PROGRAMA ACERTAR É HUMANO

#035

No programa do dia 13/11 o professor e apresentador Nélson Sartori falou sobre “Hábitos”. Como algumas manias podem agregar ou trazer dificuldades à rotina? Qual o efeito em nossas vidas ao obter hábitos positivos? Para fechar o programa Nélson deixou a pergunta no “Minuto do Coaching” e, em seguida, na “Dica do Professor”, explicou a diferença e o uso correto de “mais e mas”.

035 - Programa Acertar é Humano: de 13/11/2014

Programa Acertar é Humano (13/11/2014)

Nélson Sartori e Sulivan França

Tempo de áudio
28 minutos e 13 segundos
Legenda
... ➔ pausa ou interrupção do discurso
[...] ➔ palavra/trecho incompreensível
[comentário] ➔ comentários do transcritor

♪ [tema acertar é humano] ♪

Começa agora na Mundial Acertar é Humano, um programa que apresenta crônicas com humor e foco na solução, sempre falando de temas diversos como empreendedorismo, liderança, esporte, atualidades, comunicação entre outros. Tudo isso seguindo a filosofia do coaching.

Programa Acertar é Humano, uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori.

[NÉLSON] Bom dia, ouvinte Mundial. Aqui quem fala é o Professor Nélson Sartori, hoje órfão. O meu paizinho Sulivan me abandonou. Abandonou não. O coitado está trabalhando no Rio de Janeiro, está vindo para cá. Fazendo lá os seus eventos junto com a SLAC Coaching, representando a empresa de coaching aqui no Brasil e eu vim representá-lo, estou fazendo o papel de dois.

Sempre que o gato sai o rato faz a festa. Então mais uma vez está o ratão aqui.

Hoje nós vamos falar de uma coisa que está na rotina das pessoas, são os hábitos. Nós temos vários hábitos, costumes, manias, frescuras e alguns chamam até de idiossincrasias. São coisas que nós fazemos, fazem parte do nosso dia a dia. Algumas muito boas, outras muito ruins. Algumas nos trazem satisfação, prazer e outras associadas a isso trazem as dificuldades, os bloqueios, os vícios.

HÁBITOS

O que é o hábito, como que funciona?

O hábito acaba se tornando um trabalho de rotina, só que ele é sempre disparado por um gatilho em que se busca uma recompensa.

O que é isso?

Por exemplo o fumante. O fumante tem o hábito de fumar que está associada ao vício, mas ele tem hábitos que sustentam esse vício. A pessoa acorda e a primeira coisa que faz é acender o cigarro. Já faz parte do ritual dela, do seu dia a dia.

Então o que ela está fazendo?

Ela não pensa mais. Ela tem o hábito, vai lá e realiza este tipo de trabalho. Você entrou no carro e acendeu o cigarro – precisa.

Naquele horário, no intervalo, ele sempre vai tomar um café e fumar um cigarro.

Então são gatilhos que vão levando a essa prática, esse costume, que traz o problema do vício, da dependência e de tudo que pode causar de ruim a saúde.

Então vício, dependência, dependência social, tudo isso acaba gerando essa estrutura. Às vezes você tem uma dependência social que se torna um hábito. Como é uma dependência social? Você depende de alguém para fazer tudo para você.

Então você está habituado a esperar pelos outros. Ao invés de você dar o primeiro passo, aguarda que alguém faça alguma coisa. Você precisa de um estímulo para a sua vida só que esse estímulo não vem de você. Se alguém não pedir, mandar, você não faz.

Você acha que o seu trabalho é inútil, então precisa ter uma recompensa para que realize aquela ação, sua função e na maioria das vezes a recompensa é o não fazer. Então nós deixamos.

É a criança que se levanta todos os dias e deixa a cama para a mãe arrumar, sendo que ela poderia arrumar. Aquilo não vai ser ruim para ela, se arrumar a cama. Vai trazer uma série de benefícios, porém o hábito de se acomodar, de esperar que alguém faça algo por você, vai gerar no futuro hábitos novos.

Ou seja, que são hábitos positivos, sem iniciativa?

