Uma das mais novas atrações do Aquário de São Paulo, o urso polar chama a atenção de todos, a sua grandeza, beleza, altivez e magnanimidade chega a ser algo estarrecedor!

Um espaço relativamente amplo, com um pouco de gelo derretendo, mas bem longe da geleira onde normalmente vivem, com alimento sempre disponível não necessitando caçar, certamente buscaram reproduzir ao máximo possível seu habitat natural e ideal. Entretanto, me chamou a atenção o comportamento de um dos ursos, ele escolheu uma rota específica e mergulhava, nadava de frente, depois subia e já voltava com um belo nado de costas. As pessoas ficavam alucinadas, vi adultos disputando espaço com as crianças para tirar fotos e admirar o espetáculo.
Uau!   Fabuloso!
O urso parecia ignorar a todos, mantendo sempre o mesmo ritual. Meu amigo psiquiatra diria que é um Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), pensando na minha abordagem teórica eu entendi que foi a melhor forma que a sua psiquê (alma/mente) encontrou para buscar o equilíbrio, o ajustamento a nova circunstância, independente do nome que a ciência dá para esse comportamento, existe um ajuste mental, que nem sempre é o melhor, mas o possível para o momento e para a condição mental e psíquica da pessoa. 
Minha filha ficou encantada, observava seu nado, um pouco desconfiada, principalmente quando ele chegava bem perto para emergir, pois é possível ver seus olhos e toda a grandiosidade de sua forma física, vindo em sua direção e muito próximo, separados pelos vidros e água gelada. Mas não havia apenas esse urso, são dois ursos. O outro estava mais afastado, no período que fiquei a observar. Ele inicialmente estava nadando, chegou até bem perto do vidro, apareceu uma multidão para olhá-lo, ele saiu, subiu nas pedras e ficou na parte de cima, andando de um lado para outro, tentando se secar, depois se deitou em um canto e lá ficou.
Mas voltemos ao urso na água, enquanto a cena se repetia continuamente, passei a me sentir desconfortável ali e alguns questionamentos me fizeram refletir. E é isso que quero compartilhar com vocês. Para poder fazer mais sentido e ajudá-lo a explorar sua mente, as questões estarão na segunda pessoa.
E você, está nadando em que oceano?

Está em um aquário buscando um oceano azul?
Está em um oceano azul agindo como se estivesse em um aquário?
Que ambiente é esse do aquário para você?
Que ambiente é esse do oceano azul para você?
O urso não teve escolha, você pode escolher, o que escolheu até esse momento?
Como é estar nesse lugar escolhido?
Que vantangens têm estar nesse lugar?
Que desvantagens essa escolha traz?
O que seria estar em outro lugar?
Que ganhos teriam em estar lá?
O que perderia estando lá?
O que escolherá amanhã?
Como será estar lá?
O que fará para nadar onde quer nadar?
Existe, em você, um urso no aquário?
Que comportamento ele tem?

Por qual razão algo tão grandioso está engessado?
Se você tem uma empresa ou lidera uma equipe, transfira essas perguntas para as questões empresariais ou de equipe. 
O que seria nadar no oceano azul nos dias de hoje?
O que para mim é um aquário pode ser para você um oceano azul e vice-versa.
Não importa quem tem razão, importa termos consciência das nossas escolhas e do nosso poder de realizar mudanças.
Não seja um urso polar no Aquário, nade no Oceano Azul que escolher.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade da autora identificada abaixo.