PROGRAMA ACERTAR É HUMANO

#050

No primeiro Programa do mês de abril o apresentador e professor Nélson Sartori deu continuidade ao Programa anterior falando sobre o tema “Vulnerabilidade”. O que te desequilibra? Como fazer para se livrar de certos bloqueios que te torna vulnerável perante as situações?

050 - Programa Acertar é Humano: de 02/04/2015

Programa Acertar é Humano (02/04/2015)

Nélson Sartori e Sulivan França

Tempo de áudio
29 minutos e 59 segundos
Legenda
... ➔ pausa ou interrupção do discurso
[...] ➔ palavra/trecho incompreensível
[comentário] ➔ comentários do transcritor

♪ [tema acertar é humano] ♪

Começa agora na Mundial Acertar é Humano, um programa que apresenta crônicas com humor e foco na solução, sempre falando de temas diversos como empreendedorismo, liderança, esporte, atualidades, comunicação entre outros. Tudo isso seguindo a filosofia do coaching.

Programa Acertar é Humano, uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori.

[NÉLSON] Bom dia, ouvinte. Quem vos fala é o professor Nélson Sartori.

Hoje aqui, eu fui abandonado novamente. O meu grande amigo, o Sulivan, mais uma vez está iniciando um curso em outro estado. E eu estou aqui triste.

O Evaldo está fazendo beicinho lá. Ele fica muito carente quando o Sulivan não está aqui.

Na medida do possível, vamos tentar suprir o que é quase impossível: a falta do Sulivan.

Mas vamos continuar o nosso programa. Vamos fazer a segunda etapa do tema vulnerabilidades que fizemos no último programa.

Pessoal, o que são vulnerabilidades? São dificuldades internas. Dificuldades que nós temos.

VULNERABILIDADES

Algumas delas vem conosco desde o nosso nascimento. Outras vão sendo adquiridas durante a nossa vida. Vão se desenvolvendo conforme vamos assimilando crenças, tendo experiências ruins, desilusões, trazendo elementos da própria família, coisas que muitas vezes vão nos desequilibrando e às vezes são imperceptíveis.

Por isso a ideia é que tentemos fazer com que você se aperceba, se note, se perceba dentro de um desses quadros e procure melhorar. Nós temos de procurar progredir sempre, nos desenvolver, precisamos crescer, dar um passo à frente.

Essa é a filosofia do coaching. Você não pode ficar parado na vida. Você tem um objetivo. Você tem uma meta. Então precisamos eliminar tudo aquilo que boicota a sua vida.

Muitas vezes é você mesmo quem se sabota. Essa sabotagem (que o Sulivan fala muito sobre ela), essa autossabotagem. Nós somos especialistas em nos sabotar.

A sabotagem às vezes tem várias origens, nasce de situações que muitas vezes são traumáticas.

Solidão

Uma das vulnerabilidades que hoje em dia é muito forte na vida das pessoas é a solidão. A solidão é um aspecto muito difícil, porque às vezes a pessoa está rodeada, está cercada de outras pessoas e mesmo assim se sente solitária, tem uma angústia muito forte.

E isso por quê? Porque muitas vezes ela vê a si mesma só.

A solidão é porque ela se vê sozinha no mundo. É porque os olhos dela muitas vezes estão voltados só para ela.

Não que isso seja totalmente errado. Nós temos de nos reconhecer como indivíduos, só que não como indivíduos isolados, temos de começar a tomar alguma consciência de que, assim como muita gente precisa de nós, nós também precisamos dos outros.

Nós temos uma função social. É aí que você tem de procurar situações em que você mostre a você mesmo a sua utilidade. E qualquer trabalho, qualquer relação profissional, qualquer relação afetiva traz isso.

Nós às vezes criamos bloqueios. Nós falamos: "Eu sou tão solitário.".

Você teve um problema na vida e muitas vezes relacionado a um relacionamento – essa é uma das motivações muito grandes –, ou então você sofre um afastamento profissional, teve algum tipo de queda profissional: vai aí um problema. Às vezes algo que aconteceu, algum evento na sua vida e aquilo acaba gerando em você uma certa distância dos outros. Você se distancia das pessoas e acaba vivendo dentro da sua ostra no trabalho, junto da família e se afasta das pessoas que procuram você.