Não. A própria iniciativa é um hábito. Existem aqueles que não esperam por ninguém. É o outro lado do hábito. Não aceita, confia, ele tem de sair fazendo. Deu a ideia, ele vai lá e faz, realiza.

É positivo ser um grande realizador?

É positivo, só que muitas vezes você se torna isolado, porque não tem pessoas acompanhando o seu ritmo. Em algumas coisas isso pode ser bom.

Se você for um empreendedor que está lançando produtos no mercado, construindo a sua relação, o seu nome no mercado, é importante ser arrojado, mas se está dentro de uma empresa, é um líder e precisa da colaboração dos seus próprios colaboradores. Mas se você assumir tudo na sua mão, acaba gerando uma acomodação dos seus funcionários. Ninguém faz coisa alguma sem que você esteja presente. Isso gera neles um mau hábito, porque eles têm a segurança de que você vai fazer, o risco é todo seu, do líder.

Então o que acaba acontecendo?

Ele espera sempre que você apareça para dar o primeiro passo. O gatilho é você.

E qual é a recompensa que ele tem dentro desse universo?

É a segurança de que se tudo sair certo, ele não terá problemas. Se alguma coisa sair errado, você será o responsável por tudo.

Então o que nós precisamos fazer é aprender a criar hábitos bons e abandonar hábitos ruins, justamente conhecendo quais são os mecanismos.

Qual é a forma e como funcionam os hábitos? Como eles trabalham nessa estrutura?

Os hábitos têm exatamente três pontos importantes. O primeiro ponto dele é gatilho.

Gatilho

É aquilo que motiva você a gerar a rotina. Depois é a própria rotina. Aquilo que você faz todos os dias. E o que nós chamamos de resultado, recompensa, é aquilo que vem a partir dessa sua rotina. Não necessariamente, uma recompensa pode ser algo positivo. Você tem gatinhos que levam à rotina e ela traz a você uma satisfação imediata, porém com mais prejuízo do que prazer. É o caso dos vícios, como nós falamos do cigarro.

A mesma coisa acontece com a pessoa que tem facilidade de engordar. Muita gente tem a facilidade de engordar e muitas vezes é o hábito que faz isso. Eu gosto sempre de antes das refeições, ir e tomar um aperitivo. Pronto, esse é o meu hábito, só que ele engorda, é extremamente calórico, faz mal para mim.

Agora, o que gera, impulsiona, isso?

Impulsiona talvez aquela minha rotina. Eu sempre, antes do almoço, vou com alguns amigos até aquele bar, restaurante. Ou seja, existe toda a relação social e eu gosto daquele ambiente porque eu converso com os meus amigos. Então eu aproveito. Como eu não estou fazendo nada, vou lá e bebo alguma coisa.

Isso vai fazer que eu tenha como resultado engordar. Eu estou socialmente integrado, mas veja o que está acontecendo. Eu estou criando um hábito que traz um resultado negativo e que tem como motivação a minha relação social.

Então quando chega nessa hora é preciso quebrar esses hábitos e criar novos hábitos. Descobrir, por exemplo, o que está causando tudo aquilo. O que faz com que essa rotina aconteça? É a relação social? Então o que você precisa fazer é tentar quebrar essa rotina criando gatilhos diferentes.

Por exemplo, experimentar é a melhor coisa. Identificar. A primeira coisa disso tudo é você identificar qual é a rotina que está te fazendo mal.

Você está com excesso de peso e você já constatou que isso não é movido por nenhuma disfunção orgânica. Pode ser através de uma rotina, um hábito.

Todas as noites eu como pipoca. Todas as noites quando começa a novela, eu preciso ter uma sobremesa, um doce. Então aquilo me lembra, é quase que automático.

Chega uma hora que isso se torna um hábito, um costume, faz parte da minha rotina e eu não percebo que está me fazendo mal. Eu preciso romper com isso.

A primeira coisa é buscar outras recompensas. O que eu vou ganhar em transformar a minha rotina?

Eu vou substituir aquela guloseima por um chá, vou tentar mudar um pouco esse aspecto da minha rotina.

Dessa maneira o que eu faço?

