icone podcasts

PROGRAMA ACERTAR É HUMANO

#063

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori aborda o tema “medo de mudar”. Como lidar com momentos de necessidade de mudança? Como deixar a zona de conforto?

063 - Programa Acertar é Humano: de 17/09/2015

Programa Acertar é Humano (17/09/2015)

Nélson Sartori

Tempo de áudio
27 minutos e 52 segundos
Legenda
... ➔ pausa ou interrupção do discurso
[...] ➔ palavra/trecho incompreensível
[comentário] ➔ comentários do transcritor

♪ [tema acertar é humano] ♪

Começa agora na Mundial Acertar é Humano, um programa que apresenta crônicas com humor e foco na solução, sempre falando de temas diversos como empreendedorismo, liderança, esporte, atualidades, comunicação entre outros. Tudo isso seguindo a filosofia do coaching.

Programa Acertar é Humano, uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori.

[NÉLSON] Bom dia, minha gente. Bom dia, Evaldo. Aqui é o professor Nélson Sartori. Já está virando um hábito do Evaldo botar aplausos. Eu fico feliz. Não sei se mereço nada disso (eu mereço pela amizade dele, isso sim).

Mais uma quinta-feira aqui dentro do nosso programa Acertar é Humano. Eu gosto muito deste título: Acertar é Humano. Ele é um título patenteado lá no coração do Sulivan. O Sulivan é quem trabalha essa concepção e patenteou isso. Não é exclusivo dele, lógico, mas a inspiração dele é uma das coisas que impressionam bastante.

Justamente dentro dessa condição do acertar é humano é que eu queria falar hoje sobre uma situação até interessante que trouxe o tema que eu quero desenvolver com vocês aqui hoje.

Um amigo de muito tempo, muito tempo mesmo, que estudou na faculdade comigo, eu acompanhei parte da vida dele, o casamento, o nascimento dos filhos e recentemente tive de acompanhar outra parte não tão próspera como essa, que foi a separação dele do relacionamento que ele vivia.

Como é amigo, fui conversar com ele. Falava:

— Vamos sair. Vamos jantar. Vamos bater um papo.

Eu percebi que ele estava diferente. Lógico, é uma situação de mudança muito grande, e ele falou comigo justamente isso.

— Você vai conhecer mais alguém. A vida está aí aberta.

Realmente aquela conversa de que as coisas não terminam. O relacionamento terminou, mas isso abre possibilidade para um novo relacionamento.

— Você tem de aceitar que aconteceu.

Não foi uma separação tão amigável.

Ele falou:

— Sabe, eu não estou assim tão preocupado. Eu entendo tudo isso que você está falando. É um direito dela de não querer mais ficar comigo, o relacionamento não dá mais certo. Respeito tudo isso. O que eu tenho medo é da mudança. De quanto a minha vida vai mudar. Eu não tinha no meu projeto de vida uma mudança nesse sentido. Eu tinha até a perspectiva da morte, a perspectiva de perdê-la, de um dia para o outro, para a violência, para o acidente, por uma doença: coisas que fazem parte da nossa vida, da nossa natureza. Tudo isso eu entendo e aceito. Agora, a mudança, ou seja, ser outra pessoa agora, ter outra vida: isso que eu tenho medo agora. O que me deprime é isso nesse momento.

O medo dele maior é a mudança. Medo de mudar.

Camões, um poeta português que viveu no período Renascentista em Portugal, que passou por um momento de mudança muito significativa, o resgate da cultura do homem do passado, da antiguidade, fez um de seus principais poemas que falava muito sobre mudança: tudo muda, a própria natureza mudar, mudar é progredir, mudar é transformar. As coisas acontecem porque é preciso renovação. As coisas estagnadas apodrecem. As mudanças são necessárias.

Mudar realmente é progredir e evoluir. O que muitas vezes se apresenta para nós como algo ruim, algo negativo, temos de entender que faz parte da própria natureza, faz parte da própria existência mudar. Temos de aprender a viver com esse tipo de mudança, de viver aquilo que está acontecendo conosco.

Mudar é o nosso tema de hoje, principalmente a ideia de progresso ligada a isso.