Muitas vezes a solidão não é resultado do afastamento dos outros, às vezes a solidão é produto do próprio afastamento da própria pessoa. É ela quem se afasta, ela se sente solitária, mas não procura as pessoas.

Nós temos de nos lembrar sempre que não é sozinho que resolvemos os nossos problemas, nós precisamos às vezes dos outros. Só que o primeiro passo tem de ser dado, muitas vezes, por nós. Nós temos de estar sempre atentos a isso. Não existe uma receita.

Eu também vou errar aqui se eu falar: "Você sempre tem de procurar ajuda", ou "Você sempre tem de fazer sozinho.". Nós temos de tentar buscar a melhor solução para todos os fatos que acontecem em nossa vida.

E aí é o que nós vemos hoje em dia. A solidão acaba se tornando um tema complexo. Um tema complicado. Um tema que sugere, na maioria das vezes, quadros depressivos muito fortes. E esse é o problema maior.

Se você tem quadros depressivos que podem gerar em você atitudes negativas (como nós falamos, o negativismo, na semana passada), o negativismo é um ponto ruim porque essa solidão gera depressão, a depressão gera negatividade e você começa a cair em um buraco. Isso não pode acontecer.

É importante saber o seguinte. Quando percebemos que não conseguimos uma solução sozinhos, temos de procurar sim ajuda fora de nós, se não uma ajuda clínica, às vezes uma ajuda profissional. É importante que tenhamos noção das coisas.

Logicamente os profissionais que vão nos atender precisam ter ética para isso. É a mesma coisa do que quando você vê alguém com um quadro depressivo, isso daí não é o caso do coaching fazer o trabalho com ele porque não é a capacidade, a competência atribuída ao coaching lidar com esse tipo de distúrbio interno, emocional porque a emoção é algo que, dentro das relações técnicas do coaching, não deve fazer parte da avaliação porque o coaching não clinica, não é atribuição dele.

Esse é um problema que muitas vezes acontece. A pessoa tem um problema pessoal, um problema íntimo e procura o coaching. O coach deve ter ética suficiente para poder dizer que esse daí não é um problema dele ou então encaminhá-lo o profissional indicado para lidar com tal.

Tédio

Agora, outro elemento que gera muito isso é a questão do tédio. O tédio seria uma outra vulnerabilidade.

Por que o tédio também é uma vulnerabilidade?

A solidão é uma situação de isolamento.

E o tédio?

O tédio é quando a pessoa não se sente ambientada em lugar algum. Para ele, todas as coisas que são repetitivas são monótonas. Isso deixa ele chateado. Todo relacionamento em que ele fica muito tempo, depois de algum tempo, fica chato.

Olhem como as coisas se combinam, como as coisas se casam dentro desse contexto.

Quando eu me vejo em uma situação de rotina, eu tenho duas atitudes: ou eu me isolo e me afasto daquilo, porque aquilo não é satisfatório.

Ou então eu faço o extremo oposto.

As pessoas que sofrem de tédio, muitas vezes acabam se atirando em aventuras impensadas, em busca de adrenalina, em busca de emoção e acabam perdendo o controle sobre si mesmas.

Esse é o outro problema. Não é não? Imagina. Eu sou compulsivo. Eu faço tudo aquilo que está no meu coração sem o equilíbrio da razão.

Pessoal, nós temos dois pontos que devem ser trabalhados. Eu tenho os meus aspectos instintivos de sobrevivência, mas eu tenho a minha razão. Eu tenho o meu coração e eu tenho a minha razão; as duas coisas devem ser equilibradas. Se deixar levar por uma sem que a outra estabeleça uma relação, não adianta eu ser uma pessoa absolutamente racional e aí fria na vida e no relacionamento porque aí eu não vou encontrar harmonia.

Você realmente vai cair em situações de frustração (que foi um dos primeiros tópicos que nós falamos de vulnerabilidade) porque você mais uma vez estará dentro daquela situação de tédio. O relacionamento é tedioso. O trabalho é tedioso. A convivência é tediosa. O resultado: você se afasta e se torna solitário.