Eu tenho que tentar isolar esse gatilho que me impulsiona.

Todas as vezes, eu vou assistir a minha novela. O que me faz mais bem? Assistir à novela ou melhorar a minha qualidade de vida?

Então de repente eu preciso mudar a minha rotina. Como eu vou mudar a rotina?

Ah, eu não quero perder a novela. Põe a novela para gravar, assista em um outro momento em que você não vai realizar aquilo que você está acostumado a fazer, comer.

Existem problemas que se tornam seríssimos em nossa vida. A questão da obesidade no país, no país não, no mundo e muitas vezes isso é motivado por gatilhos que geram rotinas, nos fazem mal e nós não percebemos. Procure fazer isso, dar uma olhada em quais são as coisas que você gostaria de mudar nos seus hábitos.

Tem gente que gosta de comer à noite. Antes de dormir vai e enche o prato. Qual é a recompensa que você tem com isso?

Você tem o prazer da alimentação, mas de repente, você tem um sono pesado, está engordando, está tendo dificuldade de trabalhar durante o dia, por que aquilo está gerando desconforto.

O que você precisa fazer?

Mudar de hábito. Para isso você vai ter de transformar alguma coisa, nem que para isso tenha de fazer um novo plano. O plano é uma das melhores maneiras de você identificar os hábitos, as rotinas, intensificar aquilo que é positivo e romper com o que é negativo.

Então é importante, eu tenho que ter uma estratégia. Muitas vezes nós não conseguimos fazer isso sozinhos.

Então a pessoa tem um problema de obesidade, ela vai até um médico. O médico vai tentar criar, caso se perceba que não é um problema orgânico, novos hábitos, uma nova rotina.

Então ele vai falar: "Todos os dias você vai acordar e vai tomar dois copos de água, antes de entrar no processo do café da manhã.".

Você vai mudar, deixar de comprar aquele pãozinho na padaria todos os dias e vai começar a comprar um pão integral, só que você vai comer duas fatias. É ela que tem de estar na sua mesa, não pacote de pão. Tira o pacote de pão de cima da mesa, deixa no armário, coloca apenas aquelas duas fatias.

Sempre você vai ter uma fruta e coloque a fruta mesmo que você não esteja com vontade. Monte a sua mesa, crie. Essa é a minha mesa do café da manhã. Aqui está o que eu devo e posso comer. Eu não vou fugir disso.

Dessa maneira você vai criando novos hábitos, rotinas. Vá variando dentro dessa estrutura. É isso que o médico vai falar para você. Não coma nos intervalos das refeições. Pare de comprar uma guloseima. Muitas vezes nós somos obrigados a fazer isso.

Você tem um filho que está engordando bastante em casa e percebe que ele não tem o controle dos hábitos. Foi você quem plantou esse hábito. O pessoal toma muito refrigerante que só faz mal a ele. Ou então a pessoa come muito doce. Quem está levando esse doce? Você vai ter de substituir aquilo por outra coisa.

Criar uma atividade dentro daquele espaço em que a criança está vivendo dentro de sua casa. Ou seja, comendo sentado na frente da televisão e comendo o tempo inteiro. Vai ser obrigado a criar uma atividade para ele. Vai levá-lo a um esporte, fazer alguma coisa, criar uma nova atividade, rotina.

Então como que nós criamos novos hábitos?

Não adianta só eu constatar os hábitos ruins e eliminá-los. Eu preciso criar hábitos bons, porque afinal de contas tenho que progredir também dentro de minha vida. Então uma das maneiras de fazer isso é buscar estímulos positivos, exemplos com outras pessoas. O que ele faz que é bom e que eu poderia fazer também? O que ele tem na rotina dele que eu percebo que poderia colocar em minha rotina?

Por exemplo, você quebrar a acomodação. Existem coisas que se faz planejadamente e que podem gerar esse tipo de estrutura.

Um dos exemplos que os clássicos, os autores que trabalham com essa questão do hábito, é o estacionamento.

Empresas que colocam o nome dos seus representantes dentro das vagas, principalmente empresas de maior porte que têm o nome do gerente sempre nas melhores vagas, debaixo das árvores, na sombra, perto da saída.