O PROGRESO E A MUDANÇA

Morte e mudança

Nós passamos e ansiamos por mudanças positivas o tempo inteiro. Nem sempre é assim que elas acontecem. Às vezes a própria mudança, transformação das coisas, não atende a todos ao mesmo tempo, não atende ao desejo de todos, mas atende a harmonia universal. As coisas precisam se ajustar aquilo que a natureza e o universo apresentam.

É importante percebermos esse paradoxo de que mudar é sobreviver. Morrer faz parte da existência e da plenitude da vida. Como a existência será plena se não tiver ligada à morte? A existência só se completa com o fechamento do seu ciclo, que representa uma mudança espiritual e fisicamente. A natureza vive a partir de um conceito como esse: tudo se transforma, tudo se renova; e assim também precisamos saber também que as coisas acontecem assim.

Então eu tentava mostrar para ele, lógico que não filosofando porque aquela hora não era exatamente de filosofia que ele precisava e sim mais de um apoio, de um conforto porque era o medo – outro medo que abordamos bastante – de mudança que ele tinha.

Nós criamos a nossa estabilidade e queremos ficar nessa zona de conforto, nessa zona de segurança e tentamos fazer tudo a nossa volta para que aquela situação se torne cada vez mais estável e cristalina, só que isso aí vai contra tudo que é natural.

Tudo que na natureza existe traz mudança. Todos os dias a mudança acontece. O nascer do Sol, o surgimento da Lua (isso sem filosofar) são formas de mudança. O tempo muda, o clima muda, a natureza se transforma porque, se ela não fizer isso aí, não existe renovação. Você vê as estações do ano, que para nós estão tão bagunçadas, às vezes você vê a própria natureza sofrendo dessas mudanças, que são de adaptação, você precisa ter o momento em que a terra é enriquecida pelos próprios insumos naturais. Então é preciso que, em dado momento, aquilo que teve vida morra para poder enriquecer a terra. A grama cresce, vem o Sol e a seca, ela morre, vai para a própria terra, se transforma e se renova de energia para que novamente nasça a grama. O rio passa, transforma a natureza, vai transformando a paisagem. Isso vai fazendo com que compreendamos que mudar faz parte da existência.

Nós não percebemos muitas vezes a mudança quando é positiva. Melhor, percebemos, mas ficamos exaltados com isso. A criança que começa a falar, que começa a andar, os primeiros fios de barba que começam a surgir no rosto, que já começa a perceber a maturidade chegado, o crescimento: tudo isso é mudança importante. Ao mesmo tempo em que essas mudanças trazem o desenvolvimento e evolução, elas nos empurram para o final da existência, e temos de estar preparados para essa finalização. Lógico que não viveremos em função à morte, só que não podemos desprezá-la. Temos de nos preparar para ela porque isso faz parte da natureza.

O homem e a adaptação à/da natureza

O homem interfere na natureza. Aí começa outro paradoxo muito grande. Uma das funções do homem no mundo é a de transformação da natureza. Ele tem uma ação impositiva. Ele se impõe para transformar a natureza através da sua habilidade, da arte. Por isso que nós temos o aspecto da artificialidade.

Quando o homem interfere na natureza e a transforma, isso não foi natural, foi artificial porque o homem manipula a natureza e a sua transformação é a arte. A arte é um dos conceitos da razão do homem que se desenvolve dentro da história. Como professor de português, eu também sou professor de literatura e consequentemente de história, vejo a evolução que acontece dentro do mundo a partir da arte porque é a transformação do homem relativa à natureza. A maneira como ele vê o mundo, como ele vê as coisas acontecendo, isso volta-se novamente para a natureza.

Outro erro grande que fazemos; atribuímos o homem como se fosse um conceito errado, como se ele não fizesse parte, como se não fosse um ser da natureza. As transformações que ele impõe, a devastação são aspectos também da natureza. É o ser da natureza interferindo na natureza, transformando-a. É lógico que ela reage a isso, não há dúvida alguma, porque não existe um processo estanque de mudança. Toda a ação que eu apresentar dentro da natureza vai ter uma adaptação, vai mudar para se acomodar.

O que significa mudança? Mudança é adaptação. Temos aquela ideia de que adaptação é estagnação. Adaptação é você se transformando e se ajustando a situações.

Na comparação, vejam a comparação que temos de mudança. Eu gosto de acompanhar e fazer uma relação com a história. O homem, no passado, se relacionava com a natureza recolhendo e absorvendo aquilo que a natureza dava para ele. Por exemplo, ele recolhia as frutas de uma árvore, pescava e caçava. Ele só extraía da natureza aquilo de que ele tinha necessidade.

