icone podcasts

PROGRAMA ACERTAR É HUMANO

#025

No último Programa do mês de agosto (28/08) o apresentador Nélson Sartori abordou o tema “Coaching, educação e sustentabilidade”. Qual a importância do trabalho do coaching para a educação do nosso país? O professor no papel de coach sendo questionador e estimulador do aluno.

025 - Programa Acertar é Humano: de 28/08/2014

Programa Acertar é Humano (28/08/2014)

Nélson Sartori e Sulivan França

Tempo de áudio
26 minutos e 42 segundos
Legenda
... ➔ pausa ou interrupção do discurso
[...] ➔ palavra/trecho incompreensível
[comentário] ➔ comentários do transcritor

♪ [tema acertar é humano] ♪

Começa agora na Mundial Acertar é Humano, um programa que apresenta crônicas com humor e foco na solução, sempre falando de temas diversos como empreendedorismo, liderança, esporte, atualidades, comunicação entre outros. Tudo isso seguindo a filosofia do coaching.

Programa Acertar é Humano, uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori.

[NÉLSON] Olá, bom dia ouvintes. Professor Nélson Sartori falando com vocês. Hoje, mais uma vez na carreira solo.

De vez em quando, meu companheiro, Sulivan França, está fora do estado dando os cursos lá através da SLAC e não pode comparecer, então ele me dá essa difícil tarefa de conduzir o programa sem a presença dele, já que é uma figura importantíssima para o nosso trabalho, mas como já disse para vocês, quando o gato sai o rato faz a festa, então mais uma vez, hoje, é meu dia.

Hoje, nós falaremos sobre um tema que se liga a tudo o que viemos falando normalmente. Falaremos, logicamente sobre o coaching, mas também falaremos sobre educação e sustentabilidade, então falaremos sobre essas três estruturas, procurando associar um pouco do que pode acontecer e da importância do trabalho do coaching para a educação e o nosso país.

COACHING, EDUCAÇÃO, SUSTENTABILIDADE

O que o coaching faz dentro desse universo, desse trabalho?

Tem a proposta de permitir que a pessoa saia de seu estado atual e seja conduzida ao seu estado desejado.

O que é estado desejado, o que é isso?

É a sua meta, o seu objetivo, projeto e é papel do coaching dar um suporte para que isso aconteça, para que se possa alcançar.

Então como se faz para atingir esse estado desejado?

É aí que entra o papel da educação, porque a parte importante para atingir a sua meta, o seu sonho, é o autoconhecimento. É importante que a pessoa se conheça.

Não existe pessoa alguma que pode chegar para nós e determinar quais são as metas que temos na vida. Ninguém pode chegar e determinar: Daqui para frente vai fazer isso, aquilo. Vemos muito isso acontecendo quando o adolescente começa a sua prospecção, procura, na carreira profissional.

É muito comum que vejamos o adolescente buscando seguir os passos do pai, ou porque o pai orienta para isso, ou então porque vê e, aí sim, entra a parte importante, até erroneamente, o estado desejado dele como o status conquistado pelo pai.

Vejam como houve uma mudança significativa nesse tipo de postura, as questões as ambições. Hoje, aquele estado conquistado pelos pais, que é um estado de estabilidade, de acomodação, acabou se tornando o objetivo dos filhos.

Como assim?

Nós vivemos um momento que é resultado do trabalho que fizemos, de nossas conquistas, nossos fracassos, nossas frustrações, ou seja, de nossa vida e, muitas vezes, um resultado não programado.

Quem diz que cada um de nós programou nossa vida, exatamente, como gostaríamos que fosse?

A maioria das pessoas vive, hoje, como resultado daquilo que o mundo e sua história fez com ele.

A questão é que o nosso adolescente, ao invés de buscar a transformação de seu mundo, está buscando o status do passado, aquele que foi conquistado pelo pai e que não era projetado. Esse é um grande problema. É quando vemos que na busca desse estado desejado, acaba perdendo sua personalidade.

A grande dificuldade está em que o nosso jovem adolescente, nesse momento de escolha passa por um forte desequilíbrio emocional.

Está diante do mundo, o mundo foi colocado diante dele e agora precisa tomar decisões. Imagine, todos nós, a dificuldade que é ser adolescente e tomar uma decisão que pode ficar para toda sua vida. Muitas vezes essa atitude, ou essa tomada de posição, vem orientada pelo pai, mas é nesse momento que, talvez, seja importante que seja sim orientada por um especialista, não na vida dele, mas fazer com que conquiste esse autoconhecimento.