Aquilo cria uma acomodação nas pessoas. E elas se acomodam, então sabem que não terão problema para procurar um lugar para estacionar, poderão chegar em cima da hora. E essa acomodação podem gerar uma apatia, fazendo com que elas sempre se atrasem porque elas estão sempre no limite.

Uma das providências que podem ser tomadas e que nos exemplos clássicos são dados, é o seguinte: Tira o nome de todo mundo.

Porque se tira o nome de todo mundo da vaga?

Porque agora não existe mais vaga preferencial. Mas qual é a vantagem? Eu não tenho méritos para isso? Sim, porém o seu mérito está causando um prejuízo. Esse gatilho que tinha tido todos os dias e dá comodidade, criou uma rotina negativa para você, então vamos tirar o nome e, agora, quem chegar mais cedo coloca na vaga melhor. Isso vai estimular a maioria das pessoas a chegarem mais cedo. Com isso elas não vão atrasar, terão mais tempo, terão menor preocupação com o trânsito.

Então eu resolvo o problema não necessariamente criando outro, mas criando um estímulo.

Eu criei o gatilho, aquilo que vai gerar o hábito. Isso tudo é produto de um projeto. Eu crio um projeto, eu faço um planejamento daquilo que eu preciso. Muito disso é questão de organização. Muito do que nós fazemos em nossa vida de errado, é porque não somos organizados.

Eu sei que é muito difícil falar sobre organização. A minha esposa deve estar rindo em casa quando me ouve falando assim, porque ela disse que eu não sou o melhor exemplo de organização, sou meio caótico. Eu tenho a minha organização que não necessariamente está dentro do padrão dela. Pode ser que isso aconteça.

Eu não estou falando que você tenha de seguir a rotina dos outros em tudo o que eles fazem. Você pode tê-los como exemplo, mas muitas vezes a sua própria rotina, o seu trabalho, os seus estímulos, podem levá-lo a uma condição própria.

Mas é importante que você tenha o próprio planejamento, gatilho? É importante sim.

Existem pessoas que acordam preocupadas, ele é um gatinho ao vivo. Então ele está procurando o tempo inteiro coisas para resolver. Ele é um resolvedor de problemas. Só que essa pessoa acaba criando esse hábito assistencialista e se isolando no mundo, ele se imuniza.

"Eu estou aqui para ajudar as pessoas", mas não se ajuda. Esse é um outro hábito que muitas vezes acaba se tornando ruim. Sem contar aquela acomodação. Nós, nos acomodando na vida, passamos a abandonar bons hábitos.

Nós, quando éramos pequenos, mas falando por mim, havia questões de educação que você percebeu no mundo e que era convencional, habitual.

Então você não via, por exemplo, uma pessoa, criança, andando na rua e encontrando uma carteira de alguém que tivesse perdido e simplesmente ficando feliz porque tinha encontrado um produto que lhe daria benefícios. Isso não era comum. O comum era buscar uma maneira de devolver para a pessoa.

Então vejam só, são comportamentos movidos por um processo de educação que vai gerando um hábito, modo de enxergar a vida. Ele está habituado a ter uma rotina integral na sua vida.

Você pode comparar com o que acontece dentro daquilo que nós vivemos em nosso país, quanto às críticas que acontecem hoje em dia. Parece que virou um hábito o que nós temos como conceito de tirar vantagem em tudo.

A famosa lei de Gerson. Veja que aquilo foi um estímulo colocado em uma propaganda de televisão, em que as pessoas criaram o conceito de que elas tinham de ter vantagem em tudo. Não, eu não preciso ter vantagem em tudo. As coisas podem acontecer naturalmente.

Mesmo que eu não ganhe nada com aquilo materialmente, posso ter a satisfação e o prazer.

Quando você associa o conceito de ter vantagem em tudo, como no caso da chamada Lei de Gerson associada a consumir um cigarro, vejam que eu estava procurando criar um gatilho, hábito, que era positivo no que diz respeito à venda de cigarro e ao lucro da companhia, mas extremamente negativo a saúde das pessoas.