Com o passar do tempo, o aumento da população, aumento das estruturas sociais, foi preciso interferir nesse processo natural, ou seja, foi preciso se interferir nessa relação que o homem tinha com a natureza porque era precisa consumir mais. Então o homem teve de colocar o seu artifício em prol de sua sobrevivência. Ele não esperava que as plantas e as árvores o oferecessem passivamente seus frutos, então começou a plantar árvores que me dessem aquilo de que precisava, começou a cultivar a terra para que ela produzisse com maior intensidade aquilo que o dava seu sustento e alimento. Lógico que, para que a terra fosse cultivada, o que havia nela antes precisaria ser retirada. Então o homem desmatava, formava um campo e, naquele campo, cultivava.

Houve interferência na natureza? Houve.

Houve mudança? Houve.

Isso representou transformação, não houve nem dúvida e a sobrevivência. Então o homem passou a interferir. É a diferença dele com outro animal: o homem tem uma inteligência que o faz trabalhar em prol da evolução.

Dentro desse processo de mudança, ele começou a buscar e a pesquisar através da ciência maneiras de fazer com que alguns alimentos crescessem mais rápidos, que se multiplicassem com mais rapidez, que fossem maiores para que o homem pudesse aumentar a produção dentro de um mesmo campo antigo de produtividade. Vimos os alimentos transgênicos, que eram fundidos e transformados geneticamente para poderem ser mais rapidamente desenvolvidos e reproduzidos. É o que se diz que pouco se tem de milho ou de soja que sejam naturais, hoje em dia todo produto é transgênico.

Isso melhorou a nossa qualidade de vida? Existe mais alimento nesse contexto?

Sim. Porém, dentro do processo de transformação, algumas coisas aconteceram que não foram tão positivas. A química, a genética, a transformação, os processos de industrialização da alimentação para poder atender à população mundial acabaram impondo a isso que deveria ser um produto que nos dá energia e saúde outra coisa, ou seja, elementos não naturais à nossa existência que foram transformando a nossa estrutura física. Hoje vivemos mais porque temos mais acesso a alimentos, tratamos melhor as doenças porque transformamos a natureza e fizemos medicamentos dela, mas também produzimos doenças que antes não havia.

É a reação da própria natureza. Ela muda, mas sempre oferece as duas possibilidades, os dois aspectos. Ela não dá para você só a grandeza porque ela sabe que a sua existência tem de desaparecer para que ela continue. A natureza é sábia, como se ela tivesse uma razão nesse contexto.

Nós às vezes pensamos: "Não existe lógica nessa relação", ou seja, a natureza não tem razão ou racionalidade para fazer isso. Nós somos elementos naturais e temos razão, o pensamento, somos submissos a algo maior do que nós, que é essa natureza. Acreditarmos que somos superiores racionalmente à própria natureza porque a transformamos e que isso não tem reação já se torna ingenuidade porque a natureza sempre reage. Aquela terra que foi desmatada deixa de produzir, se ressaca e o terreno transforma-se em uma estrutura desértica que vai gerar uma nova condição dentro daquela região que as pessoas vão ter de se adaptar para sobreviver.

Da mesma forma como eu interferi na natureza, eu a transformei, eu até a devastei, eu ainda preciso sobreviver nela. Se eu a transformei, agora é hora de eu me adaptar e eu me submeter a isso.

O homem faz isso dentro da sua própria habilidade de manipular a natureza na arte ou artificialismo. Vamos citar a tecnologia (que já citei várias vezes; é importante amarrarmos os conceitos). Um dos elementos que hoje em dia apresenta maior mudança, em função da necessidade que temos de evolução, do novo, é a tecnologia. Já falei várias vezes aqui, admito, que sou um admirador grande da tecnologia, sou entusiasta da tecnologia.

