Muitas vezes no nosso cotidiano, acabamos perdendo a noção do que realmente é essencial ao coração e assassinamos o Pequeno Príncipe que habita nos nossos corações. Assim, assamos a adotar o padrão de vida baseado nos tons de cinza, inundados num caos e numa grande sensação de insatisfação.

Quem já não se sentiu insatisfeito e inerte com seu estado atual, sem perspectiva na carreira ou na vida pessoal?

Pois bem, essa insatisfação ou inércia, ocorrem em virtude dos compromissos, obrigações e metas audaciosas que assumimos ao longo da nossa existência, que nos obriga a eliminar da nossa roda da vida, o tempo precioso dos nossos desejos lúdicos.

Só para ilustrar esse cenário:

Qual foi a última vez que você brincou de verdade, sem se preocupar com os julgamentos dos outros?
Quando foi que você cantou, dançou e deu inúmeras gargalhadas sem parar, quase perdendo o fôlego por causa de uma piada sem graça? 
Qual foi a última ocasião, que você ficou horas conversando com um amigo, relembrando os micos da juventude?
Ou a última vez que você abraçou seus pais e pediu para eles te abençoarem?

Por vezes, temos a impressão que estamos participando de um programa de auditório do Silvio Santos, parecido com aquele da cabine fechada, que representa o nosso universo particular, com um fone de ouvido sem escutar as opções que estão sendo oferecidas, e quando as luzes da cabine se acendem, respondemos com o um sim ou um não a opção em questão, que pode ser positiva ou negativa, dependendo do bel prazer da produção do programa.

E a decisão ocorre no senso comum do nosso piloto automático, associado a uma pressão em responder em tempo real a opção que o Silvio Santos fez, sem nenhum critério racional.
E dentro desse movimento cíclico, acabamos validando um monte de atividades, compromissos e obrigações que poderiam estar em desacordo com os nossos valores e pretensões de vida. 

Aí meu amigo, começamos a adotar o padrão de vida baseado nos tons de cinza, onde o essencial está o tempo todo em conquistar resultados abusivos sem nenhum critério plausível.

Não estou querendo fazer apologia a uma vida desregrada, pelo contrário quero apenas que você faça uma breve reflexão, e pense quais os valores da sua infância que você deixou adormecer no interior no seu coração, e que poderia se converter a seu favor para que um novo diferencial competitivo possa emergir e alavancar o seu desenvolvimento humano. Que possa te conduzir a um novo platô, na sua transformação de vida com intuito de alcançar resultados mais sustentáveis aproveitando as oportunidades que o meio ambiente está oferecendo.

Imagine você resgatando a espontaneidade de se expressar sem julgamento, a sensibilidade de ajudar um próximo sem nenhum interesse, o poder de perdoar sem mágoas as desavenças e a criatividade de transformar uma caixa de sapato no melhor brinquedo do mundo. 

Perceba que perdemos essas essências ao longo de nossa jornada neste plano e sem ter noção exata acabamos assassinando o Pequeno Príncipe que há dentro de nós.
Sem ter ciência que o importante não é querer deixar de ser adulto e sim tentar se tornar um adulto melhor com o que há de melhor da essência infantil.

Resgatar a simplicidade do nosso Pequeno Príncipe é um fator que devemos cultivar todos os dias de nossas vidas, pois afinal somos responsáveis por aquilo que cativamos e se cativamos o que há de melhor na essência humana, conseguiremos atingir os nossos objetivos com mais tranquilidade e diversão.

Bote fé!



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.