Quando o adolescente se conhece, passa a identificar com maior clareza, quais são os seus pontos fortes, positivos, que deve potencializar, mas o mais importante, que é a parte mais difícil de ser enfrentada, é quando conhecemos nossas fraquezas. Conhecer nossas fraquezas permite que melhoremos e que encontremos as soluções para os problemas e, muitas vezes, o adolescente não está preparado para fazer isso sozinho. Por sua vez, nem mesmo os pais estão preparados.

É aí que a educação entra dentro de uma estrutura importante, que é a de ter o seu alto planejamento. É hora de trabalhar educação com planejamento, principalmente levando essa ferramenta poderosa que é o coaching, preparando dentro da educação os professores. O professor também precisa assumir uma postura coaching dentro da educação.

Vamos entender o que é essa postura coaching dentro da educação.

Ele tem que ser um provocador, um questionador, questionar e colocar o adolescente sendo posicionado em uma realidade de quem tem de tomar uma atitude, mesmo que simulada, mas que aprenda a dar o próximo passo e procure alternativas.

É muito difícil esperar que alguém que está emocionalmente abalado, procure alternativas, uma motivação específica. Precisa ser motivado o tempo todo e o que vemos, muitas vezes, é o estado de acomodação. Ao invés de atingir o estado desejado, atinge o estado de acomodação e aguarda também que o mundo faça por ele, aquilo que um dia fez pelo pai dele, então ele vê o pai em uma situação acomodada.

Ninguém está questionando aquela família de sucesso que tem o pai como referencial de sucesso, quer buscar segui-lo, mas estou falando é da grande maioria de nossa população que vive dentro de uma estrutura social estabilizada, porque se cristalizou naquela condição e se abraçou ao que têm para ele. A questão toda, fica quando nosso adolescente toma aquilo que é a cristalização de uma situação, que foi limitada naquela história de cada um e aquilo se torna o objetivo de vida dele, porque você não vê o progresso, desenvolvimento, buscando a solução dos seus problemas pessoais, ou seja, em que eu posso melhorar.

O adolescente tem de pensar isso: Eu estou me construindo, como posso construir de maneira correta e como posso transformar as minhas fraquezas em melhorias e buscar soluções para isso?

Aí é que entra o trabalho de coaching em educação que estamos desenvolvendo com o apoio da SLAC e do Sulivan França, que é o trabalho dentro das escolas.

É levar isso para, exatamente, potencializar esse momento do adolescente que busca um caminho em sua vida. Pode até ter uma orientação profissional, mas o que falta para ele é sua auto orientação, precisa se conhecer e para que, realmente, saiba qual o seu potencial.

Uma atitude tomada nesse momento vai mudar toda sua vida e depois pode se arrepender, é importante que tenha segurança e saber que cada passo que deu foi uma conquista dele e não uma submissão a algo que acontecia.

Nesse contexto também vem a questão da sustentabilidade. Hoje vivemos em um mundo em que temos que nos preocupar, por exemplo, com a questão social.

É preciso respeitar o ser humano para que possa respeitar a natureza, está vivendo nesse mundo e é ele que está preparando o mundo para o futuro.

A educação tem um papel fundamental, não pode, pura e simplesmente, acreditar que, hoje, preparar um adolescente, jovem, para prestar um vestibular. Isso é importante, mas é uma fase muito pequena de sua vida e que vai superar.

Esse é um problema que, muitas vezes, vemos. O candidato chegou a um momento de conquistar o seu caminho profissional e tem apenas isso como referência. Ele fala: "Não, quero seguir a minha carreira profissional,", e é preparado, pura e simplesmente, para passar em uma prova de vestibular. A partir dali está sozinho no mundo, é um amadurecimento cruel, porque perdeu seus referenciais, ou melhor, encontrou como referencial uma estrutura que não teve também sustentação para o futuro.

Se aquele que não teve sustentação conquistou seu espaço a trancos e barrancos, como que esse que conquistou o espaço a trancos e barrancos pode ser o meu objetivo de vida?

Isso significa que não estou progredindo, desenvolvendo, indo além. Se isso for uma constante, vamos começar a descer uma escada e isso não pode acontecer, até mesmo por causa de questões pessoais.