Há coisas que às vezes as pessoas ao meu lado acham engraçado, que eu estou ao telefone, mas não estou falando ao telefone, mas estou falando para o telefone. "O que você está fazendo?". Às vezes eu vou preparar o programa e, ao invés ao invés de ficar digitando, eu uso o recurso de leitura, em que você dita e ele escreve. Eu vou ditando para o celular e preparo o programa. Hoje eu estou aqui sentadinho diante do Evaldo Ribeiro – que está fazendo tchauzinho para mim – e estou com o celular aberto porque o programa está ali, os pontos e tópicos que quero trabalhar com vocês estão registrados em uma página de anotação. Eu pego um tema, vou abordando esse tema, registro, mas, ao invés de digitar, eu falo porque falar é mais fácil: eu dito e ele escreve. Ele erra. Como professor de português, falo para vocês que ele comete uns erros, a minha voz é rouca, de vez em quando eu falo uma coisa e ele entende outra, mas mesmo assim ele me ajuda bastante.

É a tecnologia. Ela avança sem parar.

Esse avanço faz com que nós nos transformemos. A mudança faz isso. Hoje em dia as pessoas têm menor habilidade na escrita. As pessoas pegam uma caneta, vão tentar escrever e a letra fica feia porque não têm o hábito de escrever. E não sabem mais o que fazer, não sabem como começar.

Nós não escrevemos mais cartas hoje em dia. A pessoa quer se comunicar com a outra, ela manda uma mensagem de texto, envia um e-mail ou mensagem pelo Messenger, pelo Facebook ou qualquer outro meio de comunicação de rede e geralmente, se acontece algum errinho, o próprio corretor – que é outra coisa fantástica, e que prega peças fantásticas em nós o tempo inteiro – vai corrigindo. O resultado é que perdemos muito da habilidade de escrever. Falamos muito, lemos muito, escrevemos pouco. Chega na hora de você escrever um texto, você acaba tendo certa dificuldade pela falta de prática porque você superou tudo isso.

Leitura é algo que ainda fascina a muitos, mas que não seduz tanto quanto no passado porque hoje você tem uma televisão e um filme; transformou-se a informação em um complexo de imagens.

Isso é mudança? É mudança.

Essa mudança traz acomodação? Traz acomodação.

Ao mesmo tempo em que ela traz uma melhora na qualidade de vida, ela traz uma necessidade de adaptação.

O que eu faço com isso? Eu fico sentado assistindo à televisão, não me mexo, não me locomovo, meu corpo vai se adaptando a essa nova realidade. Como não gasta muita energia, ele acumula essa energia ("vai que amanhã ele precisa"). Pronto. Lá vem a obesidade. O que é essa nossa obesidade senão o resultado do nosso modo de vida?

Hábito de mudança do homem

O que o homem está fazendo hoje percebendo tudo isso? Impondo uma nova mudança na realidade, nós percebemos isso pelo hábito do homem e as mudanças.

Um exemplo interessante desse hábito de mudança é a volta ao estado da natureza. Estamos agora em um processo de resgate da natureza. Nós transformamos a alimentação, tudo aquilo que existia na nossa mesa para que se tornasse mais intenso e em maior quantidade e agora nós percebemos que toda essa interferência gerou uma alimentação rica, mas não necessariamente saudável em todos os sentidos. O excesso de conservantes, por causa da industrialização e da produção em grande escala traz consequências para a nossa saúde, então precisamos trazer de volta o estado mais natural, uma alimentação mais natural.

Você vê hoje em dia em criações que antes eram feitas dentro de um processo industrializado, como a alimentação e medicamento, sendo revertidas. As galinhas estão sendo tiradas de dentro do chão de cimento, com ração específica e estão sendo colocadas de novo na terra para comer milho. Hoje em dia as pessoas vão até a uma feira livre e pedem ovo caipira na cidade. Queremos o ovo caipira porque ele é mais saudável. A pessoa quer uma verdura natural, sem nenhum tipo de agrotóxico, que mata a doença, que torna a doença, mas que leva o agrotóxico para o homem também (porque também consumimos esse agrotóxico). Se o produto químico mata os insetos, por que ele faria bem para nós se o consumirmos?

O homem está resgatando isso, está voltando a isso tudo. Convivemos com muita gente e vamos vemos a tendências acontecendo.

Uma mudança que me impressionou muito ultimamente foi a do abandono da farinha. A minha irmã abandonou tudo aquilo que tinha glúten e passou a consumir outro tipo de produto sem glúten (ela tinha uma certa intolerância a isso). Eu percebi que ela conta com uma riqueza muito grande de mercadoria voltada para esse estado mais natural. Ela vai buscar uma massa de macarrão: ela não é mais feita com farinha, é feita com farinha de arroz com grão de bico e outras coisas. Ela vai buscar uma verdura, ela não pega mais aquela verdura que foi construída dentro de uma plantação gigantesca, ela pega de dentro da horta pública que existe perto da casa dela. Ela procura alimentos mais saudáveis, menos enlatados.

