Até o final da década de 1990, na maioria das organizações, só a presença do chefe era suficiente para fazer o empregado trabalhar. Bastava ele estar presente para que todos soubessem, que não se podia parar e que tinha que produzir. Sua gestão era autoritária e com o seguinte lema: “Manda quem pode e obedece quem tem Juízo”. O diálogo quase não existia e sua gestão era marcada pelo medo e usava-se do cargo para fazer o funcionário trabalhar.

Atualmente este modelo de gestão está ultrapassado. Liderar hoje não é só mandar. O funcionário não precisa de um chefe, mas sim de um líder influente. A liderança precisa ter ideias inovadoras, palavras que induzem, atitudes e exemplos que arrastam. O líder precisa entender do negócio e, mais do que nunca, entender de pessoas. Ele precisa caminhar junto de seus liderados colocando a mão na massa, caso contrário a coisa não anda.

Quer fortalecer sua empresa? Então fortaleça os líderes que trabalham nela.

A maior virtude de um líder é desenvolver qualidades extraordinárias em pessoas comuns, encontrando o lugar certo para as pessoas certas nas organizações. Entre seus colaboradores pode haver um talento desperdiçado, exercendo uma função que não gera produtividade.

Fica latente ao líder identificar estes e outros pontos ao gerir uma equipe. Algumas vezes o ¨chefe¨ começa a culpar sua equipe, ou um individuo, o que desmotiva e trava o processo. Isto pode demonstrar um líder perdido. Muitas vezes isto se dá pela falta de atenção ao pessoal que lhe auxilia nos objetivos da empresa.

Alguns deveres de um líder:

Conscientizar - Deixar claro para o funcionário a importância do cliente; as pessoas só mudam quando conscientes do problema;

Educar – Educar sempre, pois a educação é a arma mais poderosa para mudar o mundo. Sendo assim, homem não é nada além daquilo que a educação faz dele.

Treinar – É a base da excelência sendo que deverá ser um hábito que se adquire por repetição;

Cobrar – Respeitando sempre as pessoas sem abrir mão do resultado;

Motivar – Camaradagem no ambiente de trabalho valorizando as pessoas e reconhecendo seus méritos.

A liderança da empresa poderá ser o acelerador ou o freio de mão puxado. É ela quem dita o ritmo e, sendo assim, a organização que não virar escola terá sérios problemas no futuro.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.

  0   0

Valmir Antonio Coleto

Life Coach

Valmir Coleto é Coach, Palestrante, Administrador de Empresas, Especialista em Gestão Estratégicas de Pessoas, Consultor Empresarial com especialidade em Estruturação Empresarial. Idealizador do Curso “A Arte de estruturar Micros e Pequenas Empresas”, Vice Presidente da pasta de Capacitação APEVI - 2017 e sócio proprietário da Coleto Soluções Administrativas.