Quarenta e cinco minutos do segundo tempo. O jogo está zero a zero. O empate dá o título para o clube visitante. O juiz dá um minuto de acréscimo. O atacante do time da casa pega a bola no meio do campo e dispara a uma velocidade incomum. Ao entrar na área, é derrubado.

Por causa do carrinho por trás, o zagueiro é expulso. As cinquenta mil pessoas que lotaram o estádio entram em estado de euforia. Os milhões que assistem pela televisão também. É pênalti. Poucos segundos separam o time da casa do gol que vale a taça.

Depois da euforia, vem o silêncio. A bola está na marca, sob o olhar fixo do atacante. O goleiro respira fundo. Gotas de suor caem no gramado. O destino do campeonato está nas mãos desses dois jogadores. É o último lance. Os torcedores nem piscam.

A situação que relatei acima é uma provação e tanto. O jogador que vai bater o pênalti corre, sim, o risco de errar. Porém, a única maneira de acertar e virar um herói é assumir essa responsabilidade. Fugir da tarefa traz segurança, mas limita o crescimento.

Todos nós temos a oportunidade de passar por provações ao longo da vida. Na maior parte das vezes, a proporção não é tão grande como no exemplo que dei. Porém, o impacto é imenso para o contexto em que vivemos, para a nossa realidade.

Mais do que evitar fugir, penso que devemos buscar as provações. Precisamos ir atrás delas. Quando vencemos essas barreiras, nós mudamos de patamar. É dessa forma que mostramos para o mundo o nosso valor. É importante que nos apresentemos como alternativa.

Mas e se algo der errado? Quando estamos diante de um grande desafio e falhamos, a boa notícia é que saímos mais maduros da situação. Em alguns casos, temos um diagnóstico exato do que podemos melhorar para dar a volta por cima. Então, terá valido a pena.

O grande risco dessa tal de segurança é o sentimento amargo de que poderia ter feito mais. O mundo precisa que os grandes talentos se manifestem. Num ambiente de tanta tecnologia, é o conteúdo produzido por seres humanos que faz toda a diferença.

Na canção vencedora do Oscar “Lose Yourself”, o rapper Eminem cantou: “Olha, se você tivesse uma chance, ou uma oportunidade para ter tudo o que você sempre quis... Em um momento... Você pegaria, ou deixaria escapar?”.

A música faz parte do filme “8 Mile – Rua das Ilusões” e retrata um momento de provação do personagem principal: “As mãos dele estão suando, joelhos estão fracos, os braços estão pesados. Mas na superfície ele parece estar calmo e preparado para mandar umas rimas”.

Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor do post identificado abaixo.

  0   0

KHALED SALAMA

Master Coach

Khaled Salama é jornalista, executivo, palestrante e coach. Escreve semanalmente sobre mundo corporativo para diversos veículos de comunicação. As palestras são nas áreas de atendimento ao cliente, trabalho em equipe, liderança e motivação. Para a trajetória completa e mais informações, acesse o site: www.khaledsalama.com.br.