Vejam como as coisas acabam se tornando um grande complexo, um grande emaranhado, uma rede de problemas que vão sendo trazidas uma pela outra. E isso porque às vezes não percebemos que temos um problema.

Em tese, todos nós temos alguns problemas. Todos nós precisamos fazer uma análise. Todos nós precisamos procurar um acompanhamento de um profissional nessa área.

Isso porque nós estamos estabilizados a vida toda? Não.

É importante termos consciência de que sozinhos caminhamos uma parte, mas levamos alguns conosco e somos trazidos por outros; estamos sempre acompanhados.

É uma percepção, uma sensibilidade que pode fazer com que você perceba que os outros precisam de você e você precisa dos outros, que pode talvez eliminar a sua questão de solidão, que vai fazer com que você supere a sua ansiedade e saia do tédio. O tédio na verdade é uma insatisfação pessoal.

Existem psicanalistas que dizem que a questão do tédio pode trazer um problema alternativo: a busca pela emoção e pela adrenalina. É como se você precisasse saltar de um prédio todos os dias para poder ter emoção.

E aí o que você faz? Você cai em um ciclo de vícios, porque a adrenalina também é um vício. Você fica buscando emoções e não fica satisfeito quando a sua vida traz uma grande emoção.

Até que ponto você vai? Até qual situação você se leva?

Então é importante termos em mente que temos muitas vulnerabilidades, muitas fragilidades na nossa vida.

Todos têm fragilidades e essas fragilidades devem fazer parte da nossa vida, devem ser reconhecidas, compreendidas e trabalhadas e para que não se tornem um dos nossos pontos negativos, fechados, absolutos, sem solução, porque isso nos caracterizaria.

Olha o negativo vindo ali! Olha o apressadinho! Olha o frustrado! Olha o solitário! O isolado! O Casmurro, como se dizia no passado.

Nós não podemos ficar presos justamente ao que são rótulos.

Muitas vezes esse tipo de vulnerabilidade nos prega rótulos, rótulos que nós mesmos nos colocamos.

Quanta gente acorda e fala assim: "Eu sinto muita tristeza e muita angústia. Eu vivo com muita depressão."? A pessoa se impõe a própria depressão, e isso pode gerar problemas sérios para ela.

Pessoal, nós temos sempre dois lados para a coisa.

Sobrecarga de trabalho

Quer ver um outro lado que acaba se tornando negativo e uma grande vulnerabilidade? É a sobrecarga de trabalho. Quanta gente não se sobrecarrega de trabalho?

"Eu vou buscar uma solução para minha vida no trabalho" e acaba se tornando uma boia, uma tábua de salvação, uma segurança que ele procura.

A vida inteira o que ele trabalha o que ele faz? Trabalha, trabalha, não fica em casa, vai trabalhar. Não está bem com a família, sai e vai trabalhar. Está solitário, vai trabalhar. O trabalho acaba se tornando para ele o aconchego da vida.

Eu falo assim: "Minha gente, o trabalho é uma das partes importantes da nossa vida.". Quando você coloca no trabalho toda a sua carga afetiva, efetivamente você se afasta do restante das coisas.

Sem contar que muitas vezes temos outro problema que não é nem esse. Nós temos a prepotência de acreditar que nós somos os únicos capazes de fazer todas as coisas e acabamos por abraçar o mundo, ou para poupar os outros ou então para se garantir.

E aí você soma todos os trabalhos na sua mão. Não é isso? As pessoas se encostam em você e você acaba acreditando que o mundo não anda se você não estiver ali. Eu garanto para você que ele andou muito antes de você nascer e vai continuar no mesmo ritmo depois que você sair dessa.

Então não adianta ficar preso a algumas coisas. Divida sua vida. Divida o seu dia. Veja tudo o que é possível para que você seja uma pessoa realizada.

Nós falamos disso porque um dos trabalhos do coaching é realmente avaliar a questão profissional, se você é realizado, se você consegue atingir os seus objetivos através de você mesmo.

Qual é o papel nessa situação do coaching?

É criar ferramentas para que você crie metas e atinja os seus objetivos. Essa é uma preocupação que você deve ter, só que com harmonia.

