, e fez cursos na área.

Ou seja, estava no ambiente em que ela queria trabalhar, fez muitos contatos. E o resultado veio. Quando ela se formou, ainda nem tinha feito a colação de grau e ela foi contratada como psicóloga escolar por uma escola.

Lembro-me que, recentemente, encontrei uma colega da faculdade depois de dois anos de formada que ainda não estava no mercado de trabalho. Por coincidência, ela também queria atuar na área escolar. Disse-me que estava muito difícil, que já tinha entregue currículos para várias escolas, mas não obteve sucesso.

E então eu perguntei se ela havia estagiado durante a faculdade e ela me falou que chegou a fazer um estágio em uma escola, mas era apenas para acompanhar alunos especiais, que é um estágio que muitas pessoas que eu conheço fizeram no início da faculdade, mas não propriamente tem atribuições de um psicólogo escolar. 

Ou seja, ela não teve projeto de carreira consciente. Enfim, não construiu o seu trajeto e está sofrendo as consequências. Podemos ver, de forma bem clara, que no primeiro exemplo a pessoa tinha bem claro o que queria, o seu projeto profissional era consciente e ela agiu de forma consistente para ter o resultado esperado. No segundo caso, não houve um projeto coerente e o resultado não foi o esperado. 

E você, como está em relação ao seu projeto profissional?



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.