Quantas vezes você ficou em dúvida sobre o que deveria ou não fazer? Ficou titubeante diante de uma tomada de decisão? Existem muitas técnicas e dicas para resolver impasses. Seguem algumas:

· - Distancie-se do problema, pensando na situação como se ela estivesse acontecendo com outra pessoa.

· - Trabalhe sua inteligência emocional de maneira a excluir da tomada de decisão as emoções que não estão relacionadas com a decisão a ser tomada.

· - Conhecer a si mesmo pode ajudar a filtrar o que realmente deve ser valorizado, considerando seus objetivos e observando o que deu certo e o que não deu certo na sua trajetória em situações similares.

· - Procure manter bons níveis de dopamina no cérebro, boas formas de fazê-lo é por meio de prática de atividade física/esportiva e manter uma alimentação saudável.

· - Dê uma pausa para você, a fim de dar um tempo extra para o seu cérebro reunir outras informações para analisar melhor a situação.

· - Use a estratégia da prioridade, trabalhando os assuntos importantes para você.

Assistindo uma entrevista da neurocientista Suzana Herculano-Houzel ela fez essa afirmativa: “se racional é o que faz sentido, as suas emoções fazem sentido pra você, naquele contexto, com a sua história de vida, com seus valores. São as suas emoções que permitem que as suas decisões sejam as mais adequadas e adaptadas a sua individualidade, a sua história”. Ou seja, mesmo quando tomamos decisões creditando-as exclusivamente as nossas emoções estamos usando nossa condição racional e quando usamos a razão, precisamos das emoções para validar nosso veredito. O que pode diferenciar uma boa decisão de uma decisão inadequada está mais ligado à forma como utilizamos nossas emoções para decidir.

Pessoas com inteligência emocional não descartam suas emoções, elas simplesmente separam as emoções que não tem a ver com aquele contexto a ser analisado, usando apenas as emoções certas para definir qual será seu posicionamento. Aproveite essas dicas e use o poder do aprendizado para solucionar seus impasses.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade da autora identificada abaixo.