Poderia ter definido o tema desse artigo numa perspectiva positiva, no entanto minhas crenças suspeitaram que os senhores iriam prestar mais atenção na provação do uso negativo e, principalmente, quando alinhado a algo que está sendo explorado cada vez mais por pessoas que buscam tornar suas metas realistas e alcançáveis, como o Coaching, metodologia que ajuda as pessoas a evoluir em alguma área de sua vida partindo de seus próprios potenciais.

Absorvida a sua atenção, a primeira coisa que devemos questionar é: O que o Mágico de Oz tem a ver com Coaching? Qual a relação que a literatura infantil de L.FranK Baum (1901) tem a ver com esse termo tão procurado por pessoas que desejam ter sucesso em suas vidas? Será que Dorothy, o Espantalho, o Homem de Lata e o Leão Covarde, ou o próprio Mágico de Oz contrataram algum especialista em Life Coaching para atingir suas metas, a fim de evoluírem algo em suas vidas?

Calma, amigos! Vamos para um pequeno “spoiler” do livro e depois busquemos as conexões. No primeiro momento, um ciclone leva Dorothy e sua casa para o mundo Mágico de Oz. A casa de Dorothy acaba por cair em cima da Bruxa Má do Leste, para a alegria dos moradores daquela região. Dorothy, então, acaba se tornando uma heroína, mas tudo que ela deseja é retornar para casa, ficar ao lado de seus tios.

Dorotthy parte rumo ao encontro do Mágico de Oz, Cidade Esmeralda, única esperança de retorno à sua casa. Durante sua jornada, encontra três companheiros: o Espantalho, Homem de Lata e o Leão Covarde. Os três desejam também conhecer o mágico, pois o Espantalho deseja um Cérebro, o Homem de Lata um coração e o Leão Covarde, a coragem.

Bom, já deu para contextualizar ao leitor. Então, convido-os a olharem com detalhes para a jornada comum desses quatros personagens. Durante a busca do mágico eles passam por diversos desafios, e confesso a você que à medida que lia o livro para minha filha, ficava integrado com o esforço mútuo de cada um para salvar o outro.

Inicialmente é meio esquisito, o espantalho faz algumas ações que você diz:  “Nossa, ele já tem um cérebro e não sabe. O Homem de Lata é tão generoso, o Leão sempre arrisca a vida para salvar os amigos”. No entanto, todos se mantêm fiéis às suas crenças, metas e precisam, a qualquer custo, chegar até o mágico. 

Depois de uma longa jornada, conseguem se aproximar da Cidade da Esmeralda, e o pequeno mágico faz grande esforço para ajudar a realização individual de cada meta.

E agora, cadê o Coaching?

Percebam que antes da chegada de Dorothy (recomendo a leitura desse livro), nossos amigos encontravam-se frustrados, sabiam até o que queriam, mas não tinham o apoio necessário para alcançarem suas metas. Apesar de Dorothy possuir sua própria meta, ela atua como um fator motivacional sincero para que cada um desperte seus potenciais em busca de seus desejos.

A jornada mostra, ao final, o estado de felicidade ao qual todos contemplam quando têm suas metas alcançadas.

No primeiro livro, sabemos que Dorothy, ainda não consegue retornar para casa devido à necessidade de ajudar seu cachorro (interferência na meta), mas se antes ela estava triste por não ter amigos, agora estava feliz por ter companheiros tão fieis, que lhe dão forças para alcançar sua meta, já que ter amigos dá tranquilidade à Dorothy de se aproximar mais do retorno à casa dos tios.

Dessa forma, sendo o Coaching o processo através do qual um cliente tem o apoio de outra pessoa (Coach – profissional responsável por dá apoio no alcance das metas dos clientes) para despertar seus verdadeiros potenciais e atingir suas metas; o que analisamos é que Dorothy atuou como Coach de seus amigos (Coachee – pessoa que procura o Coach, cliente), o empurrão que, às vezes, falta para encorajar nossas tomadas de decisões.

Na verdade, o Mágico de Oz não deu um novo cérebro ao espantalho. O próprio espantalho, com o apoio de Dorothy, passou a usar o seu cérebro para ajudar seus amigos; da mesma forma o Homem de Lata (usou várias vezes seu coração), e o Leão Covarde (arrisca sua própria vida para salvar os amigos).

A nossa pergunta inicial, num formato agora positivo, poderia ser transformada numa afirmação “O Mágico de OZ usou Coaching e eu também posso precisar usar, a fim de evoluir para um estado diferente e melhor”.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.