Esse já é um pensamento que você deve ter, que não é o profissional que vai te dar, você precisa ter consciência dos seus limites, precisa ter consciência de que você – mais uma vez – não é o único e não pode ficar preso dentro dessa célula fechada sua, dentro do trabalho, como se você fosse insubstituível. Isso é uma outra paranoia. Uma ingenuidade muito grande.

As pessoas fazem isso. As pessoas criam uma relação de dependência e acreditam que a dependência é recíproca. "Eu preciso desse trabalho, desse desemprego, dessa profissão, assim como todos precisam de mim.".

Todos são necessários, mas nós não estamos sozinhos nesse mundo. Bem ou mal, sempre vai haver alguém para oferecer aquilo que você abriu mão de oferecer. As oportunidades vêm e, quando você não as pega, alguém pega em seu lugar. Entenda. Não é a sobrecarga e pegar todo o trabalho para você que vai resolver o seu problema, por mais competente que você seja.

As pessoas, realmente, veem isso. "Ele carrega o mundo nas costas. Ele faz mais do que qualquer outro.".

Parabéns. Todos os outros vão se encostar em você. E não pense que isso pode acabar se tornando algo positivo. Não. Você vira a âncora dos outros. Só que uma âncora afunda. Não é segurança, é comodidade.

Isso daí dentro da própria família. Quanta gente não faz isso? Colocar um como mantenedor, se encostar no relacionamento e cobrar do outro uma estabilidade, acabando o mantenedor, por conta disso, não sendo capaz de dialogar e de dividir funções, se sobrecarregando. Com a desculpa de uma dificuldade financeira, um dos dois que formam a família, o casal, se sobrecarrega de trabalho. Em prol de uma estabilidade financeira, ele abre mão da vida. Pense bem se isso vale a pena.

Eu não vivo. Como professor, eu já tive muito isso na vida. Os professores são aqueles que trabalham manhã, tarde, noite, muitas vezes em final de semana e são cobrados pela família. Principalmente quando você trabalha dentro das escolas normais, que você tem provas, tem planejamento, você tem trabalhos para corrigir, o seu trabalho é intenso e continuo. Até mesmo pelo próprio aspecto do salário ser baixo, as pessoas se sobrecarregam de trabalho.

É importante às vezes que você pare e reavalie a sua vida profissional. Sim, é isso daí. Nunca é tarde. Você reverte esse quadro e vai procurar uma situação em que você seja o participante da sua vida e não só o coadjuvante. Nós somos coadjuvantes da nossa própria vida. Nós temos de ser atores dessa nossa vida: agir, participar, ser feliz e fazer coisas que mereçam destaque para nós mesmos.

Essa é uma síndrome do momento. Por que nos tornamos vulneráveis quando trabalhamos demais? Quando assumimos muitas tarefas?

Porque somos vulneráveis, porque acabamos caindo em situações e assumindo muitas vezes compromissos financeiros que se tornam uma espécie de ópio da nossa vida.

É a falta de controle financeiro, é a falta de administração das necessidades, é o próprio consumismo. O que você faz? Escravizado pela necessidade de sustentação desse tipo de pensamento, você se sobrecarrega de trabalho.

Então nós temos duas situações que devem ser avaliadas. Vejam como uma situação traz a outra.

Às vezes ele se torna uma muleta. Não uma âncora, mas o trabalho se torna uma muleta.

Muleta em que sentido? Através do meu trabalho que eu sustento as minhas outras deficiências e vulnerabilidades, o meu consumismo exagerado, a minha solidão. Tudo isso é canalizado para o trabalho.

E lembre-se, a tecnologia está aí. As pessoas com novos preparos, novas ideias.  Então não pense que você vai ser alguém que eternamente, vai desenvolver esse tipo de função e ser aceito por todos com aquela sua competência. Por mais que a experiência e o conhecimento sejam e devam ser valorizados, às vezes você tem a necessidade de abrir espaço para que os que vêm atrás possam caminhar.

