O que é coaching, e o que não é
Muito se fala sobre coaching, mas ainda há no mercado muita confusão e desinformação a respeito do assunto. Portanto, hoje o meu objetivo é discorrer brevemente sobre a questão, de forma a ajudá-lo a entender alguns conceitos. 

Há quem o confunda com consultoria, mentoring ou até mesmo com terapia – ideias totalmente equivocadas. 

De acordo com a Sociedade Latino Americana de Coaching (SLAC Coaching), é errôneo entendê-lo como uma terapia, pois seu objetivo nunca será o de promover uma cura, nem tampouco aconselhar o cliente a tomar determinada atitude, isto seria consultoria. Cada pessoa possui seu próprio sistema de crenças e valores e, logo, o melhor para mim poderá não ser o melhor para você e vice-versa. 

Já em um processo de mentoring, o mentor é geralmente um profissional mais velho e com vasta experiência no mercado, cuja função é orientar e dar aconselhamentos sobre carreira. Para tal, se baseia principalmente em suas próprias experiências para dar sugestões e dicas. 

E, por outro lado, o processo de coaching tem como objetivo principal apoiar o desenvolvimento do coachee, de forma a ajudá-lo a encontrar as respostas que procura, algo muito diferente do que fornecer todas as respostas. Ao agir assim, o coach também auxilia o seu cliente a aprimorar sua autonomia, autoconhecimento e engajamento com suas ações.

Visto que segundo Rosa Krausz, socióloga pela USP e fundadora ABRACEM, o processo de coaching se apoia nos seguintes pressupostos básicos:

As pessoas sabem mais do imaginam;

As pessoas possuem recursos, que nem sempre usam, para elevar sua performance;

Perguntas adequadas, estimulantes e objetivas valem mais do que ordens e controles;

Todo erro representa uma oportunidade de aprendizagem;

Metas desafiantes e viáveis estimulam as pessoas a darem o melhor de si;

Querer é poder;

As pessoas são capazes de mudar se assim o desejarem.

O método se divide em duas grandes áreas de atuação: 

O coach para iniciativas pessoais, chamado de Life Coaching, que trata de questões como: saúde, carreira, finanças, relacionamentos, entre outros; 

O coach para atividade profissional, chamado de Executive Coaching.  Neste caso ele se dá no contexto de uma empresa e é geralmente por ela patrocinado. 

Essa atividade vem crescendo de forma acelerada no Brasil. De acordo com uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Coaching, 84% das grandes empresas brasileiras usam o método, enquanto que 94% das empresas americanas o utilizam. 

Porém, são poucos os profissionais que possuem uma formação respeitada nessa área. Como ainda não existe um órgão que regulamente a formação e a profissão, somos invadidos por informações equivocadas, e é comum confundi-lo com inteligência emocional, processos de PNL, ou até mesmo com outras formações que variam de 12 a 40 horas. 

Essa avalanche de profissionais, que não estão devidamente qualificados para o exercício da profissão, tem gerado a banalização da atividade e o descrédito do consumidor. De toda forma, acredito na seleção natural, pois certamente não será possível sobreviver por muito tempo no mercado, sem oferecer um serviço de qualidade. 



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.