Quanto mais se falamos da sustentabilidade da sociedade, o respeito ao homem como um todo, porque ele não está sozinho e, consequentemente, isso sendo transportado para o respeito ligado à própria natureza. É do ponto de vista do ser humano que veremos a parte mais importante de respeito ao ambiente. Precisa estar associando toda a sua educação, o seu futuro, trabalho e sua profissão, ao futuro do mundo em que vai viver também. As coisas não podem ficar apenas em discursos.

E como fazemos para que isso saia do discurso?

Temos que ir para ação, então é um dos trabalhos que o coaching faz. Ele prepara, ou seja, estimula, através de questionamentos, que o indivíduo busque sua meta, mas a partir do momento que reconheceu a sua meta precisa partir para um plano de ação.

Como que se parte para um plano de ação?

Você tem que ter todo o planejamento, um cronograma, uma ação subsequente a ser tomada.

É nessa hora que aquele que está acompanhando com maior intensidade que esse jovem esteja preparado, então acreditamos que já está na hora dessa ferramenta estar nas mãos dos professores. Os professores precisam preparar o ambiente para esses alunos, precisa ser provocador a todos os momentos dentro da sala de aula, dos trabalhos, que seja um desafio.

O adolescente precisa ser desafiado para poder gerar esse seu autoconhecimento, precisa ser desafiado, que é para reconhecer, naquele momento, quais são as penas do fracasso e não, simplesmente, para compreender o fracasso, mas como saber como vai superá-lo.

Os pais podem fazer isso, mas os professores lidam com adolescentes de várias origens, famílias.

Ele precisa ter, dentro desse seu papel neutro como educador, – neutro não ao que diz respeito a não apresentar uma interferência direta na vida de cada adolescente – ter o papel de ser um questionador para que cada adolescente possa fazer a sua própria trajetória. O professor influencia na vida de todos.

Quem será que não lembra de um dos professores da escola, ou por uma brincadeira, ou por algo que aprendeu, ou então por admirar uma postura, até a maneira como falava?

Lógico, temos também aqueles que são lembrados por não terem tido uma atuação muito boa, mas, muitas vezes, essa atuação ruim do professor é, justamente, porque falta também a ele uma reciclagem, uma preparação.

O país não vai avançar, sair dessa condição econômica e financeira se não houver a potencialização da educação.

Há pesquisas que relatam, revelam, que quando se elimina o atraso na educação, ampliasse em 20%, 25% o tempo de vida do indivíduo, a educação promove a longevidade do ser. Isso é fácil de entender. Uma pessoa que estuda, se desenvolve, reconhece a importância, o respeito da vida, aprende a se cuidar, a dar o respaldo a sua própria família, a promover o bem-estar de todos desde o início da vida, logicamente isso vai promover melhores condições e vem a partir daí, mais uma vez a questão da educação.

Ele vai ter uma boa alimentação porque reconhece a importância dela. Não estamos falando de alimentação rica, pura e simplesmente variada, mas de saber o que é importante que seja consumido.

Nós temos uma das alimentações, não vou nem pegar esse crédito para mim, mas qualquer nutricionista diz que a alimentação do brasileiro é uma das mais ricas que existem, porque ela é completa, tem tudo aquilo de que nós necessitamos para um dia de existência. É importante que nosso adolescente saiba exatamente isso, do que tem que oferecer para os filhos e para ele.

De onde vem esse conhecimento?

Vem da educação, do trabalho de autoconhecimento, do conhecimento de sua vida.

Da mesma forma tem que procurar saber, por exemplo, que dentro desse trabalho de autoconhecimento não é só a melhora da qualidade de vida individual, mas temos também a questão da economia do país. Significa que se for eliminado parte do atraso educacional, ou seja, se fosse eliminado o atraso educacional em nosso país, o crescimento da renda per capita, o salário industrial das pessoas e até mesmo o trabalho de exportações, segundo pesquisas, cresceria de 15% a 30%.

Como é possível a educação interferir, diretamente, na economia de um país?

É simples, você tem um grupo de pessoas que, primeiro, buscam a melhoria de qualidade de vida para ele e para seus descendentes. Quando o adolescente visa a melhora de seus descendentes e não a reprodução do trabalho de seus antepassados, é que vemos o progresso de um país.

