Tenho conversado com algumas pessoas e o medo está presente nas organizações, passando pelos departamentos e aterrorizando os profissionais devido à este cenário tenebroso. A pergunta que cada um desses profissionais faz para si mesmo é: será que serei o próximo da lista?

Para afastar um pouco desse medo, vou deixar três dicas do livro Outplacement – a arte da ciência da recolocação de Gutemberg B. de Macedo, talvez você até saiba, mas negligencia elas por diversos motivos. Aqui vão elas:

1 - Crie o hábito de poupar

É muito importante que você crie esse hábito, talvez seja a hora de você reduzir suas idas à restaurantes com a esposa ou a namorada. Por exemplo, se você pretende sair 4 vezes ao mês para jantar, saia apenas 2. Imagine que cada ida ao restaurante te custe 200 reais, se você reduzir pela metade, você economizará 400 reais em um mês.

Identifique gastos inúteis, aqueles que não são relevantes para o seu dia a dia. Lembre-se, estamos em uma época de consumo consciente. Tenho certeza que você conseguirá salvar uma quantia razoável por mês e ficará surpreso com o resultado.

Caso tenha alguma dívida, coloque todos seus esforços financeiros para quitá-la o mais breve possível.

Especialistas dizem para poupar pelo menos um montante que garanta o pagamento de todas despesas durante 6 à 12 meses sem a necessidade de rendimentos.

2 – Como anda o relacionamento com seus colegas de trabalho?

Fico impressionado com a quantidade de pessoas que esquecem de fazer o famoso networking, é importante que você faça isso enquanto encontra-se empregado. As pessoas só lembram deste elemento fundamental quando perdem o emprego.

Normalmente o que acontece, o profissional perde o emprego, fica desesperado, pois não fez uma reserva financeira e começa a se aplicar em qualquer vaga disponível no mercado e só nesse momento, que se lembra de colegas que trabalhou ou estudou com ele.

Deixo o meu recado: Faça networking todos os dias, isso mesmo, todos os dias. Se interesse genuinamente pelas pessoas, ofereça ajuda e troque experiências.

3 – O quanto você vale para a sua empresa?

As empresas, atualmente, precisam de elementos-chave, ou seja, pessoas que façam o “algo mais”. O que seria isso? Profissionais proativos e com atitudes empreendedoras. Mas, o que vejo, são muitas pessoas reclamando que não são valorizadas, não recebem aumento, promoção, só reclamam da liderança, do processo que poderia ser diferente etc.

Pare por alguns minutos e pense comigo, o que adianta reclamar? Nada! Pense em mudar esse comportamento, se você está reclamando do processo que não funciona muito bem, parabéns, você pode ter encontrado um gap a ser melhorado, faça diferente, ao invés de reclamar, pense em uma solução e apresente ao seu líder. Talvez você ache que não seja pago para isso, mas é aí, que está o profissional diferenciado, este que terá a maior probabilidade de aumento ou promoção.

Então, seja o elemento-chave da sua empresa, tenha atitudes diferenciadas, dessa forma, provavelmente você nem se preocupará se seu nome estará na lista.

Por fim, coloque essas dicas em prática, no início poderá ser um pouco difícil, porém o esforço compensará. Tenho certeza que ficará impressionado com você mesmo!

Até o próximo artigo.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.

  0   0

Reinaldo Cesar Gandelini

Life Coach

Sou empreendedor fascinado por desenvolvimento de novos negócios. No meu trabalho mais recente, sou co-fundador da ideativeLab, uma empresa especializada na gestão de capital intelectual para o mercado de TI, assessorando profissionais técnicos e coordenadores no desenvolvimento de carreira, recolocação e assessment de perfil.