Pensar que as organizações estão gastando muito dinheiro para descobrir o motivo dos seus recursos humanos estarem insatisfeitos com as suas atividades profissionais, e por essa razão não produzem mais de forma agregadora e efetiva, acabando utilizando o tempo que deveria ser convertido em produtividade em um ócio improdutivo e vicioso, que gerá prejuízos tangíveis as organizações, ainda mais em um cenário de crise no qual estamos vivendo.

É até um clichê ressaltar que nossa sociedade vive uma era de alta convergência, onde as informações chegam como uma avalanche sem precedentes e que durante um dia de trabalho, o profissional consegue ter mais informações sobre variados assuntos e abordagens, que na década passada.

Associado ainda com a propagação de que novas organizações, estão oferecendo novos modelos de trabalho aos seus empregados, dando a eles um voto de confiança para executarem projetos audaciosos em um tempo combinado por ambas as partes, sem se importar com horários ou processos, o importante é a tarefa concluída e bem executada.

Essas informações gera um grande impacto no modelo mental da geração entre 35 e 50 anos, levando-os ao desconforto profissional e uma vontade imensurável de buscar novos horizontes, na sua luta incansável contra um sistema de trabalho que está ultrapassado.

Esta geração especifica, quer gozar dos benefícios que essas novas organizações estão oferecendo, visto que muitos profissionais estão a bastante tempo trabalhando em processos complexos baseados em burocracias excessivas e sem perspectiva com o futuro, e pelo senso comum de inúmeros lideres e empresários que não conseguem ter a sensibilidade de enxergar que o mundo mudou, deixam imperar o temido complexo de Gabriela: eu nasci assim, eu cresci assim e vou morrer assim, deixando passar os novos conceitos de integração, colaboração, trabalho divertido e cocriação, que são os pilares da nova gestão humana corporativa consciente.

Daí surge o elemento combustível para que Metodologia Coaching X, contribua para que a organização reveja os seus procedimentos, mantendo de forma consciente os valores e os modelos de negócios que trazem valorização ao mercado, com intuito de eliminar hábitos negativos que afetam de forma direta a produtividade, transformando a ambiência sem engajamento numa ambiência produtiva, criando uma nova visão para a organização, aliado a uma integração dos negócios e vida pessoal proporcionando o um equilíbrio sustentável, em ações pontuais para resolução de situações difíceis.

E essas situações difíceis por vezes não passam de mera crença limitante, que restringe o profissional a alavancar a sua carreira na busca de realizar os seus objetivos de maneira efetiva e produtiva.

Esses reflexos se materializam na minha jornada diária de Coach, onde escuto repetidamente as seguintes frases:

“Não aguento mais a minha profissão”, ou “que a minha vida perdeu o sentido”, ou que “minha empresa não me supre mais a minha necessidade”.

Do nada solto uma simples pergunta:

O que você tem feito para sair da inércia?

O individuo para, levante a cabeça, respira, desvia o olhar e no fim dá um breve sorriso, por perceber que a solução da sua inércia está dentro do seu universo particular e um novo ciclo do desenvolvimento humano se inicia para o bem de todos da nação e a inércia começa a ser derrubada com mestria. 



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.