Então nós precisamos adotar bons hábitos, criar novas rotinas.

Coisas que nós nos esquecemos. Por exemplo, todos os dias cumprimentar as pessoas. Nós muitas vezes não fazemos isso. Nós chegamos cansados, vemos as pessoas todos os dias, nós passamos e não as cumprimentamos.

É como se ela fizesse parte de minha vida, mas que dispensa esse tipo de relação, ou seja, a de minha educação.

É aquele hábito de beijar a esposa antes de dormir, os filhos. Isso é importante? É lógico que é importante. Esse hábito aproxima e cria uma relação positiva.

Elogiar e reconhecer o trabalho bem feito das pessoas. Existem pessoas que se sentem diminuídas em elogiar o trabalho alheio, como se aquilo comprometesse o seu trabalho. Cada um tem a sua rotina, a vida. Um trabalho bem feito do outro deve ser reconhecido e sempre.

Da mesma forma como ele tem de estar preparado para ouvir crítica. O que não pode acontecer é só a crítica negativa, uma exaltação vazia, mas que as pessoas são muitas vezes são mais dispostas a uma crítica do que a um elogio e quando fazem isso são tendenciosas e não praticam isso coletivamente. Não, pratique coletivamente. Elogie a todos que têm merecimento.

Muitos pais evitam fazer um elogio para o filho, porque acham que vai estimulá-lo e aí vai se acomodar. Não, faça isso, cobre dele, mas também não cobre apenas. Elogie quando ele fizer algo positivo.

Asseio, higiene, isso é um outro hábito que as pessoas relaxam.

"Eu estou cansado, vou tomar o meu banho só mais tarde.". Como se fosse uma rotina alheia aos outros.

"Eu não vou fazer a barba hoje, que é final de semana.". Eu não vou criticar se você não deseja fazer isso, só que são hábitos que você cria.

Isso significa que no dia em que você não estiver trabalhando, não se prepara na sua casa. Você todos os dias sai de casa, faz a barba para ir ao trabalho, mas "como hoje eu não vou trabalhar, me apresento de maneira negativa dentro de casa ao invés de me apresentar de maneira positiva".

Aquela pessoa que anda sempre muito bem vestida, mas dentro de casa junto com a família, com os outros não. Não é que não precise buscar uma roupa mais à vontade, mas parece que ela abandona a existência, fica aquele traste o dia inteiro. As pessoas com quem você se relaciona mais intimamente não conhecem aquela pessoa tão admirada fora de casa porque se veste bem, por exemplo. É uma pessoa sempre muito elegante fora de casa e dentro de casa ela usa bob no cabelo com um lenço. Isso é antigo.

Não é não, Evaldo? Você lembra como que era? Olhava todos os dias a esposa com um lenço e bob no cabelo.

O marido chegava da rua e tinha visto a secretária belíssima dentro do trabalho. As moças andando pela rua todas muito bem vestidas. Ele chegava em casa e encontrava esposa de bob no cabelo e lenço. E ela ia para a cama: dormia. Não sei como conseguia dormir botando a cabeça em cima daqueles bobs, mas fazia isso. Resultado: o hábito dela era de se preparar para quando saia de casa, mas não se preparar para o marido (e o marido vendo aquelas mulheres que têm o hábito de estar sempre muito bem...)

Então crie hábitos positivos. Só enumerando alguns.

— Chegue cedo aos compromissos;

— Tenha uma agenda e procure segui-la;

— Peça com educação, por favor. Nós temos a mania de não pedir nada para as pessoas.

— Gaste dentro do seu orçamento. Esse é um ótimo costume que você deve adotar.

— Guarde dinheiro;

— Planeje férias e descansos em feriados;

— Viaje. Procure viajar.

— Desenvolva uma relação metafísica na vida. Existem outras coisas além do plano material.

— Trabalhe sempre;

— Estude sempre;

— Leia;

— Veja bons filmes;

— Vá a festas;

— Vá a bailes;

— Brinque com os seus filhos;

— Cultive amizades;

— Cultive a relação familiar. A pessoa esquece da família, isso é muito triste.

— Crie momentos particulares e individuais. Você também existe.

