É verdade que o coaching nunca teve tão em moda quanto agora, tendo, sobretudo, ganhado destaque nas mídias. Caso por exemplo da judoca campeão olímpica no Rio, Rafaela Silva, que mencionou o trabalho da sua coach pessoal, revelado um dos segredos por detrás da medalha de ouro.

Além do esporte, outros segmentos estão sendo beneficiados pelo coaching, seja no campo pessoal e/ou profissional, desde então visto pessoas comuns obtidas melhores desempenhos nas suas atividades rotineiras, tornadas mais assertivas, com maior equilíbrio entre as áreas da vida.

Assim como tem se presenciado profissionais de alta performance com as suas competências intrínsecas exponencialmente potencializadas a partir do momento que exposto ao processo de coaching. 

Neste instante, dado notoriedade aos resultados bem-sucedidos de pessoas e profissionais depois do processo de coaching, natural que haja uma corrida de interessados em busca de igualmente se beneficiar, inflacionando o mercado como parte do jogo da oferta e procura.  

Contudo, aqui mora o perigo, vezes que se abrem brechas no mercado, deixando espaços, ou seja, lacunas para os oportunistas de plantão, que sempre estiveram ali às espreitas, prontos para agir e entrar em cena, os quais vislumbram tirar vantagens. Estes que vestem a máscara do personagem e se passam como coach. Inclusive sabem como se promover e fazer o seu marketing.

Afinal o mercado está em alta, aquecido, com atraentes preços girando em torno da sessão hora de coaching. Inegável que também houve a valorização da profissão, o que faz aguçar o interesse dos oportunistas.

Dá para ver pela enorme quantidade de ditos profissionais de coaching. Lógico que nem todos são coach. Verdade que qualquer coisa que está em evidência desperta a atenção. É quando os oportunistas insurgem frente às oportunidades.

Neste instante cabe ao interessado em se submeter ao processo de coaching saber filtrar e distinguir o coach do oportunista. Para ajudar o candidato a coachee recomenda-se que observe alguns pontos.

Primeiro desconfie se o pretenso coach faz muitas promessas, onde promete milagres, que diz ser a solução de todos os seus problemas, sem que cobre de você empenho e comprometimento dentro do plano de ação.

Em contrapartida, invista no profissional provocador, que vai lhe desafiar e fazer com que você saia da zona de conforto, indo inventariar o seu estado atual de vida antes de entrar na meta propriamente dita, a fim de levantar fatos e evidências que respalde a viabilidade da mesma.

 Em segundo lugar veja a formação deste profissional que se nomeia coach e averigue quanto tempo esteve dedicado aos estudos. Por que o bom coach, capaz de proficuamente dar apoio ao coachee na meta, é um estudioso, que dedica horas do dia para a sua qualificação.  

Fato que hoje tem se visto inúmeras arbitrariedades, o que gera confusões nas cabeças dos candidatos a coachee, sendo cada vez mais preciso redobrar os cuidados na hora da escolha do profissional. Isto porque a escolha vai ser decisiva para que o sucesso seja alcançado.  

Já o contrário, feito a escolha pelo profissional errado, coloca-se literalmente tudo a perder, comprometendo o atingimento da meta, que pode ficar bastante prejudicada, saído do processo de coaching ainda mais distanciado dela.   

Justiça seja feito, posto haver profissionais que estão aí realizando um trabalho revestido de boas intenções, que têm apresentados resultados positivos e impactos as vidas de muitas pessoas, tendo a sua validade. Só que recorrem a métodos diferentes, que não são de coaching. Logo, não podem se intitular coach.