A liderança e o Seis Sigma Ganhei um presente, que foi falar sobre modelos de liderança para um público jovem, estudantes de Ensino Técnico. Um sentimento de gratidão quando a gente observa olhinhos fixos e brilhantes acompanhando os exemplos. Poder divulgar conceitos de Liderança Coaching, principalmente para um público tão jovem é um privilégio!

Durante a preparação do material audiovisual me peguei pensando quanta diferença faria na minha primeira experiência com o Lean e o Seis Sigma se tivesse tido gestores que fossem líderes servidores e comprometidos... mas era uma outra época ... outros valores e objetivos.

Como coincidências acontecem, acabei de receber no meu email, uma newsletter do Lean Institute Brasil, onde o Presidente do Institute fala como os presidentes das empresas são importantes na transformação Lean.

Ele escreve: "Imagino que muitos acham que só é possível começar com o apoio do presidente porque os princípios do modelo autoritário de gestão são tão fortes e enraizados no nosso inconsciente que acreditamos que nada pode acontecer se não vier de cima. Esse conceito “top-down” do comando e controle nos faz crer que as coisas importantes da empresa só podem acontecer se o presidente estiver envolvido.
O presidente não pode ser visto como e nem deve se considerar o salvador da pátria. Deve ser capaz de formar uma equipe forte, que significa literalmente todos os colaboradores da empresa. E estimular a iniciativa das pessoas... 

... O estilo de gestão autoritário enraizado pode atrapalhar. Podem ir ao gemba, mas acabam – muitas vezes sem querer e perceber –intimidando, pois não sabem ouvir, não sabem perguntar e não estimulam as pessoas a tomar a iniciativa. Buscam culpados, o que reforça o encobrimento de problemas e não permite uma maior transparência."

Ele descreve um modelo de liderança autocrático, e no momento atual queremos lideres servidores, bom ouvintes, participativos.. lideres que motivam melhorias nas pessoas, que são os responsáveis pela melhoria dos processos.

É sempre bom saber que o que pensamos também está sendo pensado em outras esferas. Isso fortalece em mim a certeza de que o caminho que estou trilhando é válido e que trabalhar com melhoria de processos e pessoas é uma escolha boa.

Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor do post identificado abaixo.Ganhei um presente, que foi falar sobre modelos de liderança para um público jovem, estudantes de Ensino Técnico. Um sentimento de gratidão quando a gente observa olhinhos fixos e brilhantes acompanhando os exemplos. Poder divulgar conceitos de Liderança Coaching, principalmente para um público tão jovem é um privilégio!
Durante a preparação do material audiovisual me peguei pensando quanta diferença faria na minha primeira experiência com o Lean e o Seis Sigma se tivesse tido gestores que fossem líderes servidores e comprometidos... mas era uma outra época ... outros valores e objetivos.

Como coincidências acontecem, acabei de receber no meu email, uma newsletter do Lean Institute Brasil, onde o Presidente do Institute fala como os presidentes das empresas são importantes na transformação Lean.

Ele escreve: "Imagino que muitos acham que só é possível começar com o apoio do presidente porque os princípios do modelo autoritário de gestão são tão fortes e enraizados no nosso inconsciente que acreditamos que nada pode acontecer se não vier de cima. Esse conceito “top-down” do comando e controle nos faz crer que as coisas importantes da empresa só podem acontecer se o presidente estiver envolvido.
O presidente não pode ser visto como e nem deve se considerar o salvador da pátria. Deve ser capaz de formar uma equipe forte, que significa literalmente todos os colaboradores da empresa. E estimular a iniciativa das pessoas... 

... O estilo de gestão autoritário enraizado pode atrapalhar. Podem ir ao gemba, mas acabam – muitas vezes sem querer e perceber –intimidando, pois não sabem ouvir, não sabem perguntar e não estimulam as pessoas a tomar a iniciativa. Buscam culpados, o que reforça o encobrimento de problemas e não permite uma maior transparência."

Ele descreve um modelo de liderança autocrático, e no momento atual queremos lideres servidores, bom ouvintes, participativos.. lideres que motivam melhorias nas pessoas, que são os responsáveis pela melhoria dos processos.

É sempre bom saber que o que pensamos também está sendo pensado em outras esferas. Isso fortalece em mim a certeza de que o caminho que estou trilhando é válido e que trabalhar com melhoria de processos e pessoas é uma escolha boa.

Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor do post identificado abaixo.