Quer dizer, o homem está abandonando aquele produto industrializado e está voltando ao estado natural. Há programas na televisão que ensinam a pessoa a plantar alguma coisa simples na sacada do apartamento para que tenha acesso a alguma coisa mais natural para melhora de qualidade. O discurso é: a volta à natureza traz melhora da qualidade de vida.

Já vimos o momento em que a transformação da natureza trazia melhora da qualidade de vida e agora estamos vivendo uma nova mudança.

Vamos entender uma coisa: mudar é positivo. Mudar é uma forma de você viver o momento que você está vivendo. Não temos de ter medo das mudanças, temos de compreendê-las, até mesmo porque há mudanças em nossa vida que nem percebemos. A pessoa que você é hoje não é a mesma que foi ontem. Tudo aquilo que acontece com você ontem já influenciou no seu modo de pensar e no seu modo de ser. Suas opiniões hoje são diferentes pelo menos em alguma coisa daquilo que você pensava. Isso é progresso, é natureza, é sobrevivência, é a nossa vida. Então não se deve ter medo de mudanças, devemos procurar é compreendê-la.

Nada justifica mais a importância da mudança do que o conhecimento. Quanto mais conhecimento eu trago, mais me transformo, quanto mais me transformo, mais mudanças acontecem em mim e mais eu sou capaz de compreender as mudanças e até mesmo os valores de voltar um passo se for necessário.

Minha gente, um grande abraço a vocês e até o nosso próximo encontro – que não vai mudar. Estaremos aqui na próxima quinta-feira, às sete e meia da manhã, eu e meu grande amigo Evaldo Ribeiro: grande no coração, tamanho na estatura, mas gente muito boa.

Abraço a todos. Até mais.

♪ [tema acertar é humano] ♪

Você ouviu pela Mundial o Programa Acertar é Humano. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori. Uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil.

Outros Podcasts

018 - Programa Acertar é Humano: de 19/06/2014

#018

No Programa Acertar é Humano do ferido de 19/06 os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram o tema "O aprender e o ensinar" Em qualquer contexto todos que ensinam também aprendem. Como essa experiência acontece com as seleções participantes da Copa do Mundo no Brasil? Na "Dica do Professor", Nélson Sartori abordou o uso correto das palavras "mau e mal". E para fechar o programa, no "Minuto do Coaching", o master coaching, Sulivan França deixou uma pergunta sobre aprendizagem.

017 - Programa Acertar é Humano: de 12/06/2014

#017

No Programa Acertar é Humano do Dia dos Namorados os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori discutem o tema "Relacionamentos". Qual o significado do namoro para a geração de hoje? O que são os relacionamentos superficiais? Como os pais tratam as relações dos seus filhos? Para finalizar o programa o master coach Sulivan França deixa uma reflexão que envolve o Dia dos Namorados e o início Copa do Mundo!

016 - Programa Acertar é Humano: de 05/06/2014

#016

No primeiro programa do mês de junho os apresentadores do Programa Acertar é Humano falaram sobre o tema "Marketing Pessoal e os Níveis de Linguagem", a importância da apresentação da pessoa como profissional. Na "Dica do Professor" Nélson Sartori tirou uma dúvida de um ouvinte e o tema foi o uso "de encontro a/ao encontro de". E no "Minuto de Coaching" o master coach Sulivan França deixou perguntas para a reflexão do ouvinte.

015 - Programa Acertar é Humano: de 29/05/2014

#015

No Programa Acertar é Humano do dia 29/05, o professor Nélson Sartori abordou o tema "Contexto", e como esse conjunto de circunstâncias é interpretado pelas pessoas. Conheça o contexto da verdadeira história de "Chapeuzinho Vermelho". E na "Dica do Professor" Nélson Sartori falou sobre o cuidade que se deve ter ao usar o pronome "seu". E para finalizar o professor deixa a pergunta do "Minuto do Coaching" para o ouvinte refletir.