Se, simplesmente, tiver como meta o ideal de vida de meus pais, não estou indo além, estou ficando aquém daquilo que já foram.

E como isso pode acontecer dentro de um mundo que busca o tempo inteiro desenvolvimento, crescimento financeiro, econômico, para que o país possa, amanhã, oferecer melhores qualidades de saúde, de educação, até mesmo de segurança?

Estamos em um momento em que o debate político está muito forte. Estamos vendo mil promessas novamente, mais uma vez e é importante que se tenha o senso crítico, que se saiba filtrar, de tudo aquilo que é apresentado para nós como proposta, aquilo que, realmente, tem potencial de acontecer. Precisamos perder, um pouco, essa nossa ingenuidade política, começar a avaliar um pouco do discurso que existe. O que permite que alguém seja capaz de avaliar o discurso, competente de poder, é aquele que também possui esse discurso competente de poder, que posso interpretar a seleção das palavras empregadas. A palavra tem um poder muito grande, principalmente se ela for manipulada e articulada por alguém que tenha domínio e competência em fazê-lo.

Os nossos alunos, o nosso cidadão, porque quando falamos de alunos, de adolescentes, estamos falando do cidadão, de um cidadão que já faz parte de nossa sociedade atuante e que será potencializado no futuro.

Agora, eu deixo isso, simplesmente, pelo acaso? Vou deixar que o acaso faça isso tudo?

Não pode. É importante que esse trabalho passe a ser construído, a ser realizado com planejamento.

Então associe, agora, tudo isso que estamos falando.

Eu falo sobre o trabalho do coaching que é, justamente, de mudança de estado, mas a mudança de um estado indesejado – que é o estado atual – para um estado desejado – que é um estado melhor. Para que se projete esse estado desejado, é preciso que esse indivíduo conheça aquilo que tem, o que é possível conquistar e quais são as opções.

Como é possível ele, simplesmente, ter como referência um status estagnado, como o de estruturas familiares, que vemos hoje em dia?

Isso não pode acontecer. Então o trabalho do coaching fica como o da provocação pela busca do conhecimento.

Qual é o ambiente que isso deve acontecer?

É lógico que o trabalho do coaching pode acontecer individualmente, deve, mesmo com os adolescentes, mas ao mesmo tempo isso deve ser trabalhado coletivamente.

Como isso é trabalhado coletivamente?

Aí entra o papel do professor dentro da educação que deve ter a postura coaching, que é uma postura questionadora, provocante, desafiadora que lance perguntas desafiadoras para que sejam respondidas. É isso que vai gerar, dentro do processo de educação, o que falamos de autoconhecimento e aí sim é que virá o nosso debate em cima do que chamamos de sustentabilidade.

Como iremos trabalhar, por exemplo, a questão ambiental?

Eu venho em um mundo que foi degradado pelos meus antepassados dentro de um processo de desenvolvimento e de progresso que a eles interessou.

Nós tivemos matas sendo retiradas, regiões sendo transformadas, cursos de rios e lagos desaparecendo, ou sendo modificados pela conveniência do homem para atender ao seu progresso, a sua estrutura financeira. Muito foi conquistado, mas muito foi destruído.

Se a perspectiva de nosso jovem for a de dar continuidade ao trabalho daqueles que fizeram o que temos hoje, em pouco tempo o planeta vai estar destruído, é algo que todos sabem, é preciso que se mude, justamente, essa concepção.

Não é possível que o sonho de um adolescente fique restrito a realidade de seus pais. Por mais que seu pai tenha conquistado um status importante dentro dessa sociedade, fez parte de um mundo que trabalhou para o desenvolvimento da economia, mas que esqueceu o planeta, o mundo em que vive e agora chegou a vez dele trabalhar.

Não pode, pura e simplesmente, cair naquele discurso que diz que o jovem é o futuro da nação. Não, o jovem é o presente, o momento, a transformação tem de acontecer nele e sem filosofar, por que a ideia não é vir aqui fazer trabalho com filosofia, mas apresentar possibilidades concretas de transformação.

Quando idealizamos o projeto de coaching em educação, foi, justamente, para tentar mostrar que é possível levar uma ferramenta moderna, eficiente, contemporânea, para dentro da sala de aula, preparando dois ambientes diferentes.