— Tenha um hobby;

— Pratique esportes;

— Acorde cedo;

— Durma bem;

— Consuma alimentos saudáveis;

— Faça exames médicos de rotina periodicamente e seja feliz.

Esses são alguns hábitos que você pode adotar.

Então vamos lá. Para nós fecharmos a brincadeira de hoje, vamos deixar então a pergunta que vai motivar tudo isso.

MINUTO DO COACHING

O QUE VOCÊ ANDA FAZENDO ULTIMAMENTE QUE NÃO ESTÁ SENDO BOM PARA VOCÊ, SE TORNOU UM HÁBITO RUIM E PODERIA MODIFICÁ-LO A PARTIR DE HOJE, MUDANDO ESSA ROTINA?

E QUAL SERIA A ROTINA QUE VOCÊ GOSTARIA DE ASSUMIR POSITIVAMENTE PARA PODER TER UMA MELHORA NA SUA QUALIDADE DE VIDA?

Certo? Então esse fica como o conceito do nosso momento do coaching.

Só para fechar, uma dica rapidinha que me pediram esses dias, que era a diferença entre MAS e MAIS.

DICAS DO PROFESSOR

Muita gente coloca o MAIS como se fosse MAS na língua portuguesa e não é.

O MAS é uma conjunção adversativa.

— Eu viria, MAS cheguei atrasado.

E o MAIS já está entrando dentro de uma estrutura de intensidade, um advérbio de intensidade, ou então uma locução comparativa. Ele soma. Enquanto o MAS é negativo, o MAIS é positivo.

— Eu quero MAIS um minuto junto de sua atenção.

Ou seja, eu estou somando informações. Então não misture o MAS e o MAIS. Certo?

Minha gente, esse foi o nosso programa de hoje, esperando que todos vocês adquiram muitos bons hábitos na vida. E ficamos por aqui. Um abraço a todos. Até o nosso próximo encontro e se possível com o Sulivan já voltando ao nosso meio. Um abraço a todos, minha gente. Bom dia.

♪ [tema acertar é humano] ♪

Você ouviu pela Mundial o Programa Acertar é Humano. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori. Uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil.

Outros Podcasts

077 - Programa Acertar é Humano: de 24/03/2016

#077

076 - Programa Acertar é Humano: de 17/03/2016

#076

Neste programa o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre o poder que a mídia tem atualmente, sendo ao mesmo tempo a heroína e vilã.

075 - Programa Acertar é Humano: de 10/03/2016

#075

Neste programa o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre o tema "virar a mesa", ou, dar a volta por cima, transformar alguma coisa ruim em algo bom. O que é preciso fazer para virar a mesa?

074 - Programa Acertar é Humano: de 03/03/2016

#074

"Escrevendo nossa história" - você é passivo ou ativo quando se fala da história da sua vida? O professor e apresentador Nélson Sartori traz esse tema no programa do dia 03/03/2016.

073 - Programa Acertar é Humano: de 18/02/2016

#073

O professor e apresentador, Nélson Sartori, fala neste programa sobre "juventude eterna". Como as pessoas têm tratado esse tema como um sonho, um desejo, que, muitas vezes, pode trazer sérias consequências.

071 - Programa Acertar é Humano: de 04/02/2016

#071

No Programa de véspera de carnaval, o professor e apresentador Nélson Sartori fala sobre as relações humanas e comunicação nas redes sociais.

070- Programa Acertar é Humano: de 28/01/2016

#070

O apresentador e professor Nélson Sartori continua a entrevista com o master coach e presidente da SLAC Coaching, Sulivan França.

069 - Programa Acertar é Humano: de 21/01/2016

#069

Em mais um Programa Acertar é Humano o apresentador Nélson Sartori entrevista o presidente da SLAC Coaching, Sulivan França. O profissional conta sua história como profissional de coach.

068 - Programa Acertar é Humano: de 31/12/2015

#068

No último dia do ano de 2015, o apresentador Nélson Sartori faz uma retrospectiva dos temas destaques que foram abordados durante o ano.