014 - Programa Acertar é Humano: de 22/05/2014

#014

No dia 22/05, Sulivan Fança e Nélson Sartori falaram sobre "Valores". Quais são os valores da sua vida? O que norteia as suas atitudes? Os valores estão ligados diretamente com as ações e metas da pessoa presentes no dia a dia de cada um. Como você trabalha seus valores hoje? Na "Dica do Professor" Nélson Sartori abordou o uso correto das aspas. E, para finalizar o programa o master coach Sulivan França lança perguntas para reflexão.

013 - Programa Acertar é Humano: de 15/05/2014

#013

Os locutores do Programa Acertar é Humano abordaram no dia de 15/05 um assunto polêmico que é a "Reforma Ortográfica", o que é, o que representa para a nossa língua e o impacto dessa mudança no dia a dia do brasileiro. Na "Dica do Professor" Nélson Sartori falou sobre o uso do verbo pisar. E no final do programa Sulivan França deixa duas perguntas para o ouvinte refletir durante a semana.

012 - Programa Acertar é Humano: de 08/05/2014

#012

Na quinta-feira, 08/05, o tema que foi abordado pelo Programa Acertar é Humano faz parte de um importante exercício realizado dentro de um processo de coaching "Crenças e valores". Essa questão pode ter tanto impacto positivo na vida de uma pessoa, auxiliando na busca de um objetivo, quanto negativo, impulsionando para o lado oposto e destruindo perspectivas, seja na área pessoal ou profissional. Durante a abordagem do tema os locutores Sulivan França e Nelson Sartori fizeram um exercício de reflexão sobre crenças que podem gerar um estado negativo boicotando o alcance de uma meta. Na segunda parte do programa, na "Dica do Professor", Nélson Sartori falou sobre a diferença entre "se não" e "senão". E para finalizar, no "Minuto do Coaching" o master coach Sulivan França deixou uma reflexão sobre crenças para os ouvintes.

011 - Programa Acertar é Humano: de 01/05/2014

#011

No programa do dia 1º de maio os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram um tema relacionado ao Dia do Trabalhador,"A relação dentro do ambiente de trabalho e o poder da persuasão". Dentro desse tema foi discutido o papel e a competência do líder na harmonização do ambiente e a habilidade de conviver com as pessoas de forma carismática. Na "Dica do Professor" Nélson Sartori falou sobre "O uso correto do 'há' com H". E no fim do programa o master coach, Sulivan França, deixou uma pergunta desafiadora para o ouvinte.

010 - Programa Acertar é Humano: de 24/04/2014

#010

No Programa Acertar é Humano de 24/04, os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram o tema "Relações Interpessoais", e a importância de nos relacionarmos bem com as pessoas do meio em que vivemos. A questão da autoestima e da simplicidade ao nos comunicarmos também foram citadas. Na "Dica do Professor", Nélson Sartori falou sobre a "Lógica da Linguagem". E para finalizar, o Master Coach Sulivan França, lançou uma reflexão para os ouvintes no "Minuto do Coaching".

009 - Programa Acertar é Humano: de 17/04/2014

#009

O Programa Acertar é Humano do dia 17/04, faz um alerta sobre o que é e o que não é um processo de coaching. O Master Coach, Sulivan França, dá cinco dicas que ajudam a identificar quando o coach (profissional que aplica o coaching) é ou não um verdadeiro profissional da área. Esse tema discute um assunto importante, sendo que, hoje no Brasil, devido ao crescimento desse mercado, muitos se passam por profissionais de coaching, quando na verdade, não têm nenhuma formação para tal atividade. Outro alerta é sobre as instituições que oferecem curso de formação em coaching, com instrutores que não têm nenhuma ou pouca experiência na área e, muitas vezes, oferecem metodologia abusiva. Na "Dica do Professor", Nélson Sartori, fala sobre "A lógica da estrutura da escrita de algumas palavras". Para finalizar, no "Minuto do Coaching", Sulivan França, deixa uma reflexão para os ouvintes.

008 - Programa Acertar é Humano: de 10/04/2014

#008

O programa terminou com o Master Coach Sulivan França utilizando duas perguntas poderosas sobre o poder das palavras na mobilização positiva de sua programação de vida.

