Afinal, o que buscamos em nossas carreiras?

A busca por propósito no trabalho está cada dia mais forte. O desejo de ser singular em um mundo tão plural cresce em meio a tanta informação, tanta provocação, tanta busca por propósito. Se aprofunde neste assunto!

O desejo de ser singular em um mundo tão plural cresce em meio a tanta informação, provocação e busca por propósito. As mulheres de hoje em dia não desejam ser apenas uma peça da engrenagem. Querem ter sentido no que fazem, e buscam realização em fazer o que efetivamente gostam. Fato este, que anos atrás seria impensável, e na busca por sobrevivência, velava-se uma cultura que emprego era emprego, satisfação era outra coisa.
 
Atualmente, executivas experientes recebem esse choque de cultura e também se despertam para uma nova realidade. Com o advento da tecnologia, o conhecimento extrapola barreiras. Nunca se soube tanto sobre tudo, nunca houve tanto acesso à informação.
 
Neste contexto tão rico e complexo, vive-se uma sociedade em que as pessoas, em especial as mulheres, buscam que sua existência faça sentido, sua vida tenha importância e o copioso pedido de resposta aos por quês existenciais sejam respondidos. Busca-se deixar sua marca, acima mesmo de um ganho salarial.
 
O reconhecimento de si naquilo que faz é uma busca natural do ser humano. É aquilo que hoje se determina como “trabalho com propósito”. 

Propósito em latim significa “aquilo que eu coloco adiante”. Viver de acordo com seu propósito é, portanto, ter a consciência do motivo pelo qual faz o que faz, mas também porque deixa de fazer. Já dizia Jung que “até você tornar consciente, o inconsciente irá dirigir sua vida e você vai chamá-lo de destino”.
 
A consciência empodera, ao passo que não é possível controlar o incógnito. Desconhecer o próprio desígnio é a razão pela qual grande parte das mulheres vivem estados lastimáveis de estresse nas organizações, ocasionando falta engajamento e imperando o sentimento de frustração em relação ao trabalho.
 
A fase em que era preciso provar que as mulheres eram boas o suficiente para estarem em posições executivas evoluiu para busca incessante por sentido no que fazem. As mulheres querem também se reconhecer em suas obras. Importância verdadeira por seus esforços em diferentes vertentes, inclusive acadêmicos. Deste modo, não é apenas estar, é essencialmente ser.
 
O que, muitas vezes, rouba esse sentido de propósito é a atividade exercida. Isso não se relaciona diretamente com o nível hierárquico ou importância da atividade, mas com o significado que esta atuação tem para cada profissional. 

Deste modo, é bastante possível que uma pessoa esteja realizada profissionalmente em uma atividade completamente operacional que seja carregada de significado por ela, ao mesmo instante que uma alta executiva esteja infeliz em seu glamoroso escritório. Ao reconhecer valor no que se faz, a eficácia é uma consequência natural da atuação.
 
Assim, é possível afirmar que a realização profissional está intrinsecamente relacionada com o significado que a atividade tem para quem executa. A definição engloba aspectos inerentes aos valores pessoais e reconhecimento consigo mesma. 

Obviamente o reconhecimento também está ligado à percepção de justiça em uma avaliação de desempenho e na adequação de salário. Entretanto, quando o profissional realiza um trabalho em que se reconhece tão fortemente, é capaz de minimizar a busca pelo prestígio externo, de seus pares e liderança.
 
Ter consciência é diferente de ter pressa ou agir impulsivamente.

Para as novas gerações, o grande desafio é a compreensão de que embora o mundo esteja imediatista, uma carreira não se constrói apenas por meio de conhecimento acadêmico. Se faz necessário maturidade na função.
 
O recado aqui é que não basta a clareza do que se quer. É necessário agir, se autodesenvolver e construir a realidade para atingir a factibilidade daquilo que se quer. Buscar a identidade é louvável, mas não se pode negar que o mundo não para porque você anseia o que deseja. O fato de formar-se, falar dois (ou mais) idiomas, ou fazer intercâmbio em diferentes países, não extingue a importância da maturidade empresarial.
 
Faz-se necessário compreender ainda que em qualquer contexto haverá atividades que lhe satisfazem e outras não. Você pode querer empreender, mas detestar a insegurança de não ter um salário fixo ao fim do mês, por exemplo. Em qualquer carreira é preciso desprender-se da ilusória visão do puro prazer.
 
Fica o questionamento: Por que você trabalha com o que trabalha? Você se sente reconhecida no que faz? Como você avalia sua carreira hoje?
 
Saiba mais sobre o coaching e como essa metodologia pode te ajudar!



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.

Renata de Santana Borges

Renata de Santana Borges

Master Coach

Psicóloga - CRP 06/113341;Master Coach membro da Sociedade Latino Americana de Coaching; Executive e Life Coach com formação reconhecida e selada pela International Association of Coaching Institutes (IAC); Leader Coach com certificação internacional pela Corporate Coach U; Certificação Analista DiSC, Assess e Six Seconds pela HR Tools; Pós-graduada em Gestão de RH e Gestão de Projetos.

+1
share

Comente

Artigos dos Membros SLAC Coaching   /   veja mais

Contato / Te ligamos

De segunda a sexta
9:00 - 18:00

+55 (11) 3670-1770

info@slacoaching.org

Av. Francisco Matarazzo
1400 - SP

Sociedade Latino Americana de Coaching

+55 (11) 3670-1770
info@slacoaching.org

São Paulo - Brasil
Centro de Treinamento
Av. Francisco Matarazzo, 1.350
Água Branca - Cep: 05001-100
São Paulo - Brasil
Sede Administrativa
Av. Francisco Matarazzo, 1.400
Água Branca - Cep: 05001-100
CNPJ: 15.229.739/0001-47
Santiago - Chile
Oficina
Suecia 42, Oficina 02
Teléfono: +56 2 2632 5042
Lima - Peru
Oficina
Plaza Ricardo Palma 107 - San Borja
Teléfono: +51 980 037 494
Cartagena - Colômbia
Oficina
Cr 3 6A Esq. Ed. Jasban 407 - B/Grande
Teléfono: +57 5 655 03 01

Conteúdo Registrado ®
Todos os Direitos Reservados
Cópia Proibida.