É comum ouvir as pessoas dizerem “ah! a vida tem sido muito injusta; ou, nossa a vida me pregou mais uma peça, ou até mesmo, não sei o que a vida quer comigo…” e por aí vai.

Recentemente, me peguei pronunciando uma das frases citadas e, como amo questionar-me, comecei a fazer uma análise da situação por outro ângulo.

Pois bem, a vida está a questionar-me, quais opções eu tinha antes de chegar a situação atual? Quais ações tenho praticado, ou melhor, quais ações venho procrastinando ultimamente?

Conclui que “a vida” está apenas tentando seguir seu rumo, como a corrente de água tenta chegar ao mar. O problema é que no caminho eu vou tentando levar tantas coisas comigo, que acabo por tornar o fluir da vida mais intenso, carregado.

Somente quando a corrente de água consegue se livrar dos entulhos, ela volta correr livremente. Assim é a vida, ela quer correr livremente rumo ao mar de oportunidades, de felicidades, porém antes preciso deixar certas situações de lado, deixar passar.

Deixe a vida fluir. A vida é perfeita, leve e tem uma queda, ou seja, é apaixonada pela felicidade. Então, deixe a vida fluir, ela vai correr para os braços da felicidade