007 - Programa Acertar é Humano: de 03/04/2014

#007

No Programa do dia 03/04, os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram um tema considerado polêmico, "Como entender as necessidades futuras do país com profissionais qualificados". Durante o debate também foi discutido a questão da educação e o processo de desenvolvimento do aluno. Na "Dica do Professor", Nélson Sartori, falou sobre "Lógica do Raciocínio" na forma de expressão da Língua Portuguesa. E o Master Coach, Sulivan França, lançou para os ouvintes, como tema do Minuto do Coaching, uma reflexão sobre a educação.

006 - Programa Acertar é Humano: de 27/03/2014

#006

No programa do dia 27/03, Sulivan França e Nélson Sartori falaram sobre “Os 5 sinais de que o empreendedor não sabe delegar tarefas”. Os apresentadores comentaram como isso pode afetar os resultados das organizações. Em seguida, o professor Nélson Sartori falou sobre a concordância gramatical, na “Dica do Professor”. E, para finalizar, no “Minuto do coaching”, o Master Coach Sulivan França deixa a pergunta da semana para o líder empreendedor refletir.

005 - Programa Acertar é Humano: de 20/03/2014

#005

No programa do dia 20/03 Sulivan França e Nélson Sartori falaram sobre os 5 erros que profissionais geniais podem cometer no trabalho. Apesar da genialidade existem situações em que o profissional deve ficar atento perante o ambiente corporativo. Nélson Sartori também dá a “Dica do Professor” falando sobre as diferenças entre o “há” e o “a”. Para finalizar o Master Coach Sulivan França lança perguntas no Minuto do Coaching.

004 - Programa Acertar é Humano: de 13/03/2014

#004

Neste programa foi abordado o tema sobre as gerações: baby boomers,Y, X e Z e os diferentes comportamentos de cada uma dessas gerações. Sulivan França e Nélson Sartori ainda comentam o relacionamento entre as pessoas de diferentes gerações dentro do contexto corporativo e no relacionamento entre pais e filhos. No momento “Dica do Professor” Nélson Sartori fala sobre o cuidado ao usar a palavra “onde”. E por fim, o Master Coch Sulivan França lança no Minuto do Coaching uma questão para reflexão.

003 - Programa Acertar é Humano: de 06/03/2014

#003

No programa do dia 06/03 Sulivan França e Nélson Sartori falaram sobre o universo da Comunicação Empresarial no ambiente corporativo e sobre a importância do domínio da Língua Portuguesa para o sucesso das relações pessoais e comerciais. O Professor Nélson Sartori ilustrou os problemas com a Língua portuguesa com a sua tradicional charge no momento da dica do professor e o Master Coach Sulivan França lançou mais uma vez seu desafio com questões poderosas no Minuto do Coaching.

002 - Programa Acertar é Humano: de 27/02/2014

#002

Nesse programa, Sulivan França e Nélson Sartori abordam a questão sobre o conceito de o que é e o que não é coaching. São mostrados os 3 pilares básicos desse trabalho e além de ilustrações das diferentes formas de atuação do profissional do coachig.

001 - Programa Acertar é Humano: de 20/02/2014

#001

No momento da dica do professor, foi apresentada a questão do comum no uso equivocado da preposição “para”. O programa terminou com a proposta ao ouvinte de duas questões de avaliação pessoal dentro da dinâmica do “life coaching”.

Programa Foco e Gestão com Sulivan França

De segunda a sexta
9:00 - 18:00

+55 (11) 3670-1770

info@slacoaching.org

Av. Francisco Matarazzo
1400 - SP

Sociedade Latino Americana de Coaching

+55 (11) 3670-1770
info@slacoaching.org

São Paulo - Brasil
Centro de Treinamento
Av. Francisco Matarazzo, 1.350
Água Branca - Cep: 05001-100
São Paulo - Brasil
Sede Administrativa
Av. Francisco Matarazzo, 1.400
Água Branca - Cep: 05001-100
CNPJ: 15.229.739/0001-47
Santiago - Chile
Oficina
Suecia 42, Oficina 02
Teléfono: +56 2 2632 5042
Lima - Peru
Oficina
Plaza Ricardo Palma 107 - San Borja
Teléfono: +51 980 037 494
Cartagena - Colômbia
Oficina
Cr 3 6A Esq. Ed. Jasban 407 - B/Grande
Teléfono: +57 5 655 03 01

Conteúdo Registrado ®
Todos os Direitos Reservados
Cópia Proibida.