Um professor preparado com competência vai ampliar o trabalho de sala de aula. Um aluno que vai ter o acompanhamento do desenvolvimento de seu trabalho com desafios, que vão permitir que saia daquele ambiente de metas pequenas, como a de passar em uma prova de vestibular sem saber o que aquilo pode representar depois disso.

Eu falo isso com um grau de experiência, sou professor, trabalho e trabalhei durante muito tempo com adolescentes, trabalho com adultos dentro de concursos públicos e nós vemos que todos têm um objetivo de vida, só que o adulto possui o objetivo de vida galgado dentro dos fracassos que já enfrenta, das dificuldades pelas quais passa, então está tentando mudar seu estado atual, só que o adolescente não tem ainda um status conquistado, porque tem ainda toda a projeção da estrutura familiar que está a sua volta, vai precisar construir sua estrutura.

Porque permitir que construa uma estrutura pela sorte para que, depois, a solução venha ser dada a ele, para que solucione problemas que poderiam nunca ter existido?

A educação é a resposta para tudo isso. Podemos falar sobre educação, a melhoria da estrutura física das escolas, das técnicas de ensino, da reciclagem dos professores, coisas que são importantíssimas.

A melhora do salário do professor que, dentro de nosso país, é um absurdo, é vergonhoso, comparado com qualquer outro país.

Todos temos, em um momento importante de nossa vida, pessoas que contribuíram e participaram de nosso desenvolvimento e uma dessas pessoas, com certeza, foi um professor e, de repente, colocarmos o valor desse professor relacionada a um salário menor de sobrevivência. É uma falta de respeito, só que tudo isso tem que ser considerado, só que, ao mesmo tempo, tem que ser considerado o nosso trabalho relacionado com o desenvolvimento do jovem hoje.

Minha gente, esse foi o nosso trabalho, hoje, feito aqui, como falei a vocês, em nosso Programa Acertar é Humano e podem acompanhar todo esse nosso trabalho pelo nosso site que é: www.acertarehumano.com.br e pelas redes sociais.

Um forte abraço a todos vocês e até o nosso próximo programa. Até mais, gente. Tchau.

♪ [tema acertar é humano] ♪

Você ouviu pela Mundial o Programa Acertar é Humano. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori. Uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil.

Outros Podcasts

038 - Programa Acertar é Humano: de 11/12/2014

#038

O apresentador Nélson Sartori recebeu, no Programa do dia 11/12, a coach educacional e professora Luciane Sartori que deu dicas para quem começa a se preparar para investir na carreira em 2015. Na “Dica do Professor”, foi a convidada Luciana Sartori que explicou os significados das palavras “infringir e infligir”.

037 - Programa Acertar é Humano: de 04/12/2014

#037

No Programa do dia 04/12 o professor Nélson Sartori abordou o tema “Qual o segredo das pessoas ricas e bem-sucedidas?” Durante o Programa o professor falou sobre o resultado de uma pesquisa realizada com pessoas que alcançaram esse estatus. O que eles fizeram para chegar lá? Para finalizar o professor Nélson deixou uma pergunta para reflexão do ouvinte e na “Dica do Professor” ele falou sobre o uso do S e do Z.

036 - Programa Acertar é Humano: de 20/11/2014

#036

Os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram no programa, do dia 20/11, o tema “Motivação”. O que é motivação? O que faz com que você levante pela manhã em busca de uma ação? Sua meta está alinhada aos seus valores? O que lhe motiva? Na “Dica do Professor, Nélson Sartori explicou o significado da expressão “Sangria Desatada”. No “Minuto do Coaching” o Master Coach Sulivan França deixou uma pergunta para reflexão do ouvinte.

035 - Programa Acertar é Humano: de 13/11/2014

#035

No programa do dia 13/11 o professor e apresentador Nélson Sartori falou sobre “Hábitos”. Como algumas manias podem agregar ou trazer dificuldades à rotina? Qual o efeito em nossas vidas ao obter hábitos positivos? Para fechar o programa Nélson deixou a pergunta no “Minuto do Coaching” e, em seguida, na “Dica do Professor”, explicou a diferença e o uso correto de “mais e mas”.

034 - Programa Acertar é Humano: de 06/11/2014

#034

O apresentador Nélson Sartori falou sobre o tema “Diversidade Cultural”. Durante o programa do dia 06/10, ele citou a importância da pluralidade cultural do Brasil. Para finalizar o programa, o professor Nélson lançou a pergunta do “Minuto do Coaching” e na “Dica do Professor” explicou a expressão “A rua da amargura”.