O que adianta você concentrar tudo isso em você? Às vezes você precisa trabalhar menos, estudar mais, conhecer mais pessoas, se relacionar melhor para poder, durante e dentro da sua convivência, criar relacionamentos que sejam melhores para aqueles que estão a sua volta, mas principalmente para você.

Você tem de procurar o contrário da sua vulnerabilidade. Onde estão as suas forças? Onde estão as suas conquistas? Onde estão os seus pontos fortes e que podem ser oferecidos aos outros e a você? Então esse é um dos pontos importantes.

Nós nos boicotamos muitas vezes, nos sabotamos, criamos uma expectativa positiva para nós, só que às custas de um sofrimento, ou então de desgastes, que nos torna muito mais vulneráveis do que realmente poderosos.

Eu volto a falar. É possível realizar isso sozinho? Nós conseguimos resolver esse problema sozinho? Não.

Então o primeiro passo é você avaliar quais são essas suas vulnerabilidades. Se pergunte se você se sente uma pessoa solitária, se você tem tédio, se você se sobrecarrega no seu trabalho.

Esses foram os três pontos que nós trabalhamos hoje dentro dessa nossa série de trabalho das vulnerabilidades.

Ainda teremos mais pontos que abraçaremos nos próximos programas. Essa é uma série que vem buscar que você faça uma reflexão e procure um melhor caminho para sua vida.

Então eu, plagiando o meu amigo Sulivan, deixo a você uma pergunta hoje.

VOCÊ SE ACHA UMA PESSOA SOLITÁRIA?

Então avalie o que você tem feito contra você para se sentir assim solitário e o que você pode fazer seriamente para resolver esse tipo de situação.

O que você poderia fazer? Quem você poderia procurar? O que você poderia buscar para que o problema de solidão fosse resolvido? O que as outras pessoas que sentiram solidão e resolveram o seu problema fizeram? O que você pode fazer por você também e que não está fazendo no momento?

Minha gente, uma boa semana para todos vocês. Um forte abraço e bom feriado a todos nessa véspera de Semana Santa, de Sexta-Feira Santa. Todos juntos com a família e alegria a todos. É isso que nós esperamos sempre. Que todos sejam felizes e vençam as suas vulnerabilidades. Um forte abraço a todos! Um forte abraço ao Evaldo, meu amigo! Até mais.

♪ [tema acertar é humano] ♪

Você ouviu pela Mundial o Programa Acertar é Humano. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori. Uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil.

Outros Podcasts

077 - Programa Acertar é Humano: de 24/03/2016

#077

076 - Programa Acertar é Humano: de 17/03/2016

#076

Neste programa o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre o poder que a mídia tem atualmente, sendo ao mesmo tempo a heroína e vilã.

075 - Programa Acertar é Humano: de 10/03/2016

#075

Neste programa o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre o tema "virar a mesa", ou, dar a volta por cima, transformar alguma coisa ruim em algo bom. O que é preciso fazer para virar a mesa?

074 - Programa Acertar é Humano: de 03/03/2016

#074

"Escrevendo nossa história" - você é passivo ou ativo quando se fala da história da sua vida? O professor e apresentador Nélson Sartori traz esse tema no programa do dia 03/03/2016.

073 - Programa Acertar é Humano: de 18/02/2016

#073

O professor e apresentador, Nélson Sartori, fala neste programa sobre "juventude eterna". Como as pessoas têm tratado esse tema como um sonho, um desejo, que, muitas vezes, pode trazer sérias consequências.

071 - Programa Acertar é Humano: de 04/02/2016

#071

No Programa de véspera de carnaval, o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre as relações humanas e comunicação nas redes sociais.

070- Programa Acertar é Humano: de 28/01/2016

#070

O apresentador e professor Nélson Sartori continua a entrevista com o master coach e presidente da SLAC Coaching, Sulivan França.

069 - Programa Acertar é Humano: de 21/01/2016

#069

Em mais um Programa Acertar é Humano o apresentador Nélson Sartori entrevista o presidente da SLAC Coaching, Sulivan França. O profissional conta sua história como profissional de coach.

068 - Programa Acertar é Humano: de 31/12/2015

#068

No último dia do ano de 2015, o apresentador Nélson Sartori faz uma retrospectiva dos temas destaques que foram abordados durante o ano.