067 - Programa Acertar é Humano: de 03/12/2015

#067

Dando continuidade ao projeto de esclarecimento de pesquisa o apresentador Nélson Sartori traz mais uma vez ao programa o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva.

066 - Programa Acertar é Humano: de 19/11/2015

#066

Em mais um Programa Acertar é Humano o apresentador Nélson Sartori bate um papo com o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva. Neste programa o tema foi conflitos no Oriente Médio.

065 - Programa Acertar é Humano: de 12/11/2015

#065

No Programa Acertar é Humano de 12 de novembro o professor Nélson Sartori leva ao programa o historiador e professor da USP – Universidade de São Paulo, Diogo Silva. O tema abordado foi a tragédia de Mariana.

064 - Programa Acertar é Humano: de 01/10/2015

#064

O apresentador e professor Nélson Sartori fala sobre um tema muito importante na vida de todos: a esperança. Quem tem esperança tem dentro de si otimismo e felicidade. Como seria possível projetar uma história para a sua vida sem ter esperança?

063 - Programa Acertar é Humano: de 24/09/2015

#063

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori traz uma reflexão sobre a passagem que todos farão. Como você tem cultivado o que é importante para você? Como será a sua partida? Como você gostaria que ela fosse?

063 - Programa Acertar é Humano: de 17/09/2015

#063

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori aborda o tema “medo de mudar”. Como lidar com momentos de necessidade de mudança? Como deixar a zona de conforto?

062 - Programa Acertar é Humano: de 10/09/2015

#062

Neste Programa Nélson Sartori aborda o tema “missão de vida e como lidamos com ela”. Todo nós temos uma missão de vida e criamos projetos. Como administrar esses projetos para que a missão não falhe?

061 - Programa Acertar é Humano: de 25/06/2015

#061

No Programa Acertar é Humano do dia 25/06 o professor Nélson Sartori comentou sobre “Acreditar em si mesmo para realizar algo”. Você sabia que o maior sabotador das suas conquistas é você mesmo? Autossabotagem é quando você coloca as próprias barreiras em volta de você. Ouça o Programa e saiba mais!

060 - Programa Acertar é Humano: de 18/06/2015

#060

Neste Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori abordou a questão do "Tempo" – Você conhece alguém que diga que tem muito tempo e que o tempo tem demorado a passar, que o dia a dia tem sido muito longo? Dificilmente. O tempo é a grande preocupação de todos. Todos temos a sensação de que o tempo tem passado cada vez mais rápido. Qual a justificativa da ciência sobre essa percepção?

059 - Programa Acertar é Humano: de 11/06/2015

#059

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori falou sobre “Alguns dos grandes empresários que foram referência no mundo pelos grandes feitos. E esses cometeram erros? Quais?”. Conheça um pouco da história de homens de sucesso!

058 - Programa Acertar é Humano: de 04/06/2015

#058

No feriado de 04/06 o professor Nélson Sartori abordou o tema “As principais queixas dos empreendedores”. Quais são as dificuldades que o novo empreender enfrenta quando vai abrir um negócio?

Programa Foco e Gestão com Sulivan França

De segunda a sexta
9:00 - 18:00

+55 (11) 3670-1770

info@slacoaching.org

Av. Francisco Matarazzo
1400 - SP

Sociedade Latino Americana de Coaching

+55 (11) 3670-1770
info@slacoaching.org

São Paulo - Brasil
Centro de Treinamento
Av. Francisco Matarazzo, 1.350
Água Branca - Cep: 05001-100
São Paulo - Brasil
Sede Administrativa
Av. Francisco Matarazzo, 1.400
Água Branca - Cep: 05001-100
CNPJ: 15.229.739/0001-47
Santiago - Chile
Oficina
Suecia 42, Oficina 02
Teléfono: +56 2 2632 5042
Lima - Peru
Oficina
Plaza Ricardo Palma 107 - San Borja
Teléfono: +51 980 037 494
Cartagena - Colômbia
Oficina
Cr 3 6A Esq. Ed. Jasban 407 - B/Grande
Teléfono: +57 5 655 03 01

Conteúdo Registrado ®
Todos os Direitos Reservados
Cópia Proibida.