O desenvolvimento interpessoal consiste no aperfeiçoamento da capacidade de se relacionar com as outras pessoas. As empresas buscam colaboradores para somar seu crescimento, buscam pessoas que “vistam a camisa” e que literalmente “entrem de cabeça” nos assuntos e atividades da empresa como se fosse sua. Hoje, o conhecimento e experiência profissional não bastam, faz-se necessário também a adaptação quanto à identidade, culturas e ritmos impostos pela empresa. Se acaso você não tem o menor jeito para mudanças ou tem dificuldades para aceitar o novo, sinto-lhe informar, mas você é um forte candidato ao desemprego.
O grande causador dessa mudança no quadro empresarial é a disputa acirrada entre empresas no mercado; a empresa que quer vencer esse páreo deve apresentar ótimos resultados, bem como qualidade nos serviços prestados. As empresas querem contar com colaboradores que desenvolvam suas atividades voltadas ao crescimento financeiro da empresa. Comumente, as empresas ao admitir um novo colaborador e/ou a cada início de ano, solicitam que o mesmo liste quais são as conquistas que pretendem atingir até o fechamento do ano. E por incrível que pareça, o não cumprimento dessas conquistas, prejudica consideravelmente a vida do colaborador dentro da empresa, seja na participação nos lucros e resultados, seja acarretando em sua demissão.
O primeiro passo para que o desenvolvimento interpessoal aconteça é desenvolver a autoestima. Deve-se estar de bem consigo mesmo, acreditar que podemos ir sempre mais além, diante de qualquer obstáculo. Devemos acreditar em nós e nunca nos abalar com a opinião negativa dos outros, pelo contrário, usá-la como uma espécie de retorno para que sempre haja uma melhora e assim ficar em constante aperfeiçoamento. Mas, tomar sempre cuidado com os feedback’s, certificar-se de que, quem os deu possa realmente contribuir com o seu crescimento. Devemos ter segurança pessoal e nunca “meter os pés pelas mãos”, pois ter os pés no chão será fundamental para as tomadas de decisões.
O passo seguinte é desenvolver a empatia. Lembre-se que nem todos pensam como você, quando estiver em uma situação que achar que não é obrigado a aturar certos tipos de pessoas, tome cuidado, pois, terão pessoas que não são obrigadas a te aturar também, deve-se desenvolver a empatia e colocar-se no lugar da outra pessoa e nunca fazer para alguém algo que jamais queira que faça contigo. Tenha a capacidade de perceber os seus próprios direitos e os direitos dos outros.
Desenvolva capacidade de argumentação. A busca de informação, aprendizado e inteiração sobre os assuntos da empresa fazem com que tenhamos uma visão muito mais abrangente sobre uma determinada situação, nos tornando munidos de argumentos, cabendo somente a nós iniciar o processo de argumentação. Tenha uma comunicação clara e objetiva. A comunicação começa com a percepção, certifique-se primeiramente antes de passar qualquer informação, que a outra pessoa esteja totalmente atenta ao que você irá dizer, procure passar de forma clara e objetiva de modo que você não tenha problemas futuros.
Desenvolva coragem para correr riscos calculados. Saber aonde você quer chegar é fator fundamental para seguir em frente; existem pessoas que pelo fato de não saber onde querem chegar, quando chegam a algum lugar se dão conta que estão totalmente perdidas, arme-se de conhecimento, estude, aprenda, desenvolva, realimente-se, participe, comunique-se, lute, cresça e apareça, pois assim jamais terá medo de se arriscar, pois num mercado de trabalho competitivo “só corre risco aquele que não se arrisca”.
Escute mais e fale muito menos, e na tomada de decisão procure analisar todos os fatos, levando em conta as consequências futuras e a repercussão que isso trará para o desenvolvimento dos seus trabalhos, e, só assim coloque em prática.
As Malas do Passado
Convido você a imaginar duas situações onde caberá a você decidir o final dela.
José Henrique nasceu em uma favela da grande São Paulo, cresceu no meio da bandidagem e do tráfico, sempre fora espancado pelos seus pais por qualquer motivo, os quais aproveitavam para descontar nele todas as broncas do trabalho. Quando chegou a época de estudar, vivia sendo debochado pelos seus amigos por seu pai ser um alcoólatra, nunca tinha dinheiro para o lanche, não sabia realmente o que era o amor de uma família.
Já Sergio Augusto teve uma vida totalmente diferente, nasceu num bairro nobre, sempre teve todo o carinho de seus pais, levou uma vida de muita agitação na escola e sempre teve tudo que quis inclusive o amor de seus pais.
Hoje um desses personagens é um grande cirurgião famoso e totalmente realizado na sua vida profissional, e por incrível que pareça esse personagem é o José Henrique. Vamos agora, ver como isso aconteceu:
Para que o nosso desenvolvimento interpessoal aconteça, devemos nos livrar totalmente de pensamentos, sentimentos, angústias, fantasmas e medos que atrapalham o nosso crescimento. O desenvolvimento interpessoal acontece quando realmente esvaziamos nossas malas do passado. Muitas pessoas, hoje, colocam a culpa de seus insucessos em seus pais, na sociedade, na sua religião, na professora do colegial, enfim, buscam lá dentro das malas do passado situações traumáticas e infelizes que teimam carregar para o resto da vida e, com isso, justificar o seu fracasso.
Mas, com o nosso personagem José Henrique foi diferente, ele procurou esvaziar a sua mala, jogou fora tudo que não lhe servia, procurou perdoar, amar, consertar, encarar os medos que o assustava e partiu para um grande avanço em sua vida, com a mala vazia, desprendeu-se de paradigmas que o bloqueavam em suas ações e tomada de decisão e começou a muni-la de coisas que realmente lhe serviam chegando assim, a conquistar o seu objetivo, que, diga-se de passagem, era um objetivo grandioso.
Para nós não importa saber como termina a história do Sergio Augusto, pois é uma história que se repete todos os dias pelo mundo a fora.
Mas, já a história de José Henrique só acontecerá se realmente quisermos. Pois cada um de nós tem um pouco do José Henrique; como será que andam as nossas malas?
Quando disse que caberá a você decidir o final da história, estava me referindo sobre a história da sua vida. Para o desenvolvimento acontecer, cabe a nós termos a atitude e coragem, limpando nossas malas do passado de tudo que não nos serve e colocar nela somente o que realmente precisamos para crescer e nos desenvolver. Faça de hoje o primeiro dia do resto de toda sua vida. Atitude é Tudo!


Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.