067 - Programa Acertar é Humano: de 03/12/2015

#067

Dando continuidade ao projeto de esclarecimento de pesquisa o apresentador Nélson Sartori traz mais uma vez ao programa o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva.

066 - Programa Acertar é Humano: de 19/11/2015

#066

Em mais um Programa Acertar é Humano o apresentador Nélson Sartori bate um papo com o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva. Neste programa o tema foi conflitos no Oriente Médio.

065 - Programa Acertar é Humano: de 12/11/2015

#065

No Programa Acertar é Humano de 12 de novembro o professor Nélson Sartori leva ao programa o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva. O tema abordado foi a tragédia de Mariana.

064 - Programa Acertar é Humano: de 01/10/2015

#064

O apresentador e professor Nélson Sartori fala sobre um tema muito importante na vida de todos: a esperança. Quem tem esperança tem dentro de si otimismo e felicidade. Como seria possível projetar uma história para a sua vida sem ter esperança?

063 - Programa Acertar é Humano: de 24/09/2015

#063

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori traz uma reflexão sobre a passagem que todos farão. Como você tem cultivado o que é importante para você? Como será a sua partida? Como você gostaria que ela fosse?

063 - Programa Acertar é Humano: de 17/09/2015

#063

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori aborda o tema “medo de mudar”. Como lidar com momentos de necessidade de mudança? Como deixar a zona de conforto?

062 - Programa Acertar é Humano: de 10/09/2015

#062

Neste Programa Nélson Sartori aborda o tema “missão de vida e como lidamos com ela”. Todo nós temos uma missão de vida e criamos projetos. Como administrar esses projetos para que a missão não falhe?

061 - Programa Acertar é Humano: de 25/06/2015

#061

No Programa Acertar é Humano do dia 25/06 o professor Nélson Sartori comentou sobre “Acreditar em si mesmo para realizar algo”. Você sabia que o maior sabotador das suas conquistas é você mesmo? Autossabotagem é quando você coloca as próprias barreiras em volta de você. Ouça o Programa e saiba mais!

060 - Programa Acertar é Humano: de 18/06/2015

#060

Neste Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori abordou a questão do "Tempo" – Você conhece alguém que diga que tem muito tempo e que o tempo tem demorado a passar, que o dia a dia tem sido muito longo? Dificilmente. O tempo é a grande preocupação de todos. Todos temos a sensação de que o tempo tem passado cada vez mais rápido. Qual a justificativa da ciência sobre essa percepção?

059 - Programa Acertar é Humano: de 11/06/2015

#059

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori falou sobre “Alguns dos grandes empresários que foram referência no mundo pelos grandes feitos. E esses cometeram erros? Quais?”. Conheça um pouco da história de homens de sucesso!

058 - Programa Acertar é Humano: de 04/06/2015

#058

No feriado de 04/06 o professor Nélson Sartori abordou o tema “As principais queixas dos empreendedores”. Quais são as dificuldades que o novo empreender enfrenta quando vai abrir um negócio?

Programa Foco e Gestão com Sulivan França

De segunda a sexta
9:00 - 18:00

+55 (11) 3670-1770

info@slacoaching.org

Av. Francisco Matarazzo
1400 - SP

Sociedade Latino Americana de Coaching

+55 (11) 3670-1770
info@slacoaching.org

São Paulo - Brasil
Centro de Treinamento
Av. Francisco Matarazzo, 1.350
Água Branca - Cep: 05001-100
São Paulo - Brasil
Sede Administrativa
Av. Francisco Matarazzo, 1.400
Água Branca - Cep: 05001-100
CNPJ: 15.229.739/0001-47
Santiago - Chile
Oficina
Suecia 42, Oficina 02
Teléfono: +56 2 2632 5042
Lima - Peru
Oficina
Plaza Ricardo Palma 107 - San Borja
Teléfono: +51 980 037 494
Cartagena - Colômbia
Oficina
Cr 3 6A Esq. Ed. Jasban 407 - B/Grande
Teléfono: +57 5 655 03 01

Conteúdo Registrado ®
Todos os Direitos Reservados
Cópia Proibida.