033 - Programa Acertar é Humano: de 30/10/2014

#033

O tema discutido no Programa do dia 30/10 foi “Desempenho no trabalho”. Os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori deram 5 dicas para aumentar o desempenho no trabalho. No final do programa, na “Dica do Professor”, Nélson Sartori explicou a expressão “Cair nos braços do Morfeu” e Sulivan França deixou a uma pergunta para o ouvinte no “Momento do Coaching”.

032 - Programa Acertar é Humano: de 23/10/2014

#032

No dia 23/10 os apresentadores do Programa Acertar é Humano discutiram a questão da “Intolerância” e as muitas divergências causadas quando não há o respeito das opiniões alheias, seja na política, na sociedade, etc. Na “Dica do Professor”, Nélson Sartori respondeu uma questão de um ouvinte: “O que significa bode expiatório?”. E para finalizar, o Master Coach Sulivan França lançou uma pergunta aos ouvintes no “Minuto do Coaching”

031 - Programa Acertar é Humano: de 09/10/2014

#031

No Programa do dia 09/10 o apresentador Nélson Sartori abordou o tema “Conflito” juntamente com a convidada e Master Coach Tália Jaoui. Durante o programa eles discutiram sobre o conceito de diálogo, debate e discussão. No “Minuto do Coaching” Tália lançou uma pergunta reflexiva aos ouvintes: “O que você ganha e o que você perde quando entra em um combate, embate? E pra finalizar, o professor Nélson explicou o conceito do termo “Feito na coxas”, na “Dica do Professor”.

030 - Programa Acertar é Humano: de 02/10/2014

#030

No Programa do dia 02/10, o apresentador Nélson Sartori bateu um papo com a Master coach Tália Jaoui que também é apresentadora do programa Conexão Comportamento pela TV UOL. Tália falou sobre sua experiência como formadora de novos coaches e como apresentadora. Na “Dica do Professor” Nélson Sartori explicou de onde surgiu o termo “rodar a baiana”.

029 - Programa Acertar é Humano: de 25/09/2014

#029

Em 25/09 os apresentadores do Programa Acertar é Humano falaram sobre “Oportunidades”. O que está se abrindo para você que você pode se beneficiar? E quais são os riscos e ameaças que estão presentes na sua vida? O professor Nélson Sartori explicou a expressão “Dar uma canja” na “Dica do Professor” e, para finalizar, o Master coach Sulivan França deixou uma reflexão para os ouvintes no “Minuto do Coaching”.

028 - Programa Acertar é Humano: de 18/09/2014

#028

No Programa Acertar é Humano de 18/09 os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram o tema “O que nos movimenta?” Quais são nossos pontos que têm o papel de uma alavanca em nossas vidas? E quais são os pontos que precisa de melhoria? Na “Dica do Professor” Nélson Sartori explicou sobre o significado da expressão “araque”.

027 - Programa Acertar é Humano: de 11/09/2014

#027

Em 11/09 os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram o tema “Inovação”. Para incrementar a discussão os locutores receberam no estúdio o empresário Raphael Ribas, que deu dicas para quem quer inovar. Para finalizar o Programa o Master Coach Sulivan França, lançou a pergunta do “Minuto do Coaching” e na “Dica do Professor”, Nélson Sartori explicou a expressão “da pá virada”.

026 - Programa Acertar é Humano: de 04/09/2014

#026

No Programa Acertar é Humano do dia 04/09 os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori falaram sobre “Modelo Mental”. O que motiva as pessoas a saírem do estado de estagnação e mudar o rumo de suas vidas? O Programa também contou com a participação especial de Carla Binsfeld. Na parte final Sulivan França lançou a pergunta do “Minuto do Coaching” e na “Dica do Professor”, Nélson Sartori explicou o significado da expressão “preto no branco”.

025 - Programa Acertar é Humano: de 28/08/2014

#025

No último Programa do mês de agosto (28/08) o apresentador Nélson Sartori abordou o tema “Coaching, educação e sustentabilidade”. Qual a importância do trabalho do coaching para a educação do nosso país? O professor no papel de coach sendo questionador e estimulador do aluno.

024 - Programa Acertar é Humano: de 14/08/2014

#024

Em 14/08, no Programa Acertar é Humano, os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram o tema: “Inteligência Emocional e os fatores que podem contribuir positiva ou negativamente para a nossa vida”. Durante o programa foram discutidos seis tópicos para explicar o que é ter Inteligência Emocional. Na “Dica do Professor”, Nélson Sartori falou sobre o uso dos “parênteses”. E, finalizando, Sulivan França comentou sobre o “Minuto do Coaching”.

023 - Programa Acertar é Humano: de 07/08/2014

#023

No Programa Acertar é Humano do dia 07/08 o professor Nélson Sartori abordou o tema Inteligência Emocional. Tudo acontece perante uma atitude mental positiva. Todo o sucesso da vida inicia-se com o pensamento. Saber lidar com as emoções e sentimentos de uma forma racional é ter Inteligência Emocional. No final do programa, na “Dica do Professor” Nélson falou sobre o uso do verbo “morrer”, e lançou a pergunta no “Minuto do Coaching”.

022 - Programa Acertar é Humano: de 31/07/2014

#022

O Programa Acertar é Humano do dia 31/07 os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori fizeram um programa especial sobre o tema Coaching. Qual é o foco do processo de coaching? Autoperformace, estratégia, planejamento foram alguns dos assuntos abordados dentro desse tema. Na “Dica do Professor” Nélson Sartori falou sobre o uso da vírgula. Para finalizar Sulivan França deixou uma questão para o ouvinte no “Minuto do Coaching”.

021 - Programa Acertar é Humano: de 24/07/2014

#021

No Programa do dia 24/07 os apresentadores abordaram o tema “Os 7 Pontos de alavancagem”. Foram debatidas dicas para impulsionar o negócio do novo empresário. Através de perguntas e análises os apresentadores levaram aos ouvintes dicas preciosas para alavancar o novo empreendedor em seu mercado. Na “Dica do Professor”, Nélson Sartori falou sobre o superlativo, já no “Minuto do Coaching” o master coaching Sulivan França lançou uma pergunta provocativa para a reflexão dos ouvintes.

020 - Programa Acertar é Humano: de 17/07/2014

#020

“A segunda carreira”. Esse foi o tema do Programa Acertar é Humano do dia 17/07. Como encontrar uma segunda carreira. Existe uma idade certa para ter o desprendimento para migrar para uma segunda carreira? O que essa outra opção de carreira oferece como perda e como ganho? Essas são algumas das questões levantadas pelos apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori. Na parte final do Programa o professor Nélson respondeu a dúvida de uma ouvinte que questionou o significado da expressão “engolir sapo”. Já o master coach Sulivan lançou a pergunta no Minuto do coaching.

019 - Programa Acertar é Humano: de 26/06/2014

#019

No dia 26/06 o tema abordado no Programa Acertar é Humano foi "Carreira". Os apresentadores responderam perguntas dos ouvintes sobre a formação de um coach - investimento, retorno e mercado em geral. Como o coaching pode influenciar qualquer carreira. Na “Dica do Professor”, Nélson Sartori explicou a expressão popular "eira nem beira". E para finalizar o programa, o master coach Sulivan França deixou uma reflexão sobre carreira no "Minuto do Coaching".

Programa Foco e Gestão com Sulivan França

De segunda a sexta
9:00 - 18:00

+55 (11) 3670-1770

info@slacoaching.org

Av. Francisco Matarazzo
1400 - SP

Sociedade Latino Americana de Coaching

+55 (11) 3670-1770
info@slacoaching.org

São Paulo - Brasil
Centro de Treinamento
Av. Francisco Matarazzo, 1.350
Água Branca - Cep: 05001-100
São Paulo - Brasil
Sede Administrativa
Av. Francisco Matarazzo, 1.400
Água Branca - Cep: 05001-100
CNPJ: 15.229.739/0001-47
Santiago - Chile
Oficina
Suecia 42, Oficina 02
Teléfono: +56 2 2632 5042
Lima - Peru
Oficina
Plaza Ricardo Palma 107 - San Borja
Teléfono: +51 980 037 494
Cartagena - Colômbia
Oficina
Cr 3 6A Esq. Ed. Jasban 407 - B/Grande
Teléfono: +57 5 655 03 01

Conteúdo Registrado ®
Todos os Direitos Reservados
Cópia Proibida.